Rosa de Saron: DVD retrata show de 2013 em Belo Horizonte

Resenha - Latitude, Longitude Ao Vivo - Rosa de Saron

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Allan Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos


Após o lançamento de "O Agora e o Eterno", a banda de Rock Católico ROSA DE SARON lançou em 2013 o DVD "Latitude, Longitude" gravado no Chevrolet Hall, Belo Horizonte. A banda conta com uma legião de fãs por todo o Brasil e sempre lota seus shows, o que não foi diferente nessa ocasião.

Corey Taylor: Verdades sobre Joey Jordison e Jim RootSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O DVD fez parte da turnê de divulgação do CD "O Agora e o Eterno" e contou com músicas desse álbum e com canções que fazem parte da história da banda.

Após um momento interativo de Guilherme de Sá com o telão, o show começa com "Jamais Será Tarde Demais". Essa faixa já mostra que o espetáculo será muito animado e que o público iria cantar o tempo todo. Como costume essa canção possui uma bela letra.

Na sequência temos "O Meio e o Fim", mais uma música animada que faz a plateia pular e cantar junto com a banda. Eduardo Faro já nos mostra um belo solo.

Agora temos a primeira inédita da noite: "Ironia S/A" começa com um riff grudento e possui uma letra que fala sobre as ironias da vida e sobre a cobiça das coisas alheias.

"Vendetta! Vendetta" vem em seguida falando sobre vingança e como o mundo seria melhor se as pessoas não reagissem ao ódio com mais ódio. A banda é acompanhada pela plateia que canta animada. Essa faixa ainda tem um grande solo e o apoio do DJ que insere umas batidas na música, além de fazer alguns backings.

"O Sol da Meia Noite" é o primeiro grande clássico da banda. Do álbum "Horizonte Distante", essa música se tornou uma das músicas mais conhecidas do ROSA DE SARON e nos apresenta um grande vocal por parte do Guilherme. Ao vivo a interpretação é mais natural se comparada à voz "noturna" usada na gravação do disco. Aqui o guitarrista toca um solo diferente daquele tocado em "Horizonte Vivo Distante", essa é uma versão mais técnica e com mais notas.

Agora temos a segunda inédita da noite, "Se". Essa canção é muito bonita e fala como não devemos julgar as pessoas por sua aparência e que devemos deixar de "blá blá blá" e procurar mais a Deus.

"Ninguém Mais" traz o momento mais emocionante de todo o show. Todos cantam em plenos pulmões todas as frases da música e coro formado é simplesmente lindo. A letra em si é belíssima e nos mostra a especialidade da banda: fazer músicas que tratam Deus de uma forma indireta e ainda permitem que os não-religiosos a ouçam e pensem na mensagem ali contida.

Nessa faixa temos a primeira participação do show, Mauro Henrique do OFICINA G3 aparece para cantar "Latitude, Longitude". Mauro nos apresenta um vocal mais tranquilo e natural, talvez para se adequar ao som que o show e o ROSA pedem.

"Máquina do Tempo" é um dos maiores sucessos do CD "O Agora e o Eterno" e é também um poema. É a típica música que se canta para alguém que você gosta ou até mesmo alguém que você ame. Nessa versão há uma batida eletrônica que leva a melodia tocada por Faro.

Aqui a banda toca um cover de "Open Your Eyes" do SNOW PATROL. Essa música tem a cara deles e com certeza encaixou muito bem no show.

"Meu Lugar" é mais um belo poema. Inserido no álbum "Horizonte Distante", ela é cantada praticamente acompanhada somente pelo piano.
Essa faixa nos apresenta uma espécie de oração cantada. Acompanhada pelo piano de Francis Botene, do ANJOS DO RESGATE, "Versos" consegue emocionar quem está ouvindo devido à sua delicadeza e simplicidade.

No início da sessão acústica, a banda toca "Metade de Mim". Essa música fala sobre como devemos procurar a morada de Deus em qualquer lugar. Seguindo temos "Última Lágrima", uma composição de Eduardo Faro. Faro sempre traz canções bonitas e profundas paras os discos da banda, e essa não é diferente. Ele fala que tudo que parece estar desmoronando um dia vai melhorar e que por isso não devemos nos entregar.

Mais um momento emocionante, "Menos de Um Segundo". Essa canção toca a todos que a escutam e nos apresenta uma letra que fala que devemos aproveitar todos os momentos como se fossem o último, pois tudo pode acabar de repente. A plateia canta emocionada.

Com mais uma participação especial, Renato Vianna e Jhonny Voice se juntam à Guilherme de Sá para cantar "Aurora". Essa música foi composta para a Jornada Mundial da Juventude e talvez seja a mais litúrgica do show. É uma canção de missa.

"Cassino Boulevard" é o ponto alto do show. Uma música excelente em termos musicais e com uma letra também excelente. A banda fala sobre as tentações da vida e nos faz pensar sobre realmente o que é importante. Mais uma vez quem esteve presente no show canta o tempo todo e dá uma dinâmica muito boa à sua execução.

Como bônus do DVD (não aparece no CD), a banda toca seu maior clássico: "Do Alto da Pedra". Na verdade pode-se dizer que quem canta é a plateia. Essa música fala sobre se entregar à Deus. O solo de guitarra dessa faixa é bem marcante e melódico.

No fim o ROSA DE SARON ainda canta o hino de Minas Gerais.

Integrantes:

Guilherme de Sá - Vocal, Violão, Guitarra
Eduardo Faro - Guitarra
Grevão/Wellington Greve - bateria e cajón
Rogério Feltrin - Baixo

Lista de Faixas:

1 - Jamais Será Tarde Demais
2 - O Meio e o Fim
3 - Ironia S/A
4 - Vendetta! Vendetta!
5 - O Sol da Meia Noite
6 - Se
7 - Ninguém Mais
8 - Latitude, Longitude (Feat. Mauro Henrique )
9 - Máquina do Tempo
10 - Open Your Eyes
11 - Meu Lugar
12 - Versos (Feat. Francis Botene)
13 - Metade de Mim
14 - Última Lagrima
15 - Menos de um segundo
16 - Aurora (Feat. Renato Vianna e Jhonny Voice)
17 - Casino Boulevard
18 - Do Alto da Pedra




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rosa de Saron"


Corey Taylor: Verdades sobre Joey Jordison e Jim RootCorey Taylor
Verdades sobre Joey Jordison e Jim Root

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock


Sobre Allan Lopes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336