Billy Idol: 30 anos do álbum "Rebel Yell"

Resenha - Rebel Yell - Billy Idol

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thalisson Fladob, Fonte: news.radio, Tradução
Enviar Correções  


O álbum "Rebel Yell" completou 30 anos nesse mês (10 de novembro). O grande sucesso desse álbum e do próprio Billy Idol deve-se muito à MTV.

Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaHá quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No ano de 1984 muitos já conheciam os olhos furiosos, cabelos loiros espetados e sua propensão por roupas de couro.

Você sabia de tudo isso, porque durante um ano inteiro, Idol era onipresente na MTV ainda em ascensão. A alta rotação de seus vídeos ajudou combustível o sucesso de Rebel Yell, o seu álbum de 1983, que passou 70 semanas na parada da Billboard, chegando a No. 6 e vendendo mais de dois milhões de cópias nos os EUA sozinhos.

"Você não pode subestimar o valor de estrear um vídeo na MTV", lembra Steve Stevens, do Idol guitarrista de longa data e o co-escritor. "Quero dizer, na época, eu não sabia o que era MTV. Alguém mostrou para mim, e eu perguntei, 'Que porra é essa?"

Olhando para trás, de 30 anos, a MTV passou de uma rede pequena para um nome familiar, assim como Idol. Sua banda entrou em turnê nos EUA em uma van de 12 passageiros e depois para um ônibus enorme em questão de meses.

"Pouco a pouco os espaços foram ficando cada vez maiores", diz Stevens. "Estar na estrada o tempo todo, você fica meio alheio a isso. Mas quando chegamos em Los Angeles e nós estávamos tocando no Santa Monica Civic Auditorium, estávamos, tipo, 'O que está acontecendo?' Nós nos tornamos uma banda de arena".

Antes de chegarem nesse ponto, Idol e sua banda, que incluiu Stevens, o baterista Gregg Gerson, o tecladista Judi Dozier, e o baixista Phil Felt foram para o estúdio Electric Lady Studios, em Nova York, passando oito meses gravando juntos as oito músicas com pegada Punk, New Wave e de Hard Rock.

Claro que, como com a maioria dos grandes esforços da gravadora na época, a banda e produtor Keith Forsey não estavam se arriscando para não ser um fiasco. Assim, ao longo desses 24 semanas de gravação, houve mudanças na banda, Felt deixou o grupo no início das sessões, assim como Gerson, que se internou em uma clínica para tratar sua dependência de drogas e álcool. E com isso abriu as portas para novos músicos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Nós não estávamos indo para resolver, 'Ok, isso é bom o suficiente", diz Stevens. "Nós realmente sentimos que tínhamos para honrar as músicas."

Esse sentimento incluiu uma disposição para renovar completamente uma canção. Um dos melhores exemplos disso foi a faixa-título "Rebel Yell", que Forsey (produtor) insistiu em mudar algumas coisas na canção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como o produtor disse a uma revista, em 2006, a intenção da versão originalmente gravada foi "fantástico, mas isso só me fez sentir desconfortável. O ritmo estava muito em cima, por isso fomos para trás e voltar a cortar a coisa toda."

A decisão também levou a alguns desentendimentos entre Idol e sua gravadora na época. Então Idol roubou as fitas master do álbum no estúdio. Mas, de acordo com Forsey, ele pegou as fitas erradas. "Eu deixei pensar que ele tinha as certas. Em seguida, ele voltou e eu disse, 'A propósito, Billy, eu tenho as verdadeiras fitas. Ele é respondeu "Ohhhhh, ótimo!"

Forsey, obviamente, teve a ideia certa em mente, "Rebel Yell" continua sendo um dos maiores hits dos anos 80. Mas não foi a música que levou o álbum para topo. Esse prêmio pertence ao primeiro Top 10 single "Eyes Without A Face".

"Aquilo foi um pouco assustador para Billy", diz Stevens de sua criação. "Ele não era conhecido por baladas. Ele era um cara punk rock. Mas nós tocamos para o Keith (produtor) e todos nós pensamos que havia realmente algo sobre isso."

"Eyes Without A Face" é uma boa representação da diversidade surpreendente em "Rebel Yell". Por mais que ele seja lembrado por roqueiros como a faixa-título e "Highway Blue", o álbum abre espaço para faixas como "Flesh For Fantasy" e "The Dead Next Door.

"Nós todos escutávamos Beatles e os Rolling Stones", diz Stevens. "Eles fizeram álbuns que levaram você a uma viagem musical. Nós não queremos seguir alguma fórmula, e não queríamos algum álbum cheio de "White Weddings".

Até há cerca de três décadas depois, os sentimentos de Stevens sobre o registro permanecem inalterados: Ele ainda considera que é uma das mais criativamente satisfatória obra de sua longa carreira.

"Não é nenhum grande mistério quando você sabe que você tem algo de bom aconteça e todas as peças realmente se encaixam", diz Stevens (guitarrista) agora com 54 anos.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Listed: TV americana elege os maiores bad boys da músicaListed
TV americana elege os maiores bad boys da música

Censura: 8 clipes de rock/metal que já foram banidos da televisãoCensura
8 clipes de rock/metal que já foram banidos da televisão


Mulheres no Rock: resistência em um meio machistaMulheres no Rock
Resistência em um meio machista

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo


Sobre Thalisson Fladob

Thalisson Fladob, 24 anos, de São Luís-Ma, Técnico em Informática e Eletromecânica, ouve estilos de rock como Thrash, Death Metal, Alternativo, Indie e outros.

Mais matérias de Thalisson Fladob no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280