Matérias Mais Lidas

Baixistas: os 30 maiores de todos os tempos - até um youtuber entrou na listaBaixistas
Os 30 maiores de todos os tempos - até um youtuber entrou na lista

Covers: dez bandas de rock e metal que gravaram álbuns para homenagear seus ídolosCovers
Dez bandas de rock e metal que gravaram álbuns para homenagear seus ídolos

Toyah Willcox e Robert Fripp: Confira versão de Sweet Dreams, do EurythmicsToyah Willcox e Robert Fripp
Confira versão de "Sweet Dreams", do Eurythmics

AC/DC: as ordens de Malcolm para quem ia subir ao palcoAC/DC
As ordens de Malcolm para quem ia subir ao palco

Crypta: Os seis heróis de Fernanda Lira no baixoCrypta
Os seis heróis de Fernanda Lira no baixo

Metallica: a fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à bandaMetallica
A fortuna que Robert Trujillo recebeu só para se juntar à banda

AC/DC: a reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vezAC/DC
A reação de Angus Young quando ouviu Jimi Hendrix pela primeira vez

Kiss: veja o rápido show de volta aos palcos em Nova IorqueKiss
Veja o rápido show de volta aos palcos em Nova Iorque

Iron Maiden: As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a LoudwireIron Maiden
As 44 músicas nunca tocadas ao vivo, segundo a Loudwire

Guns N' Roses: quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da políciaGuns N' Roses
Quando a banda ajudou Ian Astbury, do The Cult, a fugir da polícia

Chorão: quando o vocalista do Charlie Brown Jr tretou com Hermes e RenatoChorão
Quando o vocalista do Charlie Brown Jr tretou com Hermes e Renato

Brian May: por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palhetaBrian May
Por que ele prefere tocar com moeda ao invés de palheta

Epica: saiba tudo o que rolou em Omega Alive, a superproduzida livestream da bandaEpica
Saiba tudo o que rolou em "Omega Alive", a superproduzida livestream da banda

Rock e organização: músicas para deixar a faxina do final de semana mais animadaRock e organização
Músicas para deixar a faxina do final de semana mais animada

Go Ahead and Die: Novo projeto de Max e Igor Amadeus Cavalera lança álbum de estreiaGo Ahead and Die
Novo projeto de Max e Igor Amadeus Cavalera lança álbum de estreia


Pentral
Arte Musical

The Winery Dogs: Uma grande força no Rock moderno

Resenha - Hot Streak - Winery Dogs

Por Ricardo Pagliaro Thomaz
Em 21/10/15

Nota: 8

O The Winery Dogs, para quem não conhece ou está por fora das atividades de Mike Portnoy recentemente, é o supergrupo que o baterista resolveu formar, após sua saída do Dream Theater, com o baixista Billy Sheehan (Mr. Big) e o guitarrista e vocalista Richie Kotzen (Mr. Big, Poison). É um power trio, uma espécie de Dr. Sin, se eu fosse comparar com alguém, são três excelentes músicos, todos pros em seus instrumentos e fazendo o som que mais lhes agradam e o fazendo tecnicamente com muito esmero na instrumentação. O trio teve um ótimo primeiro disco sendo lançado há dois anos atrás e este ano lançam o segundo, Hot Streak.

Algumas pessoas meio que torceram o nariz para essa iniciativa do Portina. Ouvia-se coisas como "ur-dur, ele foi atrás de um cachorro pra lamber porque agora ele não vai mais fazer as coisas complicadas e profundas que fazia no Dream Theater, só esse hard rockinho farofa, ur-duuurr!". Nem vou te falar muito, mas a vontade que eu tinha na época quando eu ouvia uns bobalhões falarem esse tipo de coisa era de mandar ir procurar uma... é, isso, você acertou. Poxa, deixa o cara fazer o som que ele quer, que neura essas pessoas tinham! Pessoalmente eu acho até legal ele procurar essa variedade, mostra como o cara pode ser versátil e não se ater apenas a um gênero específico.

Foi com essa positividade que eu recebi na época o primeiro álbum do The Winery Dogs em 2013, que me agradou bastante. Aqui no segundo disco, o trio continua a mesma proposta sonora, aliás, até mais interessante em certos aspectos do que o primeiro álbum. Eu particularmente gostei bem mais deste segundo disco do que do primeiro. Cada um dos músicos continua aqui trazendo um pouco de seu mundo e de suas influências, Kotzen e seu Pop Rock com relampejos jazzísticos, sem falar de sua grande voz e interpretação que ele esbanja com estilo e categoria em sua carreira solo; Sheehan e seu baixo veloz e carregado, cheio de firulas interessantes dos tempos de Mr. Big; e Portina e sua bateria enérgica e rica, cheia de viradas interessantes e passagens que ele sempre esbanjou, tanto no Dream Theater quanto no Transatlantic.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sendo assim, vamos soltar os cães e falar de vários destaques bacanas neste novo álbum. A faixa de abertura, "Oblivion", eu curti logo de cara. Um hardão veloz e dinâmico, enérgico e com arranjos e viradas muito legais, tendo bastante aquele estilão do Kotzen misturado com a velocidade do Mr. Big, algo que se tornou marca forte no trio. Também gostei muito de "Captain Love" que me lembra o estilão do Free. A faixa título "Hot Streak", mais funkeada também é outro grande destaque no disco, aliás, bem dançante. Eu gosto de ver o Portnoy tocando algo mais dançante do que mais contemplativo para mudar os ares. É ótimo ver o cara investir em um som diferente.

