Avenged Sevenfold: Primeiros passos rumo ao estrelato

Resenha - Waking The Fallen - Avenged Sevenfold

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Diogo de França Santos
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Segundo álbum dos ainda garotos da Califórnia, “Waking The Fallen” mostra um Metalcore mais bem produzido que o álbum de estreia da banda. Lançado em 2003, o segundo e último álbum da banda “surfando” por esse estilo. Com uma sonoridade mais obscura e uma qualidade técnica aprimorada, o Avenged Sevenfold dá os seus primeiros passos rumo ao estrelato.
3817 acessosAvenged Sevenfold: estratégia do "The Stage" não deu muito certo5000 acessosNirvana: a história por trás da música "Smells Like Teen Spirit"

Vocal rasgado e riffs violentos, com muita distorção definem esse trabalho do A7X. Com um som completamente diferente dos últimos álbuns lançados. Voltamos aos primórdios da banda que viria a se tornar uma das mais amadas e odiadas do cenário.

“Waking The Fallen”, intro que dá nome ao álbum, te “lança” ao estado de melancolia que virá a seguir. A amada pelos fãs, “Unholy Confessions”, aparece, com seus riffs marcantes e sua sonoridade única. Presente em todos os shows do Avenged, “nua” e “crua”, um dos sons mais marcantes da carreira da banda.

Logo após, “Chapter Four” dá as caras, canção baseada no capítulo da bíblia que deu nome a banda. Seu inicio é um destaque a parte, mostrando a qualidade inquestionável do falecido baterista The Rev, é outro ótimo som do álbum.

“Remenissions” e "Desecrate Through Reverence", com seus ritmos mais cadenciados, te preparam para a “injeção” de adrenalina que é “Eternal Rest”. Que Começa com um solo do guitarrista Syn Gates, seguida pelo vocal e levada frenética características desse som.

Uma das melhores da discografia da banda aparece a seguir, “Second Heartbeat”. Com um refrão que “gruda” na sua cabeça, com o baixo de Johnny Christ “transitando” pelas harmonias da música e o solo espetacular de Syn Gates esbanjando qualidade técnica e felling. Essa é a canção que mais se destaca no álbum.

"I Won't See You Tonight Pt 1” é a balada do álbum, M.Shadows interpreta essa música com o vocal limpo, que viria a se tornar sua marca. "I Won't See You Tonight, Pt. 2" é a mais fraca do álbum. "Clairvoyant Disease" é outra grande “fraqueza” do álbum, parece que foi composta apenas para completa-lo. "And All Things Will End" também não se destaca, mas fecha bem esse bom trabalho da banda.

"Waking The Fallen" é uma ótima pedida para quem é fã da banda e indispensável para quem curte o estilo. Mas peca na falta de qualidade de algumas músicas.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Waking The Fallen - Avenged Sevenfold

3383 acessosA7x: 5 músicas que fazem do Waking the Fallen um clássico

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
Estratégia usada no "The Stage" não deu muito certo

1088 acessosAvenged Sevenfold: a música que eles mais gostam de tocar ao vivo2061 acessosAvenged: Synyster será pai e banda não toca com Metallica0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avenged Sevenfold"

Guitar WorldGuitar World
Os 50 guitarristas mais rápidos de todos os tempos

A7XA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

WikimetalWikimetal
Os melhores álbuns da última década

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 25 de março de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"

NirvanaNirvana
A história por trás da música "Smells Like Teen Spirit"

Foo FightersFoo Fighters
Dave Grohl ataca criador de Glee

KissKiss
As 10 músicas mais "demoníacas" da banda

5000 acessosMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas5000 acessosSpike: os sete piores solos de guitarra5000 acessosCapas: mais feias e ridículas feitas por artistas dos quadrinhos5000 acessosDe Mary Hopkin a Turisas: o "lá lá lá lá" do Silvio Santos4790 acessosMade in Brazil: O Secos e Molhados copiou a banda? E o Kiss?

Sobre Diogo de França Santos

Diogo Santos, 21 anos, estudante de Marketing, paulistano, apaixonado por música, amante do heavy metal e suas vertentes, guitarrista quando lhe convém, frequentador de shows. Thrash metal é vida, ou morte, dependendo da sua visão. "You can't kill the metal, the metal will live on".

Mais matérias de Diogo de França Santos no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online