Royal Blood: Surpreendentemente simples

Resenha - Royal Blood - Royal Blood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Alisson Caetano
Enviar Correções  

10


A estreia do duo de baixo e bateria em ROYAL BLOOD foi um dos discos mais comentados do ano. A proposta inusitada de se fazer rock apenas com dois instrumentos e sem guitarra acabou sendo um bom marketing e catapultou a imagem do duo às principais revistas e sites dedicados ao rock.

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosSimplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Marketing e falatórios a parte, a estreia de Mike Kerr (baixo e voz) e Ben Thatcher (bateria) é desconcertante. As influências de CREAM, LED ZEPPELIN, BLACK SABBATH e dos mais recentes WHITE STRIPES e BLACK KEYS são fundidas em músicas que usam da originalidade para formatar os instrumentos, não tornando o som vazio e carente das seis cordas em momento algum.

O baixo de Mike Kerr usa distorções e em momentos se assemelha muito com uma guitarra, enquanto a bateria não se prende a um simples compasso e se impõe imprimindo viradas e solos criativos. A principal queixa dos que não gostaram da estreia dos britânicos é a de que as distorções não deixam evidente que se trata apenas de um baixo e de uma bateria somente, e é exatamente este aspecto, ao meu ver, o que torna a habilidade de Mike nas 4 cordas dignas de elogios à parte.

Musicalmente trata-se de um rock de bases simples, com muita influência dos gigantes setentistas e das bandas garageiras mais recentes. As músicas são simples, mas prendem a atenção, além de serem cativantes e bem executadas, um deleite para fãs de um rock primitivo e sem firula alguma.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco todo é um destaque imediato, mas faço menção à "Blood Hands" com um refrão de tirar o fôlego, "Figure It Out" com um riff de baixo muito bem sacado e a voz de Mike se assemelhando à de JACK WHITE, além de "Little Monster" e seu riff semi stoner.

Um disco surpreendente, sem pontos fracos e uma das maiores revelações de 2014. O teste da estreia foi cumprido com louvores, que venha o teste de fogo: a do segundo disco. Ficamos no aguardo.

Tracklist:

1. Out of the Black
2. Come on Over
3. Figure it Out
4. You Can be So Cruel
5. Blood Hands
6. Little Monster
7. Loose Change
8. Careless
9. Ten Tonne Skeleton
10. Better Strangers

Lineup:

Mike Kerr - baixo / voz
Ben Thatcher - bateria


Outras resenhas de Royal Blood - Royal Blood

Resenha - Royal Blood - Royal BloodResenha - Royal Blood - Royal Blood



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Vinil: os dez discos mais vendidos no Reino Unido em 2014Vinil
Os dez discos mais vendidos no Reino Unido em 2014


Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos

Simplicidade é para os falsos: o nome de banda mais complicado do mundoSimplicidade é para os falsos
O nome de banda mais complicado do mundo


Sobre Alisson Caetano

Reside no município de Santo Antônio da Platina, PR. Apreciador de música de qualidade, independente do estilo (com maior ênfase nos sons extremos). Redator no blog iniciante The Freak Zine, além de enviar alguns materiais para o Whiplash.

Mais matérias de Alisson Caetano no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280