publicidade

Billy Gibbons: Revelando criatividade, inquietação e lado pessoal

Resenha - Perfectamundo - Billy Gibbons and The BFG's

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Existem várias formas de criar um disco. Ele pode ser concebido como uma manifestação artística que busca estabelecer novos parâmetros para o estilo em que está inserido. Pode ser um objeto de experimentação, mostrando o artista explorando novos caminhos. Ou pode ser, simplesmente, um trabalho despretencioso, reunindo amigos em uma grande diversão.

ZZ Top: trailer de documentário sobre a banda é divulgadoGreen Day: 10 coisas que você não sabe sobre a banda

É justamente nessa última opção que se deve colocar "Perfectamundo", o primeiro álbum solo de Billy Gibbons, vocalista e guitarrista do ZZ Top. Longe de Dusty Hill e Frank Beard, seus parceiros no trio texano, Gibbons reuniu um time de feras batizado como The BFG's - o vocalista e baixista Alex Garza, o vocalista cubano Chino Pons, o tecladista argentino Martin Guigi e o baterista Greg Morrow - e veio com um trabalho leve, alto astral e apresentando um rock com tempero afro e cubano. Há muito balanço em todas as faixas, percussão comendo solta, grooves contagiantes. Tudo embalado com uma saudável sensação positiva.

O barbudão já faz parte da história do rock e sabe disso. Billy já deixou a sua marca no hard, no southern e no pop, e em "Perfectamundo" passa bem longe de tentar algo maior do que a pura diversão. Há até rap entre as faixas, mostrando o quanto Gibbons utilizou a oportunidade de gravar um disco solo para experimentar novas sensações sonoras.

Brincalhão, solto e com um ar de reunião de amigos, "Perfectamundo" é um álbum logicamente menor na trajetória de Billy Gibbons e não tem como ser comparado a nada que o ZZ Top gravou. No entanto, assim como existem várias formas de criar um álbum, há também diversas maneiras de analisar um disco. E, nesse sentido, o trabalho funciona de maneira agradável, revelando a criatividade, a inquietação e um pouco mais do lado pessoal de Gibbons.

Vale o play!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "ZZ Top"Todas as matérias sobre "Billy Gibbons"


ZZ Top: trailer de documentário sobre a banda é divulgadoZZ Top: nova compilação celebra os cinquenta anos do trio

Eddie Van HalenEddie Van Halen
E se ele tocasse no A-Ha, ZZ Top ou AC/DC?

ZZ TopZZ Top
O que eles pensam sobre o Greta Van Fleet?

Super BowlSuper Bowl
Quando as guitarras fizeram touchdown


Green DayGreen Day
10 coisas que você não sabe sobre a banda

Iron MaidenIron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

MetallicaMetallica
Garoto de 10 anos destrói com Enter Sandman em programa de TV

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1983Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockMegadeth: Mustaine se acha um dos quatro melhores guitarristas-baseNightwish: Tarja Turunen fala sobre sua demissão da banda

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336