A-Ha: Hunting High and Low é obra-prima synthpop

Resenha - Hunting High and Low - A-Ha

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Em 1985, a escandinava Noruega passou a constar na cartografia da música pop, graças ao trio A-Ha. Morten Harket, Pal Waaktaar e Magne Foruhomen venderam mais de 10 milhões de cópias de seu álbum de estreia, Hunting High and Low. 5, de suas 10 faixas escalaram as paradas. O inovador vídeo de Take On Me, com sua mistura de animação e cenas reais, garantiu alta rotatividade na MTV. A boa aparência dos meninos completou a receita do sucesso global.

5000 acessosCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher5000 acessosComo Conservar e Recuperar Cordas de Baixo


O álbum é uma pérola do eletropop comercial. O disco repousa no equilíbrio entre o drama orquestral, quase operístico de tão exagerado, e na pulsão dos teclados herdados da fase inicial da new wave, orientados para as pistas de dança. Nos momentos em que ambos os elementos se coadunam, Hunting High and Low atinge a estratosfera pop, como os vocais de Harket.

Take On Me, faixa de abertura, é clássico do synth-pop dançante da década de 80. Começa com uma percussão alegrinha, sintetizadores discretos, até que, aos 17 segundos, entra um dos riffs de teclado mais conhecidos e grudentos de uma geração. Só quem vivia embaixo de uma pedra na época não reconhece o toquinho. Outro momento alto, literalmente, é quando Morten atinge o incrível falseto.

Outras pedradas dançantes são Train of Thought e Love is Reason. Essa última evoca os primeiros álbuns do Depeche Mode, mas também indica o caminho que parte do pop inglês oitentista estava tomando com o furacão Stock, Aitken and Waterman, que, naquele ano conquistava seu primeiro ouro na parada britânica com You Spin me Round (Like a Record), do Dead Or Alive.

Em termos de canção dançante, porém, tirando Take on Me, nenhuma outra faixa obscurece The Sun Always Shines on TV. O primeiro minuto é melancólico, com teclados imitando piano e orquestração suave, até o primeiro falseto de Morten. Depois, ergue-se muralha de guitarras, sintetizadores, bateria eletrônica e vocais. Todo o drama dançante que grupos posteriores, como os Pet Shop Boys engendrariam, está codificado ali. Basta conferir a escarrada de sintetizadores que acontece aproximadamente aos 4:05 minutos, antes do berro final do vocalista. O epílogo, retorno necessário à quietude, com seus teclados em tons mais graves e sisudos, apenas reforça a exuberância e frenesi de The Sun Always Shines on TV.

No setor baladas, há a impressionante faixa-título. Violões e percussão iniciam o tom marítimo, de navegação e procura, evocado pela letra. Tem até som de gaivota. Pouco depois do gorjeio dos pássaros marinhos, a canção atinge seu ápice. Tudo se agiganta: percussão pesa, orquestração se adensa, teclados inundam a melodia, feito vagas, e o vocal de Morten, majestoso, (sing)ra o mar tempestuoso, dominando-o por completo. Até que chega o fim, calmo, como onda quebrando na praia.

Em meio à vibração dançante e ao lirismo sintetizados de Hunting High and Low há espaço para a suntuosidade midtempo de Living a Boy’s Adventure Tale, oscilando entre a delicadeza dos vocais e dos teclados, que por vezes assumem tons clássicos e a força martelada da bateria eletrônica, característica da sonoridade da década. A história de aventura do garoto da letra é composta de momentos sutis e da fortaleza urgente da juventude.
Desprestigiado e/ou ignorado por diversos críticos musicais à época de seu lançamento, Hunting High and Low merece ser reconsiderado por aquilo que ~e: um clássico representativo de um tipo de pop que insiste em funcionar 30 anos após seu lançamento.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Tracklist
01. "Take On Me" – 3:48 (Waaktaar/Furuholmen/Harket)
02. "Train of Thought" – 4:14
03. "Hunting High and Low" – 3:45
04. "The Blue Sky" – 2:36
05. "Living a Boy's Adventure Tale" – 5:00 (Waaktaar/Harket)
06. "The Sun Always Shines on T.V." – 5:08
07. "And You Tell Me" – 1:51
08. "Love Is Reason" – 3:04 (Waaktaar/Furuholmen)
09. "I Dream Myself Alive" – 3:06 (Waaktaar/Furuholmen)
10. "Here I Stand and Face the Rain" – 4:30

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 24 de novembro de 2015

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "A-Ha"

A-HaA-Ha
Meia dúzia de covers pesados

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "A-Ha"

Cannibal CorpseCannibal Corpse
O impressionante pescoço gigante de George Fisher

BaixosBaixos
Como conservar e recuperar as cordas do instrumento

Collectors RoomCollectors Room
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

5000 acessosMeet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportam5000 acessosDavid Bowie: a última foto pública e a última foto privada5000 acessosGuns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da banda5000 acessosMegadeth: as pérolas mais polêmicas ditas por Mustaine5000 acessosBruce Dickinson: interpretando clássico do AC/DC em 19905000 acessosApocalyptica: "Natal na Finlândia é um período negro"

Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online