Matérias Mais Lidas

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Jon Schaffer: nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadoraJon Schaffer
Nomes do Iced Earth e Demons & Wizards somem do site da gravadora

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Metallica: veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da bandaMetallica
Veja o primeiro (e curioso) cartão de visitas da banda

Megadeth: Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia darMegadeth
Dave Lombardo quase entrou pra banda, mas percebeu a merda que ia dar

Joe Lynn Turner: detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem eleJoe Lynn Turner
Detonando gravadora por continuar projeto Sunstorm sem ele

Nervosa: Banda lança videoclipe de Under RuinsNervosa
Banda lança videoclipe de "Under Ruins"

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Megadeth: Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiroMegadeth
Dave Mustaine, agora, é faixa roxa em jiu-jitsu brasileiro

Iron Maiden: As faixas do clássico The Number Of The Beast, da pior para a melhorIron Maiden
As faixas do clássico "The Number Of The Beast", da pior para a melhor

Pearl Jam: exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processoPearl Jam
Exigindo que banda cover Pearl Jamm mude nome, sob ameaça de processo

Lista: 10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hojeLista
10 grandes sucessos que farão 30 anos em 2021 e continuam sendo ouvidos até hoje

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Loudwire: o melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano, de 1983 até 2020

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate


Matérias Recomendadas

Metal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o SepulturaMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

Lemmy: Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!Lemmy
"Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

Power Metal: 10 álbuns essenciais do estiloPower Metal
10 álbuns essenciais do estilo

System of a Down: casamento vai abaixo com Toxicity, vídeo viraliza e Serj divulgaSystem of a Down
Casamento vai abaixo com "Toxicity", vídeo viraliza e Serj divulga

Freddie Mercury: 18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim HuttonFreddie Mercury
18 fotos espontâneas ao lado do namorado Jim Hutton

Tunecore
Malvada

Hevilan: O Heavy Metal nacional está muito bem, obrigado!

Resenha - End Of Time - Hevilan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Cipriani Ávila
Enviar Correções  

9


O Heavy Metal nacional está em ótima fase, com bandas antigas e novas lançando excelentes trabalhos, nas suas mais variadas vertentes. O Hevilan (derivação de uma palavra hebraica, HEVILA, que significa algo como cheio de tesouros), certamente se enquadra neste grupo. A banda paulistana iniciou as suas atividades em 2005 e gravou uma demo no ano seguinte, "Blinded Faith", tendo ficado inativos por um período, até que em 2013 gravaram o seu primeiro álbum de estúdio, "The End Of Time", surpreendendo pelo virtuosismo e criatividade, contando com nada mais nada menos que o incrível Aquiles Priester (Ex-Angra, Hangar, Noturnall) como convidado especial.

O que impressiona prontamente em "The End Of Time" é o alto nível técnico de todos os músicos envolvidos. Os arranjos de todas as músicas são muito complexos, mas, ao mesmo tempo, as composições são muito cativantes, o que denota que a técnica dos instrumentistas foi utilizada em prol da música, e não para o exibicionismo puro.

A banda, que conta com o guitarrista Johnny Moraes, o baixista Biek Yohaitus e o vocalista Alex Pasquale, contou com a adição do aclamado Aquiles Priester para a gravação de todas as faixas do álbum, mas não como membro permanente, e sim como convidado especial. Os arranjos de bateria, inclusive, estavam todos prontos à época da gravação, o que não impediu, levando-se em consideração o alto nível técnico do convidado, que ele adicionasse a sua marca e o seu jeito singular de executar a bateria, tendo feito um excelente trabalho, como já é de praxe.

O que podemos notar durante a audição integral do álbum é que as composições "passeiam" por várias vertentes do Heavy Metal, assim como por outros gêneros musicais, como a música erudita, sem se limitar à rótulos pré-estabelecidos.

A faixa de abertura, "Regenesis", já dá mostras do que ouviremos durante todo o trabalho, contando com muito peso, com riffs de guitarra excelentes, que flertam descaradamente com o Thrash Metal, e muita dinâmica, já que as composições são muito versáteis, e a adição de um coral, que contribui de forma muito positiva, já que a carga emocional contida nas canções é muito alta.

As músicas seguintes nos brindam com a já mencionada criatividade, mesclada com muito peso, refrães cativantes e grandiosos, contando com um coral que dá um "tempero" a mais às mesmas. O vocalista Alex Pasquale é excelente, muito versátil, e canta de vários modos, ora de forma mais agressiva, ora de forma mais melódica e emocional, impressionando e interpretando muito bem as canções, deixando tudo ainda mais grandioso.

É complicado citar destaques, pois o trabalho como um todo já impressiona e as faixas se interligam, até por se tratar de um trabalho conceitual. A parte lírica é muito interessante e versa sobre o fim dos tempos. Embora para alguns possa ser um tema clichê, a banda o aborda de forma ímpar, suscitando discussões e nos fazendo refletir acerca de muitos outros temas atuais, como a política, os problemas ambientais, as mudanças sociais, históricas, culturais e acontecimentos que fazem parte do mundo em que vivemos.

A última música do trabalho (excetuando-se a regravação da faixa "Blinded Faith", da demo de mesmo nome, de 2006, que foi nomeada como "Blinded Faith 2013"), "Loneliness", já vai para um lado mais pessoal, sendo uma bela balada, que conta com a adição de um quarteto de cordas, que abrilhanta e muito o resultado final.

É, o resultado final do álbum não poderia ser mais satisfatório. E, se pensarmos bem, isso não surpreende tanto. A combinação de muito talento, profissionalismo, determinação e esmero não poderia trazer um resultado diferente. Parabéns a toda banda, por todo comprometimento e paixão, e que alcem vôos cada vez maiores na sua carreira, contribuindo cada vez mais para o enriquecimento do Heavy Metal nacional e mundial! Audição obrigatória, não percam a oportunidade de ouvir esse belo trabalho!

Formação:
Alex Pasquale - Vocal
Johnny Moraes - Guitarra
Biek Yohaitus - Contrabaixo
Aquiles Priester (convidado especial) - Bateria

Faixas:
1 - Regenesis
2 - Shades Of War
3 - Minus Is Call
4 - End Of Time
5 - Desire Of Destruction
6 - Sanctum Imperium
7 - Dark Throne Of Babylon
8 - Son Of Messiah
9 - Loneliness
10 - Blinded Faith 2013 (Bonus Track Brazil)


Outras resenhas de End Of Time - Hevilan

Hevilan: Aquiles Priester em debut da banda paulistana

Hevilan: uma das grandes revelações do metal nacional em 2013


Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da bandaIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

Slash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartolaSlash
Guitarrista fala sobre a origem da sua cartola


Sobre Felipe Cipriani Ávila

Headbanger convicto e fanático, jornalista (graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas), colecionador compulsivo de discos, não vive, de modo algum, sem música. Procura, sempre, se aprofundar no melhor gênero de música do mundo, o Heavy Metal, assim como no Rock'n'Roll, de um modo geral, passando pelo clássico, pelo progressivo, pelo Hard setentista e oitentista, e não se esquecendo do Blues. Play It Loud!

Mais matérias de Felipe Cipriani Ávila no Whiplash.Net.