Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe

imagemBenny Anderson toca música do Foo Fighters por ter visto Dave Grohl homenageando Abba

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemDave Mustaine, eufórico, compara James LoMenzo com Cliff Burton

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou


Airbourne 2022

Soulfly: Afirmando sua identidade com o "Savages"

Resenha - Savages - Soulfly

Por Aloysio França
Fonte: Megalomania
Em 07/10/13

Nota: 8

Desde o seu primeiro álbum, lançado em 1998, até o recente "Savages", nas prateleiras desde 4 de outubro deste ano, o SOULFLY de Max Cavalera trouxe muito experimentalismo, muitos ritmos diferenciados, muitos convidados inusitados, e mostrou que existem muitas formas de se tocar Metal sem a obrigação de seguir uma linha reta. Mas mesmo em meio a tantas influências, o SOULFLY sempre teve os pés bem firmes no chão para consolidar a sua própria essência. O jeito SOULFLY de fazer música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Gostando ou não, todos devem admitir que o SOULFLY é uma banda singular. Max Cavalera soube muito bem como replicar sua personalidade forte para sua música, de modo que se tornou previsível, mas de uma forma positiva. Isso é uma grande conquista para qualquer artista: ser único.

Quando se fala de SOULFLY, as maiores surpresas são sempre em relação aos convidados especiais, que ornam as músicas com suas aparições. Desta vez estão presentes os vocalistas Igor Cavalera – o filho e não o irmão – da banda LODY KONG, Jamie Hanks da norte-americana I DECLARE WAR, o inesperado Neil Fallon da CLUTCH e Mitch Harris do NAPALM DEATH, que por mim já teria aparecido há muito tempo. Além disso, "Savages" fica marcado pela presença do outro filho de Max, Zyon Cavalera, que assumiu a bateria, substituindo o experiente David Kinkade. É um álbum bastante familiar, por assim dizer.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Honestamente, não gostei tanto de "Savages" como gostei de seu antecessor "Enslaved" com suas influências de Death Metal, mas ainda assim há muito para se apreciar. A primeira faixa, "Bloodshed", se mostra mais cadenciada que o normal para uma música de abertura. Seus quase 7 minutos contém muita diversidade, além de um belo solo de guitarra, acrescentando alguma melodia à música, de maneira muito saudável. Na sequência "Cannibal Holocaust" traz a velocidade que ficou faltando até então. Destaco também "Ayatollah of Rock ‘N’ Rolla", que não é tão incomum quanto seu nome sugere, pois soa tipicamente como SOULFLY, com riffs e refrões que funcionarão muito bem ao vivo, e a pesadíssima e multi-rítmica "Fallen" com o acréscimo das vozes guturais de Jamie Hanks.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Savages" é mais uma forma de afirmar o óbvio: o nome ‘Cavalera’ não ganhou fama por brincar de fazer música. Está aí para fazer a diferença. Ainda que muitos não o admirem como músico, todos devem reconhecer que seu estilo é único e serve de referência para o mundo inteiro. Não é Thrash Metal, nem Groove Metal (e tampouco Nu-Metal). É Max Metal.

O álbum foi lançado pela Nuclear Blast e produzido por Terry Date que já havia trabalhado com o SOULFLY na concepção de "Dark Ages" de 2005.

Formação atual:

Max Cavalera - Vocal/Guitarra de 4 cordas/Cítara
Marc Rizzo - Guitarra/Cítara
Tony Campos - Baixo
Zyon Cavalera - Bateria/Percussão

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Savages - Soulfly

Resenha - Savages - Soulfly

imagemResenha - Savages - Soulfly

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Aloysio França

Nascido em 1980, ex-guitarrista e vocalista de Thrash Metal, atual artista gráfico e podcaster no site Megalomania-Metal. É também um leitor orgulhoso de Tolkien e Cornwell. Não discrimina gêneros, mas sim música boa de música ruim.

Mais matérias de Aloysio França.