Também adorei os refrãozinhos de "How Long", a gente escuta e fica impossível ficar indiferente com a energia que o trio passa. Há uma balada bonita também no disco, "Fire"; tem uma melodia meio batida, mas é bonita. As pauladas continuam com "Ghost Town", outra acelerada que eu gostei bastante, tem um swing legal e riffs matadores. Faixas aceleradas sempre foram mais a especialidade de Billy Sheehan, até por causa de seu histórico do Mr. Big, e em "Devil You Know" o cara mostra de novo aquele estilão de fazer o baixo dele assobiar e também aquelas acrobacias que ele faz nas cordas do instrumento. Como um último destaque do álbum, gostei muito do fechamento da versão normal, "The Lamb", uma faixa com um pouco mais de soul e com muita classe, que fecha um segundo e ótimo disco do trio americano.

A versão japonesa foi agraciada com uma bela faixa bônus, "Solid Ground", que começa com uma batida de country e tem o trio inteiro cantando junto. Achei simplesmente um pecado essa música fazer parte somente da versão japonesa, porque na minha opinião ela é uma balada muito bacana e que fecharia bem a versão normal. É por isso que eu detesto essas versões de álbuns com bonus tracks, se tem mais alguma coisa interessante, alguém sempre acaba perdendo.

Enfim, achei um belo novo lançamento de três músicos talentosíssimos que ainda continuam representando uma grande força no Rock moderno e espero que eles continuem por aí nos proporcionando esse som vibrante e contagiante que tem feito nos últimos anos. Creio que é o que teremos, uma vez que Mike Portnoy declarou após o lançamento do primeiro disco do trio, que o The Winery Dogs era sua nova casa, sua nova banda fixa. Fico feliz com isso. Enquanto esses cães continuarem uivando por aí, eu ficarei esperançoso com o futuro do Rock'n'Roll.

Hot Streak (2015)
(The Winery Dogs)

Tracklist:
01. Oblivion
02. Captain Love
03. Hot Streak
04. How Long
05. Empire
06. Fire
07. Ghost Town
08. The Bridge
09. War Machine
10. Spiral
11. Devil You Know
12. Think It Over
13. The Lamb
14. Solid Ground (faixa bônus da versão japonesa)

Selos: Wowow Entertainment, Inc. / Loud & Proud Records / THREE DOG records / Ear Music

The Winery Dogs é:
Richie Kotzen: voz e guitarra
Billy Sheehan: baixo e voz
Mike Portnoy: bateria e voz

Discografia anterior:
- The Winery Dogs (2013)

Site oficial:
http://www.thewinerydogs.com

Para mais informações sobre música, filmes, HQs, livros, games e um monte de tralhas, acesse também meu blog:
acienciadaopiniao.blogspot.com.br


Outras resenhas de Hot Streak - Winery Dogs

Winery Dogs: um passo à frente, mantendo a qualidade

The Winery Dogs: Novo disco Hot Streak é decepcionanteThe Winery Dogs
Novo disco "Hot Streak" é decepcionante

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Blind Guardian
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Baterista: quem é o mais injustiçado entre Ringo Starr e Peter Criss?Baterista
Quem é o mais injustiçado entre Ringo Starr e Peter Criss?

Neil Peart: por que ele é melhor que John Bonham, segundo Mike PortnoyNeil Peart
Por que ele é melhor que John Bonham, segundo Mike Portnoy


Mike Portnoy: ele faz alfabeto com bandas que já tocou - e quase completaMike Portnoy
Ele faz alfabeto com bandas que já tocou - e quase completa

Metallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaMetallica
Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

Mike Portnoy: a diferença entre banda e projetoMike Portnoy
A diferença entre "banda" e "projeto"


Iron Maiden: Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo HorizonteIron Maiden
Fã em cadeira de rodas emociona Bruce em Belo Horizonte

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


Sobre Ricardo Pagliaro Thomaz

Roqueiro e apreciador da boa música desde os 9 anos de idade, quando mamãe me dizia para "parar de miar que nem gato" quando tentava cantarolar "Sweet Child O'Mine" ou "Paradise City". Primeiro disco de rock que ganhei: RPM - Rádio Pirata ao Vivo, e por mais que isso possa soar galhofa hoje em dia, escolhi o disco justamente por causa da caveira da capa e sim, hoje me envergonho disso! Sou também grande apreciador do hardão dos anos 70 e de rock progressivo, com algumas incursões na música pop de qualidade. Também aprecio o bom metal, embora minhas raízes roqueiras sejam mais calcadas no blues. Considero Freddie Mercury o cantor supremo que habita o cosmos do universo e não acredito que há a mínima possibilidade de alguém superá-lo um dia, pelo menos até o dia em que o Planeta Terra derreter e virar uma massa cinzenta sem vida.

Mais matérias de Ricardo Pagliaro Thomaz.