RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Aerosmith: Vale a pena conferir o "Done With Mirrors"

Resenha - Done With Mirrors - Aerosmith

Por Ronan Veloso
Postado em 26 de setembro de 2013

Em 1985 a banda retorna com sua formação original para a gravação do Done With Mirros, considerado por muitos como um álbum dispensável. Mas vale a pena conferir com mais cautela, pois se trata de um trabalho bastante significativo para o Aerosmith e digno de seus melhores momentos.

Depois do lançamento de Night In The Ruts (1979), Joe Perry e Brad Whitford, deixam a banda e se aventuraram em carreiras solos. Para seus lugares entraram Jimmy Crespo e Rick Dufay, que culminou no lançamento de Rock In A Hard Place (1982). Este último álbum soa tão bizarro para a banda, público e critica que foi praticamente esquecido e nenhuma das músicas são executadas ao vivo, até hoje!

Em 1985 estavam todos muito ansiosos para o retorno da formação original da banda. O Aerosmith trocou de gravadora, saindo da Columbia e assinando um contrato com a Geffen. Abandonaram a produção de Jack Douglas e contrataram para produzir o álbum Ted Templamen, que era o responsável pelo estrondoso sucesso do Van Halen no final dos anos 70 até meados dos anos 80.

A expectativa para este novo lançamento era grande, porém o álbum parece não ter agradado nem a crítica, nem aos fãs. Foi um verdadeiro fracasso comercial! Mas foi um álbum injustiçado! Vamos analisar detalhadamente:

O mercado do rock mundial estava sofrendo transformações importantes nesta época. O rock nos anos 70 estava cada vez mais perdendo sua força e originalidade. Em contrapartida bandas do Glam Metal ou Hair Metal, lotavam arenas e tinham todo o destaque!

O Aerosmith por sua vez estava tentando se reinventar, para sobreviver em um mercado cada vez mais competitivo e lançaram um disco "em cima do muro".

Não abandonaram completamente suas origens que em outrora tinha os transformado na maior banda da América, e precisavam encontrar algum tempero para competir com Bon Jovi, Van Halen, Def Leppard, etc.

Vamos conhecer melhor Done With Mirros:

1 - Let The Music Do The Talking: Esta música foi retirada do 1º trabalho solo de Joe Perry, com arranjo e letra alternados, esta música é digna do melhor momento de Done With Mirros, um rock de arena direto, com um refrão que entra em sua cabeça. Um riff poderoso de Joe Perry, e finalmente a voz rouca de Steven Tyler estava em seu melhor momento. Esta foi a única música que ganhou um vídeo clip.

2 – My Fist Your Face: Esta mantém a pegada inicial do álbum. Os instrumentos todos muito bem executados, um baixo alto e poderoso tornam a faixa bem interessante.

3 – Shame On You: A partir desta as coisas começam a ficar mais devagar. Apesar disto esta música é cheia de "groving", lembrando com bons olhos "Hey Hey What Can I Do" do Led Zeppelin.

4 – The Reason The Dog: Aqui nota-se claramente a influência de Ted Templamen, levando a banda para ingredientes que deram certo com o Van Halen. Mais uma vez vale a pena lembrar que todos os instrumentos são muito bem tocados, sem excessos e extravagâncias, mas com uma preocupação exagerada em não errar a medida novamente.

[an error occurred while processing this directive]

5 – Shela: Com uma introdução de bateria, bem própria das bandas dos anos 80, esta música distância o Aerosmith das suas raízes, porém já indica o que está por vir anos mais tarde no multiplatinado Permanent Vacation.

6 – Gypsy Roots: Mais uma vez a banda tenta se encontrar através de um som mais gingado, que só pôde ser aperfeiçoado em 1993 em "Eat The Rich" do Get A Grip. O interessante é perceber uma banda tentando ressurgir das cinzas, ainda traumatizada pelas nuvens negras de Rock In A Hard Place e de todo o período obscuro das drogas.

7 – She’s On Fire: Aqui retomam a excelente qualidade do início do álbum. Um trabalho de vocal perfeito de Steven, e uma guitarra acústica soando como um Aerosmith rejuvenescido. Esta música ganhou um vídeo clipe anos mais tarde, no lançamento da Videografia Big One’s.

[an error occurred while processing this directive]

8 – The Hop: Embora com uma criatividade limitada pela nuvem negra que ainda não tinha se dissipado completamente, esta faixa não chega a manchar Done With Mirrors.

9 – Darkness: Talvez a pior música do álbum, pouco convincente, mas mais uma vez muito bem executada.
Certa vez, Joe Perry comentou que o pior álbum do Aerosmith é justamente Done With Mirrors, mas discordo dele!

[an error occurred while processing this directive]

Este álbum não repercutiu como nenhum dos sucessos dos anos 70, e também como seus posteriores no final dos anos 80, porém foi um divisor de águas para a banda. Foi justamente através desde registro que os fãs e crítica se prepararam para receber o Permanent Vacation e posteriormente o aclamado Pump. Talvez se não fosse por este álbum, o Aerosmith estaria fadado ao fracasso, como aconteceu com Axl Rose e seu Guns N’ Roses, após o lançamento do inspirado, porém fracassado Chinese Democracy.

Sem esquecer que Michael Anthony do Van Halen, havia dito certa vez que o Van Halen era uma banda que sempre vendeu milhões de álbuns, porém não tinha singles de sucesso. Talvez tenha sido isso que Ted Templamen tenha tentado fazer na produção deste álbum.

[an error occurred while processing this directive]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal