Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemDavid Bowie recusou (mais de um) convite para produzir o Red Hot Chili Peppers

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Stamp

Myrath: Banda se recupera e volta a fazer música inspirada

Resenha - Legacy - Myrath

Por Victor de Andrade Lopes
Fonte: Sinfonia de Ideias
Em 27/02/16

Nota: 8

Depois de um mediano Tales of the Sands, em que o quinteto tunisiano de metal progressivo oriental Myrath moderou demasiadamente suas influências árabes e abdicou de faixas contrastantes em termos de peso e duração, Legacy vem para mostrar o reencontro do grupo com suas raízes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Há duas coisas que chamam a atenção no quarto disco deles: em primeiro lugar, justamente essa recuperação dos elementos árabes. Do começo ao fim, temos sons típicos da região o tempo todo, garantindo que a banda não abdique daquilo que a tornou única.

Em segundo lugar, a consistência do som, que já era uma constante desde sempre, mas agora traz uma divisão mais equitativa de espaço para cada instrumento, o que no caso significa teclados sendo menos eclipsados que no lançamento anterior.

A ausência daqueles belos duelos de "Hope" ou "Ironic Destiny" é compensada pela inspiração das composições. A abertura instrumental "Jasmin" e sua sequência "Believer" (que recebeu "o vídeo mais louco já feito", segundo eles mesmos) já jogam o nível do álbum lá em cima. As sequências fazem jus, e o tempo todo você visualizará a banda tocando em meio às areias do Saara.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As influências de Symphony X estão mais gritantes do que nunca, especialmente em faixas como "The Needle" e "The Unburnt" mas sem parecer uma mera tentativa de copiar os estadunidenses. Enquanto essas faixas mostram um lado mais cru e direto, "Duat" e "Nobody's Lives" já vão por um caminho mais lento e sereno. "Endure the Silence" surpreende pelo seu riff introdutório ao piano, que se encaixaria em praticamente qualquer gênero, inclusive rap e pop.

Assim, de faixa em faixa, o Myrath mostra que ainda tem inspiração de sobra para criar uma ponte entre o metal euro-americano e as raízes árabes, fazendo de Legacy um álbum que será tomado como parâmetro para a análise dos lançamentos futuros deles.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Passado o susto de Tales of the Sands, o Myrath conseguiu voltar a fazer uma música que empolga, embora nunca seja demais ressaltar que uns duelinhos não matariam ninguém. Ouça esta joia do metal africano sem medo de ser feliz!

Abaixo, o vídeo de "Believer":

Track-list:
1. "Jasmin"
2. "Believer"
3. "Get Your Freedom Back"
4. "Nobody's Lives"
5. "The Needle"
6. "Through Your Eyes"
7. "The Unburnt"
8. "I Want to Die"
9. "Duat"
10. "Endure the Silence"
11. "Storm of Lies"
12. "Other Side" (faixa bônus da versão norte-americana)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got Talent


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.