Chá de Flores: O trabalho de estreia, lançado em 2003

Resenha - Chá de Flores - Chá de Flores

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar Correções  


O início do século foi um tanto prolífero para o rock manauara, muitas bandas surgiram e várias chegaram a lançar CDs. Dentre estas, algumas encerraram suas atividades, outras persistem até hoje na árdua estrada de banda independente de rock em Manaus. Uma dessas guerreiras tem seu primeiro trabalho resenhado aqui agora. Lançado no ano de 2003 o disco de estréia homônimo da banda "Chá De Flores" traz um rock and roll básico com pitadas de grunge e merece uma certa atenção.

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?Scorpions: As 20 melhores canções com temática romântica

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Abrindo a bolachinha temos "Maria Fernanda Spice Girl" que é um rockão estilo Misfits. O refrão é bastante pegajoso, mas a letra um tanto adolescente. A segunda é uma música que se tornou bastante conhecida. "Luciana" é quase uma balada, mas possui uma letra dramática. Como terceira faixa, consta "Antes Do Inverno" que tem uma levada ramoníaca e merecia um acabamento melhor em sua produção. Na sequência vem "Supermouse". Uma música sugestiva em sua letra. Seus arranjos cairiam bem na forma acústica. "Camélia No Alto Dos Prédios" vem em seguida e mostra uma face mais adulta da banda. Seu refrão também é um pouco pegajoso. A música parece ter sido gravada ao vivo. "Bela Adormecida" é a próxima e também ficaria boa acústica.

"A Última Graça Dos Nossos Dias" talvez seja a melhor do disco. Um riff inicial que remete novamente a Ramones com toques de Offspring. Chega a dar vontade de cantar junto. "Além" é outra que é bem conhecida e também era executada em shows pela banda Underflow. A letra causa um pouco de identificação do ouvinte. "Caos Juvenil" tem uma boa introdução e a letra mostra a influência grunge que nada mais é do que uma releitura do punk, sendo que aqui está um pouco mais pop. "Aquela Coisinha" chegou a tocar nas rádios locais por um tempo. Tem uma letra bastante irônica e é ótima para acampamentos. "Alma De Flores" completa a sequência e faz uma síntese da essência da banda. Distorção ramoníaca, backing vocals no refrão, ritmo vocal pop, letra com ira adolescente e outras características afins.

"Com Ódio, Amor e Prantos" é a penúltima e tem um jogo de guitarras simples, mas bem bacana. Pra fechar a bolacha vem a mais pesada do disco. "Algemas Malditas" é uma espécie de desabafo sobre a política num contexto geral. Mais uma vez a influência grunge se faz presente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em suma, um bom disco. Merecia uma produção um tanto mais refinada e profissional, mas isso é típico de banda iniciante e era o caso da Chá De Flores naquela época. A arte gráfica também deixa a desejar. Contudo, o trabalho é memorável e tem de ter o seu destaque dentre os que marcaram o rock local. Vários anos depois eles lançam o segundo CD, mas falaremos sobre ele numa próxima resenha.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?

Scorpions: As 20 melhores canções com temática românticaScorpions
As 20 melhores canções com temática romântica


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280