Dynazty: Ainda mais voltado ao power metal melodic em novo álbum

Resenha - Renatus - Dynazty

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Sem dúvida hoje em dia a Suécia é a nova "Los Angeles" do Hard Rock, pois é impressionante a quantidade absurda de ótimas bandas do estilo (e de praticamente todas as outras vertentes da música pesada também, diga-se) que vem surgindo por lá nos últimos anos. E o DYNAZTY, ao lado de ECLIPSE e H.E.A.T., são os grande expoentes da qualidade dessa nova safra de bandas. Contudo, como fica claro nesse quarto álbum dos caras, a tendência do DYNAZTY é caminhar por uma vertente mais pesada, fortemente influenciada pelo power metal melódico.

Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em primeiro lugar, é evidente que "Renatus" é o disco mais pesado da banda, em especial pelo peso absurdo das guitarras, com timbres sujos e agressivos, aliados à cozinha técnica e brutal. Os vocais de Nils Molin também são um show a parte, variando entre momentos mais agressivos e outros mais melódicos sempre de forma agradável.

E essa nova tendência fica clara logo na primeira faixa do álbum, "Cross The Line", transbordando peso, e com um refrão grudento e cativante. Já na sequência, "Starlight" mostra que a faixa antecedente não era uma exceção, mas sim uma nova tendência da banda em seguir por caminhos mais "metálicos".

Outras faixas que chamam a atenção são a épica e trabalhada "Incarnation", com ótimos solos, e riffs cavalgados de fazer cair o queixo, lembrando os melhores momentos do NOCTURNAL RITES; "Salvation", que remete aos álbuns solos do saudoso mestre DIO; e "A Divine Comedy", uma faixa grandiosa, pesada e épica, e que conta com a participação de Peter Tagtgren (HYPOCRISY, PAIN), nos vocais.

Trata-se, pois, de uma reviravolta na carreira da banda, um renascimento, como o título do álbum sugere, e que deverá agradar a grande maioria de seus fãs, e trazer-lhes novos apreciadores, até porque o power metal melódico é um estilo em baixa e atrofiado, que precisa de boas bandas para se reerguer, e até por isso o futuro do DYNAZTY se mostra muito promissor.

Ah, e lembrando que o disco acaba de ganhar sua versão nacional, via Hellion Records. Imperdível!

Renatus - Dynazty
(2014 - Hellion Records - Nacional)

Nils Molin- Vocals
Joel Fox Apelgren - Bass
Rob "Love" Magnusson - Guitars
George Egg - Drums
Mike Lavér - Guitars

1. Cross the Line
2. Starlight
3. Dawn of Your Creation
4. The Northern End
5. Incarnation
6. Run Amok
7. Unholy Deterrent
8. Sunrise in Hell
9. Salvation
10. A Divine Comedy




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dynasty"


Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaGuns N' Roses
Os 10 melhores não-clássicos da banda

Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenMarcelo Maiden
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

adGoo336