Running Wild: O que você quer marujo? Morte ou glória?

Resenha - Death or Glory - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Eis aqui um exemplo de banda (ou músico, como queira) diferente, que possui uma preocupação de tentar criar uma musicalidade única e com personalidade própria (mesmo que influencias possam existir), e, se valendo de recursos e elementos que dificilmente ou nunca foram explorados por outros artistas, esta banda alemã conseguiu fazer história, com seu líder Rolf Kasparek dando um passo de cada vez ao longo dos anos para forjar um Heavy Metal consistente e poderoso, que se destacou no mundo metálico dentre tantos outros, mas, que com o tempo, perdeu o mapa da criatividade, e só mais recentemente parece ter se lembrado vagamente do caminho secreto da originalidade e boa vontade para com sua música.

5000 acessosDia do Rock: dez tentativas brasileiras de assassinar o gênero5000 acessosJohnny Depp: a banda que poderia ter desbancado o Guns

Alguns podem dizer que existe muito do Hard Rock neste disco (vide a faixa Renegade), o que não é mentira, mas também não é totalmente verdade, e que em nada prejudicou o som, pois, não foi (muito) alterado em relação aos anteriores, mas sim, sofreu uma evolução natural. A arte de capa, criada por Sebastian Krüger, expressou muito bem o titulo, e serve como fonte de inspiração visual para a audição, o que sempre é bem vindo. Além desse fator artístico, um dos pontos interessantes da banda, é justamente a fascinante temática sobre piratas, fantasia e história, onde imagino que Rolf deve ter "mergulhado" para criar desde as letras até as melodias empolgantes, nos fazendo embarcar ainda mais nessa aventura épica. Infelizmente, a produção não é das melhores, o que é uma pena, pois seria muito melhor se a produção ajudasse mais. Como destaques pessoais, posso citar : a empolgante Riding the Storm, a "cadenciada" The Battle of Watertloo, Running Blood, a instrumental com um baixo bem executado Highland Glory (The Eternal Fight) e Tortuga Bay.
Este, além de ser o último disco da banda lançado nos anos 80, com certeza foi um de seus últimos trabalhos mais marcantes, contudo, além de nunca ter possuído uma formação duradoura, infelizmente acabou caindo na mesmice do estilo que criou e aperfeiçoou com honras. Mesmo assim, digo a você que o que encontrarás aqui, é um "tesouro" variado, que contem músicas mais rápidas, cadenciadas e inspiradoras, tudo isso em um bom Heavy Metal com toques de Power e... Hard, ou seja, Pirate Metal de qualidade!

O que você quer marujo; morte ou glória?

Faixas:
1. Riding the Storm
2. Renegade
3. Evilution
4. Running Blood
5. Highland Glory (The Eternal Fight) {instrumental}
6. Marooned
7. Bad to the Bone
8. Tortuga Bay
9. Death or Glory
10. Battle of Waterloo
11. March On

Formação:
Rock 'n' Rolf - Vocals, Guitars
Majk Moti - Guitars
Jens Becker - Bass
Iain Finlay - Drums

Lançamento: 08 de Novembro de 1989 - Noise Records.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Death or Glory - Running Wild

4141 acessosTradução - Death Or Glory - Running Wild


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 22 de setembro de 2015


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


Dia do RockDia do Rock
Dez tentativas brasileiras de assassinar o gênero

Johnny DeppJohnny Depp
A banda que poderia ter desbancado o Guns

SlipknotSlipknot
"Ozzy Osbourne quis entrar pra banda", diz Corey Taylor

5000 acessosGibson: os 10 melhores guitarristas de Metal da história5000 acessosJared Leto: a reação ao se ver no papel do Coringa5000 acessosGaleria - Musas do Rock N' Roll e Heavy Metal5000 acessosRush: Perguntas e Respostas e curiosidades sobre a banda946 acessosLobão: Tom Cardoso conta como ele tentou achar Osama Bin Laden5000 acessosSkank: muitos que vestem camiseta preta e se tatuam têm pouco de rock

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online