Virgin Steele: Recuperando boa parte da mágica ausente

Resenha - Nocturnes Of Hellfire & Damnation - Virgin Steele

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo de Marqui
Enviar Correções  

9


Os norte-americanos do VIRGIN STEELE estão de volta com o lançamento de "Nocturnes Of Hellfire & Damnation", o álbum de número 13 em sua discografia. Depois de um hiato de 5 anos desde "The Black Light Bacchanalia" e uma recente polêmica sobre a ausência do baterista Frank Gilchriest nas gravações, o VIRGIN STEELE parece ter recuperado boa parte da mágica ausente nos últimos trabalhos.

Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosFotos de Infância: Pantera

Antes da análise propriamente dita, é importante ressaltar que a citada ausência de Frank Gilchriest (Riot, Liege Lord) ainda não foi satisfatoriamente esclarecida, por ambas as partes, motivo pelo qual esta resenha focará na música e não nos problemas externos que não são convenientes tratar neste espaço.

Aproveitando o gancho do último parágrafo, curioso o fato de que a bateria no novo álbum soa realmente melhor em comparação aos recentes trabalhos. Em sua longa carreira, de quase 35 anos, a banda sempre esteve em constante evolução. "Nocturnes of Hellfire & Damnation" é mais uma prova disso, sendo o trabalho mais diversificado da banda, onde a primeira metade remonta aos clássicos álbuns "The House Of Atreus" e mesmo "The Marriage Of Heaven & Hell Part II" .

O leitor pode duvidar. Mas basta ouvir a incrível "Persephone", dona de riffs galopantes, além de provavelmente a melhor perfomance do vocalista David Defeis em todo o álbum :"Mother, Mother", Defeis grita de maneira desesperadora, numa interpretação emocionante. Certamente a música estará entre as preferidas da banda entre os fãs. Aliás, David Defeis revelou em uma das poucas entrevistas para promover o álbum, que o tema geral do álbum é a mulher. Isso mesmo. Outro ponto positivo é a performance do guitarrista Edward Pursino, novamente em primeiro plano, algo que não se via de maneira tão forte desde o álbum "Invictus", de 1998. Completando o time, o baixista Joshua Block provavelmente está em seu melhor momento, aparecendo em todas as músicas e dando um pouco de "corpo" para as composições épicas.

Defeis parece ter recebido com resignação as críticas feitas às suas brandas performances vocais nos dois últimos álbuns. Aqui no novo álbum ele demonstra por que é um dos grandes interpretes do Heavy Metal, conseguindo unir sutileza e agressividade com assombrosa facilidade, como poucos, sem contar o domínio para encarnar personagens e falas aqui e ali com sua capacidade lírica bastante rica.

Há destaques por todo álbum e a sua diversidade e criatividade ajudará a cada ouvinte ter uma música preferida. Uns certamente irão ver em "Persephone" uma das melhores composições de David Defeis em toda a sua prolífica carreira, outros irão gostar da nova roupagem que músicas como "Black Sun- Black Mass" e "Queen of the Dead", ambas da banda Exorcist, ganharam. Não há muito o que criticar sobre a qualidade das composições. Neste sentido, "Nocturnes Of Hellfire & Damnation" encara de cabeça erguida os melhores álbuns. Nada está ali de forma exagerada ou sem ideias. Neste novo álbum nenhuma música soará igual a outra (ouçam "Demolition Queen" e "Glamour"), cada uma delas terá algo de interessante a ser ouvido. Tudo foi pensado nos mínimos detalhes, pois David Defeis continua o perfeccionista de sempre.

Como ponto negativo, além da situação envolvendo o baterista Frank Gilchriest, ficou o final do álbum, composto por 14 faixas. Não havia posição pior do que colocar duas baladas para o final, embora particularmente a última faixa, "Fallen Angels", seja uma das grandes baladas já compostas por Defeis, nada justifica unir duas baladas em sequência, funcionando meio como um "anticlímax", pois a música "Delirum", que antecede as duas últimas faixas , com riffs e solos monumentais, fecharia o álbum da maneira perfeita.

Tracklist

1 – Lucifer´s Hammer
2 – Queen Of The Dead
3 – To Darkness Eternal
4 – Black Sun-Black Mass
5 – Persephone
6 – Devilhead
7 – Demolition Queen
8 – The Plague And The Fire
9 – We Disappear
10 – A Damned Apparition
11 – Glamour
12 – Delirium
13 – Hymns To Damnation
14 – Fallen Angels



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: as 10 capas mais de macho de todos os temposHeavy Metal
As 10 capas mais "de macho" de todos os tempos

David DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalistaDavid DeFeis
Os álbuns que marcaram o vocalista


Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosAerosmith
Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos

Fotos de Infância: PanteraFotos de Infância
Pantera


Sobre Rodrigo de Marqui

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin