Billy Gibbons: Revelando criatividade, inquietação e lado pessoal

Resenha - Perfectamundo - Billy Gibbons and The BFG's

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Existem várias formas de criar um disco. Ele pode ser concebido como uma manifestação artística que busca estabelecer novos parâmetros para o estilo em que está inserido. Pode ser um objeto de experimentação, mostrando o artista explorando novos caminhos. Ou pode ser, simplesmente, um trabalho despretencioso, reunindo amigos em uma grande diversão.

5000 acessosRock e Metal: dez canções clássicas que citam Jesus Cristo5000 acessosMegadeth: o guitarrista que poderia ter ficado com a vaga de Kiko

É justamente nessa última opção que se deve colocar "Perfectamundo", o primeiro álbum solo de Billy Gibbons, vocalista e guitarrista do ZZ Top. Longe de Dusty Hill e Frank Beard, seus parceiros no trio texano, Gibbons reuniu um time de feras batizado como The BFG’s - o vocalista e baixista Alex Garza, o vocalista cubano Chino Pons, o tecladista argentino Martin Guigi e o baterista Greg Morrow - e veio com um trabalho leve, alto astral e apresentando um rock com tempero afro e cubano. Há muito balanço em todas as faixas, percussão comendo solta, grooves contagiantes. Tudo embalado com uma saudável sensação positiva.

O barbudão já faz parte da história do rock e sabe disso. Billy já deixou a sua marca no hard, no southern e no pop, e em "Perfectamundo" passa bem longe de tentar algo maior do que a pura diversão. Há até rap entre as faixas, mostrando o quanto Gibbons utilizou a oportunidade de gravar um disco solo para experimentar novas sensações sonoras.

Brincalhão, solto e com um ar de reunião de amigos, "Perfectamundo" é um álbum logicamente menor na trajetória de Billy Gibbons e não tem como ser comparado a nada que o ZZ Top gravou. No entanto, assim como existem várias formas de criar um álbum, há também diversas maneiras de analisar um disco. E, nesse sentido, o trabalho funciona de maneira agradável, revelando a criatividade, a inquietação e um pouco mais do lado pessoal de Gibbons.

Vale o play!

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock e MetalRock e Metal
Dez canções clássicas que citam Jesus Cristo

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "ZZ Top"

Dimebag DarrellDimebag Darrell
Em 1993, citando suas 12 músicas favoritas

ZZ TopZZ Top
Recusando US$ 1 milhão para raspar a barba

ZZ TopZZ Top
Billy Gibbons surpreende em lista de discos preferidos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "ZZ Top"0 acessosTodas as matérias sobre "Billy Gibbons"

MegadethMegadeth
O guitarrista que poderia ter ficado com a vaga de Kiko

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
25 coisas que você talvez não saiba sobre o Madman

Duff McKaganDuff McKagan
Escolhendo entre Led Zeppelin e Black Sabbath

5000 acessosMudanças: 5 bandas que seguem sem membros da formação original5000 acessosChorão: Tico Santa Cruz solta o verbo à sociedade hipócrita5000 acessosSlayer: Tom Araya revela seus ídolos do baixo5000 acessosSlayer: Tom Araya está de saco cheio da rotina de gravar e sair em turnê5000 acessosCourtney Love: Frances poderia ter sido Bella na saga Crespúsculo5000 acessosMetallica: compare "Orion" de Burton, Newsted e Trujillo

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online