RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Amon Amarth: Os Vikings ficariam orgulhosos com esse novo álbum

Resenha - Jomsviking - Amon Amarth

Por Guilherme Niehues
Postado em 29 de março de 2016

O novo álbum dos suecos do AMON AMARTH, intitulado "Jomsviking" foi lançado no dia 25 de março. Mas, obtive um acesso exclusivo para apreciar mais um belo trabalho na carreira da banda.

Em um primeiro momento, é necessário fazer uma ressalva e dizer que este é o primeiro álbum sem o baterista Fredrik Andersson (que ocupou o posto por 17 anos). As baquetas ficaram, então, por conta do veterano Tobias "Tobben" Gustafsson que já participou de bandas como Vomitory e God Among Insects.

Para os que já conhecem as músicas First Kill e At Dawn’s First Light, já entenderam que o baterista convidado não deixa a desejar e acrescenta a cozinha uma nova batida que varia muito bem entre o melódico e o agressivo. Ao ouvir todo o álbum isso fica mais evidente e você tem aquela sensação de que, ele deveria seguir atrás das baquetas da banda.

Também é interessante comentar que este é o primeiro álbum conceita, que retrata uma história com inicio meio e fim. Basicamente, seguimos a história de um Viking exilado e suas aventuras até voltar a sua terra como um homem e obter sua vingança. Não vou dar maiores spoilers. :)

O álbum do inicio ao fim, é um divisor de águas na carreira da banda. Todos os ingredientes da famosa fórmula estão aqui e ali, mas existe um tom melódico mais acentuado ao longo da bolacha e isso nos mostra que, a banda resolveu sair um pouco da sua zona de conforto que fora alcançada com os antecessores Deceiver of the Gods (2013) e um pouco do Surtur Rising (2011).

As guitarras possuem em cada faixa um momento que se destacam e resultam em um som imponente e intrigante, provendo uma sensação muito mais interessante ao ouvinte do que em seus antecessores. Realmente a banda teve uma dedicação maior nesse processo de composição e mostra ainda mais o talento para escrever riffs pegajosos.

Todas as 11 faixas do álbum se sobressaem em algum aspecto e portanto, não deixam o ouvinte com aquela sensação de sempre mais do mesmo ou de que 80% do álbum foi ignorada ao longo do play. Todos os elementos permitem você a identificar que este realmente é um álbum do AMON AMARTH em sua plenitude. Dificilmente você não reconheceria.

Vocês já conhecem duas músicas a First Kill e a At Dawn’s First Light, mas após ouvir o álbum todo, acabei me apegando a duas músicas em especial:

A Dream That Cannot Be conta com a participação da Doro Pesch (Doro, ex-Warlock) e no catálogo da banda é uma inovação, pois não tínhamos uma canção com participação de vocais femininos. Posso lhe garantir que a convidada se sente em casa e engradece a canção e mostra que é possível fazer um duo com Johann sem perder o senso e sonoridade.

A última música da bolacha Back on Northern Shores se tornou a minha favorita, não somente pela ótima conclusão, mas por ser a mais longa com mais de 7 minutos. Essa música capta toda a essência da banda e permite identificar sua melodia, agressividade e cuidado quando o assunto é música.

Os vocais não é preciso comentar, certo?

Johann consegue transmitir todo o furor de uma batalha com sua voz e é nitidamente perceptível o sentimento transmitido. Aliás, em alguns momentos ele usa sua voz limpa para fazer algumas passagens durante a bolacha e tudo se encaixa perfeitamente desde a primeira música até a última.

Se você é novato quando falamos de AMON AMARTH, Jomsviking pode ser um belo prato de entrada. Infelizmente, o clássico absoluto da banda Fate of Norns (2004) deverá ser o seu prato principal. Claro que esta nova bolacha será lançada em breve, mas cairá nas graças dos Vikings e terá aquele lugar especial em Valhala.

Em um resumo simplificado para os preguiçosos:

Toda a cozinha do AMON AMARTH está presente. Melodias, agressividade, o assunto sobre Vikings, os riffs de guitarra e uma bateria destruidora. Os convidados (baterista e Doro Pesch nos vocais), não deixam a desejar em seus postos e trazem uma evolução/inovação bastante interessante, sem perder a sonoridade já conhecida.

[an error occurred while processing this directive]

E antes que eu esqueça, vale ressaltar a belíssima capa que os suecos nos trazem, digna de competir com outros álbuns do catálogo da banda e até mesmo com outras bandas. Se existisse uma premiação para melhor capa, teríamos um forte concorrente.

Nota: minha resenha é instigar você a ouvir o novo álbum e é apenas minha opinião pessoal de pontos importantes ou uma síntese do que você vai encontrar. Ouça e tirem suas próprias conclusões.

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de Jomsviking - Amon Amarth

Resenha - Jomsviking - Amon Amarth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da Suécia

Amon Amarth e Abbath: bandas visitam o cristo redentor

Amon Amarth: banda virá ao Brasil em maio; Abbath abre os shows

Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal