Circle II Circle: Um misto de peso e melodia

Resenha - Delusions of Grandeur - Circle II Circle

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Adrian Dragassakis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Delusions of Grandeur é o álbum sucessor ao ótimo Burden of Truth, de 2006, e há uma grande mudança de um álbum para o outro, principalmente na produção. Zak Stevens e Mitch Stewart provam que são uma das melhores duplas de compositores na atualidade, unindo peso, melodia e a velha forma do Savatage.

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosGibson: os 10 maiores bateristas de todos os tempos

O disco abre com a pesada e poderosa Fatal Warning, lembrando o álbum Handful of Rain (1994)que abria com Taunting Cobras, uma música que muitos dizem ser inspirada no Metallica. Podemos destacar a bela cozinha de Mitch Stewart (baixista e compositor de quase todas as músicas desde que entrou na banda, junto a Zak Stevens) e Tom Drennan (baterista,sendo este, o último álbum dele com a banda).

Dead of Dawn e Forever são duas músicas que funcionam muito bem juntas, tanto que na Tour de 2008/2009 eram tocadas em sequência. Ambas possuem letras fortes e riffs pesados, obra de Andy Lee e Evan Christopher (que foi substituido pelo brasileiro Bill Hudson, tempos depois que havia começado a turnê do álbum).

Echoes continua com o clima melancólico com uma bela levada de piano, letras fortes e novamente a cozinha funcionando muito bem. O destaque dessa faixa é o incrível solo de Andy Lee, feeling junto à técnica apurada, com muitas influências de Steve Vai.

Waiting e Soulbreaker quebram o clima com letras mais positivas melodias pesadas e com grandes solos de guitarra. Seclusion é a seguinte, voltando ao clima sombrio, talvez a melhor performance de Zak Stevens no álbum esteja nessa faixa, uma das mais belas composições da banda.

So Many Reasons e Chase the Lies recuperam o ouvinte, com ótimos refrões e o instrumental impecável.

O álbum termina com Every Last Thing, que possui um clima semelhante à Echoes, com uma linda linha de piano, solos incriveis de Andy Lee e vocais em contra-ponto, caracteristica dos álbuns do Circle II Circle (assim como F.O.S, Middle of Nowhere e Burden of Truth), fechando o disco com maestria.

Algumas edições trazem a Bonus Track "Darkness Rising", que também é pesada e pegajosa, possuindo uma grande linha de baixo e riffs grooveados.

O Circle II Circle não é uma banda tão conhecida, mesmo no segmento do Heavy Metal, assim como o Savatage também não teve seu merecido reconhecimento. Mas vale a pena conferir, pois sempre foi mantido a antiga fórmula, mas conseguiu conquistar e descobrir sua própria identidade.

Veja abaixo o Video de Echoes:


Outras resenhas de Delusions of Grandeur - Circle II Circle

null




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Circle II Circle"


Bill Hudson: BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestimaBill Hudson
BR bangers são persecutivos e têm baixa autoestima

Exportando metal: músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringasExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas


Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos

Gibson: os 10 maiores bateristas de todos os temposGibson
Os 10 maiores bateristas de todos os tempos

Pink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic RockPink Floyd
As 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Linkin Park: Qual a relação da morte de Chester Bennington com Chris Cornell?Journey: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"Led Zeppelin: "É como uma cartilha para jovens músicos", diz PageAC/DC: Angus Young e Brian Johnson falam sobre condição física após um show

Sobre Adrian Dragassakis

Nascido em 91, paulista, estudante de Jornalismo e músico nas horas vagas. Conheceu o Rock e o Metal com 11 anos de idade e até hoje carrega no sangue e nas veias bandas como Iron Maiden, Savatage, Dream Theater, Megadeth, entre outras...

Mais matérias de Adrian Dragassakis no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336