Genesis: O casamento perfeito entre o pop e o progressivo

Resenha - Invisible Touch - Genesis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Lucas Matos
Enviar Correções  


Em 1986 o synth pop dominava as rádios e contaminava também as bandas de rock. Algumas foram felizes nessa transição, outras nem tanto. Talvez uma das que mais sofreu mudanças drásticas sonoramente foi o Genesis, nos anos 70 gigante do progressivo. Com a partida do emblemático frontman Peter Gabriel, a banda encontrou seu renascimento ali mesmo atrás da bateria: um baixinho barbudo chamado Phil Collins.

Sob o comando de Collins, o Genesis ainda lançaria duas pérolas do progressivo: 'A Trick in the Tail' (1976) e 'Wind and Whutering' (1977). Após uma outra baixa, a do guitarrista Steve Hackett, os britânicos se tornaram um trio (também formado por Mike Rutherford e Tony Banks) e resolveram investir numa nova sonoridade. "Duke" (1980), segundo disco dessa formação, trazia um novo Genesis, investindo em canções de apelo mais pop e mais acessíveis, mas sem deixar de lado a qualidade e a finesse das composições e arranjos, que sempre foi a marca registrada da banda. Assim se seguiria nos lançamentos seguintes: 'Abacab' (1981) e 'Genesis' (1983).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em 1986 o trio se reúne para um novo trabalho, vindo de um disco anterior muito bem sucedido, cuja turnê lotou arenas, e também de projetos paralelos envolvidos com o pop. Collins tinha uma muitíssimo bem sucedida carreira solo (na época já com três álbuns lançados), Rutherford também alcançou sucesso com sua banda Mike & the Mechanics, Banks havia lançado o disco solo The Fugitive (e mais tarde também teria sua banda, o Bankstatement). Era nítido que fariam um disco que fosse o mais pop de toda a sua carreira, e assim se fez: 'Invisible Touch' saiu em 86 e se tornou clássico instantaneamente. Com 5 singles das 8 faixas, foi o maior sucesso comercial que a banda já obteve.

Sonoramente, o disco abusa das baterias eletrônicas (algo que Collins brincou bastante durante os anos 80) e dos synths, porém a atmosfera genesiana é nítida nas músicas.

O disco alterna entre canções pop de muito bom gosto, baladas românticas e peças progressivas. Entre as pop estão clássicos como "Land of Confusion" (cuja letra tem claro apelo crítico e irônico), a jazzistica e divertida "Anything She Does" e a faixa-título, um hit chiclete daqueles de sair cantando quase instantaneamente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entre as baladas românticas, as quais são muito parecidas com o trabalho solo de Collins, temos a suave "In Too Deep" (na opinião deste que vos fala, uma das músicas mais bonitas da banda) e a não menos bonita "Throwing It All Away". Vale lembrar que tanto essas duas, quanto outras românticas da banda como "Misunderstanding", garatiram boa parte de público feminino nos shows da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E claro, peças progressivas que não poderiam faltar. "Tonight, Tonight, Tonight", uma canção sombria e com um clima bem industrial por parte dos sintetizadores de Banks, e "Domino", dividida em duas partes: a primeira, "In the Glow of the Night", com um clima mais soft e mais suave, e a segunda, "The Last Domino", mais upbeat. A música gira sobre o conceito do efeito dominó, onde uma coisa pode afetar outra totalmente diferente, afetando outra e assim por diante.

publicidade

O disco se encerra com a instrumrntal psicodélica "The Brazilian", com Banks e Rutherford dando um show de musicalidade e feeling, conduzidos pelo ritmo pulsante da bateria eletrônica de Collins.

Apesar de não ser muito ovacionado entre os fãs mais conservadores da banda, é inegável a musicalidade ímpar de "Invisible Touch", um disco de excelente qualidade que mostra mais do que nunca a ecleticidade e a habilidade do trio de fazer canções que ficarão para a história. Recomendado para ouvir alto!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

1 - Invisible Touch
2 - Tonight, Tonight, Tonight
3 - Land of Confusion
4 - In Too Deep
5 - Anything She Does
6 - Domino
* I - In the Glow of the Night
* II - The Last Domino
7 - Throwing It All Away
8 - The Brazilian

Phil Collins (voz, bateria)
Mike Rutherford (guitarra, baixo)
Tony Banks (teclados)


Cli336 GooInArt Goo336 Cli336 WhiFin Goo336