Matérias Mais Lidas

imagemTitãs: traído, o baterista destruiu o quarto; Paulo Ricardo viu na TV a traição

imagemPaulo Ricardo e a loucura em hotel nos anos 1980: "Eu já tinha perdido o pudor!"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO maior álbum de todos os tempos, na opinião do saudoso Ronnie James Dio

imagemMetallica: se você achou caro o pacote do Titãs, fuja dos preços da turnê de Hetfield & Cia

imagemWandinha, da Netflix, resgata banda icônica do Rock em canção com letra sacana

imagemO curioso ritual do Fleetwood Mac antes de subir ao palco, revelado por Christine McVie

imagemGene Simmons relembra como passagem pelo Brasil levantou o Kiss em 1983

imagemMarko Hietala anuncia retorno ao mundo da música e fãs pedem volta ao Nightwish

imagemPor que Bono é odiado por muitos mas sobrevive a tanto hate? Regis Tadeu analisa

imagemMatt Sorum: ex-baterista do Guns N' Roses conta porque não deseja voltar à banda

imagemBandas de rock que lançaram poucos discos, mas continuam fazendo muito sucesso

imagemCinco músicos que nunca voltarão para as bandas que os consagraram

imagemIggor Cavalera diz que o metal às vezes é muito conservador

imagemKiko Zambianchi foi proibido de ir no Silvio Santos após apresentador errar seu nome


Samael Hypocrisy
Stamp

A-Ha: Hunting High and Low é obra-prima synthpop

Resenha - Hunting High and Low - A-Ha

Por Roberto Rillo Bíscaro
Postado em 24 de novembro de 2015

Nota: 10

Em 1985, a escandinava Noruega passou a constar na cartografia da música pop, graças ao trio A-Ha. Morten Harket, Pal Waaktaar e Magne Foruhomen venderam mais de 10 milhões de cópias de seu álbum de estreia, Hunting High and Low. 5, de suas 10 faixas escalaram as paradas. O inovador vídeo de Take On Me, com sua mistura de animação e cenas reais, garantiu alta rotatividade na MTV. A boa aparência dos meninos completou a receita do sucesso global.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum é uma pérola do eletropop comercial. O disco repousa no equilíbrio entre o drama orquestral, quase operístico de tão exagerado, e na pulsão dos teclados herdados da fase inicial da new wave, orientados para as pistas de dança. Nos momentos em que ambos os elementos se coadunam, Hunting High and Low atinge a estratosfera pop, como os vocais de Harket.

Take On Me, faixa de abertura, é clássico do synth-pop dançante da década de 80. Começa com uma percussão alegrinha, sintetizadores discretos, até que, aos 17 segundos, entra um dos riffs de teclado mais conhecidos e grudentos de uma geração. Só quem vivia embaixo de uma pedra na época não reconhece o toquinho. Outro momento alto, literalmente, é quando Morten atinge o incrível falseto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outras pedradas dançantes são Train of Thought e Love is Reason. Essa última evoca os primeiros álbuns do Depeche Mode, mas também indica o caminho que parte do pop inglês oitentista estava tomando com o furacão Stock, Aitken and Waterman, que, naquele ano conquistava seu primeiro ouro na parada britânica com You Spin me Round (Like a Record), do Dead Or Alive.

Em termos de canção dançante, porém, tirando Take on Me, nenhuma outra faixa obscurece The Sun Always Shines on TV. O primeiro minuto é melancólico, com teclados imitando piano e orquestração suave, até o primeiro falseto de Morten. Depois, ergue-se muralha de guitarras, sintetizadores, bateria eletrônica e vocais. Todo o drama dançante que grupos posteriores, como os Pet Shop Boys engendrariam, está codificado ali. Basta conferir a escarrada de sintetizadores que acontece aproximadamente aos 4:05 minutos, antes do berro final do vocalista. O epílogo, retorno necessário à quietude, com seus teclados em tons mais graves e sisudos, apenas reforça a exuberância e frenesi de The Sun Always Shines on TV.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No setor baladas, há a impressionante faixa-título. Violões e percussão iniciam o tom marítimo, de navegação e procura, evocado pela letra. Tem até som de gaivota. Pouco depois do gorjeio dos pássaros marinhos, a canção atinge seu ápice. Tudo se agiganta: percussão pesa, orquestração se adensa, teclados inundam a melodia, feito vagas, e o vocal de Morten, majestoso, (sing)ra o mar tempestuoso, dominando-o por completo. Até que chega o fim, calmo, como onda quebrando na praia.

Em meio à vibração dançante e ao lirismo sintetizados de Hunting High and Low há espaço para a suntuosidade midtempo de Living a Boy’s Adventure Tale, oscilando entre a delicadeza dos vocais e dos teclados, que por vezes assumem tons clássicos e a força martelada da bateria eletrônica, característica da sonoridade da década. A história de aventura do garoto da letra é composta de momentos sutis e da fortaleza urgente da juventude.
Desprestigiado e/ou ignorado por diversos críticos musicais à época de seu lançamento, Hunting High and Low merece ser reconsiderado por aquilo que ~e: um clássico representativo de um tipo de pop que insiste em funcionar 30 anos após seu lançamento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tracklist
01. "Take On Me" – 3:48 (Waaktaar/Furuholmen/Harket)
02. "Train of Thought" – 4:14
03. "Hunting High and Low" – 3:45
04. "The Blue Sky" – 2:36
05. "Living a Boy's Adventure Tale" – 5:00 (Waaktaar/Harket)
06. "The Sun Always Shines on T.V." – 5:08
07. "And You Tell Me" – 1:51
08. "Love Is Reason" – 3:04 (Waaktaar/Furuholmen)
09. "I Dream Myself Alive" – 3:06 (Waaktaar/Furuholmen)
10. "Here I Stand and Face the Rain" – 4:30

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze


[an error occurred while processing this directive]
[an error occurred while processing this directive]
[an error occurred while processing this directive]

A-Ha: uma versão literal de Take On Me

A-Ha: meia dúzia de covers pesados

Eddie Van Halen: e se ele tocasse no A-Ha, ZZ Top ou AC/DC?

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Os dez maiores picaretas da música internacional


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro.