Death Cab for Cutie: A caretice agradável de Kintsugi

Resenha - Kintsugi - Death Cab for Cutie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar Correções  

7


Ano passado, o guitarrista Chris Walla tocou ao vivo pela última vez com seu grupo de 17 anos, o DEATH CAB FOR CUTIE (DCFC). Ben Gibbard (vocais, guitarra, teclado), inventor da banda, diz que Walla continua envolvido no coletivo em diversos aspectos, apenas não tocará com eles. Seja como for, a ideia de rompimento e separação permeia Kintsugi, oitavo álbum do DCFC, lançado no derradeiro dia de março.

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaMetallica: Ulrich comenta sobre seu maior erro

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Kintsugi é uma técnica japonesa de reparo em cerâmica, que, ao invés de tentar esconder os estragos, filosoficamente encara-os como partes da história do objeto. Utilizando ouro ou outro metal em pó, o conserto passa a fazer parte do visual da cerâmica ao invés de ser camuflado. Veja a foto:

Hold Guns e sua quase nudez instrumental refletem essa arte japa. A melodia é tão esparsa e suave, que dá pra ver o compositor sentadinho dedilhando/compondo em seu violão.

Embora se repetindo a ponto de por momentos parecer autoparódia e de o material não ter a força de trabalhos anteriores, Kintsugi é agradável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No Room in Frame abre como o infelizmente obscuro JAMES pra virar meio Everybody Wants to Rule the World, do TEARS FOR FEARS. Sem ser cópia oitentista, o álbum exala nostalgia devido ao clima intimista de muitas faixas, mas também porque o indie rock do DCFC é manso e aponta para o passado de vez em quando. A guitarra de Robert Smith não está referenciada apenas no óbvio agito meio amuado de The Ghosts of Beverly Drive. Momentos da reflexiva Black Sun também tem guitarras à THE CURE. E a percussão de Everything’s a Ceiling que lembra PRINCE ou o PHIL COLLINS de Take Me Home?

As 11 faixas são bastante homogêneas, sempre com um travo de melancolia, mesmo em momentos mais dançantes como El Dorado. O tom confessional continua imperando como na assombrante You’ve Haunted Me All My Life e na elegíaca Binary Sea. Gibbard tá meio passadinho pra cantar alguns versos, como o refrão de Little Wanderer ou Ingenué, mas dá pra perdoar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O termo indie rock surgiu nos 80’s para denominar bandas que, como os SMITHS, corriam por fora do synthpop dominante ou que faziam algo distinto do mainstream ELTON JOHN. Uma publicação brasileira ao comentar o fabuloso e revolucionário Psychocandy (1985) disse que papai escutava o bolachão de Elton John, enquanto o Júnior não parava de rodar o disco do THE JESUS AND MARY CHAIN. Será que agora os filhos de muitos júniores não escutam o indie careta do DCFC junto com o papai? Nada contra música careta, mas a modalidade de indie do DCFC é tão quadrada comparada a dos "inventores" do sub-sub-gênero!

Tracklist
1. "No Room in Frame"
2. "Black Sun"

3. "The Ghosts of Beverly Drive"
4. "Little Wanderer"
5. "You've Haunted Me All My Life"
6. "Hold No Guns"
7. "Everything's a Ceiling"
8. "Good Help (Is So Hard to Find)"
9. "El Dorado"
10. "Ingénue"
11. "Binary Sea"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280