RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRoger Waters atende a Rússia e faz discurso para o Conselho de Segurança da ONU

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemO triste motivo pelo qual o Pink Floyd não podia fazer contato com Syd Barrett

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado


Stamp

Bon Jovi: Mais um tropeço, mesmo para um álbum de "restos"

Resenha - Burning Bridges - Bon Jovi

Por Victor de Andrade Lopes
Fonte: Sinfonia de Ideias
Postado em 25 de agosto de 2015

Nota: 5

Separados de um membro importante e sem ganhar uma boa recepção da crítica há mais de dez anos (com efeito, o trabalho anterior agradou a poucos), o momento que o Bon Jovi vive não pareceria propício ao lançamento de um álbum. Mas o trio não pensou assim e resolveu criar, meio que na surdina, uma coletânea de "restos".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O álbum é tão "errado" que fica até difícil decidir por onde começar. Primeiramente, é como se a banda sequer desejasse que os fãs o ouvissem. No Facebook oficial do grupo, não há uma única menção a ele nos últimos meses (a não ser que tenham feito postagens não-visualizáveis para brasileiros). A capa, por sua vez, não é menos simplória que um rabisco qualquer no caderno de um estudante entediado.

Falando da parte musical, são poucas as faixas que interessam realmente. "Who Woud You Die For" repete insistentemente a pergunta que lhe dá nome, e quando você menos espera, já está mentalmente formulando uma resposta. A faixa-título destoa com seu ritmo meio country e é precedida pelo máximo de rock que se verá aqui: "I'm Your Man". "Fingerprints" dá sono, mas encerra-se com um solo que mostra a que veio o novo guitarrista da banda, Phil X. Ao menos na escolha do primeiro single, eles acertaram em cheio: "We Don't Run", uma das poucas recém-compostas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De resto, é um amontoado de baladas sonolentas. Ao menos o lançamento foi bem definido como um "álbum de fã". Até supera a vergonha que foi o lançamento anterior What About Now, mas não consegue ser mais que um apanhado de curiosidades, um item de colecionador.

O maior problema, aliás, é que este trabalho mal tem cara de Bon Jovi. A ausência de Richie Sambora sozinha não explica isso, pois a banda já adotava um direcionamento mais pop há muito tempo, e as guitarras dele iam ficando mais discretas. Ser uma coletânea de sobras também não é desculpa, pois 100,000,000 Bon Jovi Fans Can't Be Wrong também trazia um monte de raridades, só que bem mais interessantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vejam bem, ninguém está pedindo um novo Slippery When Wet (seria insanidade), mas peguemos The Circle, por exemplo. Não é lá um queridinho da crítica e dos fãs, mas faz jus ao legado da banda, encaixava-se na música de sua época e mantinha a relevância dos nova-jersianos. Burning Bridges, porém, apenas alimenta a fogueira dos que decretaram a morte da banda, deixando-os receosos quanto ao que está por vir em 2016, quando mais um álbum deles - este totalmente original - virá.

Abaixo, o lyric video de "We Don't Run"

1. "A Teardrop to the Sea"
2. "We Don't Run"
3. "Saturday Night Gave Me Sunday Morning"
4. "We All Fall Down"
5. "Blind Love"
6. "Who Would You Die For"
7. "Fingerprints"
8. "Life Is Beautiful"
9. "I'm Your Man"
10. "Burning Bridges"


Outras resenhas de Burning Bridges - Bon Jovi

Resenha - Burning Bridges - Bon Jovi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com Axl


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.
Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.