James Labrie: trabalho solo moderno, pesado e muito cativante

Resenha - Impermanent Resonance - James Labrie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Confesso que sempre achei James Labrie o ponto fraco do DREAM THEATER. Não pelo fato de ser um vocalista ruim, mas sim devido a alguns exageros, e à falta de versatilidade constatada em alguns dos clássicos da banda. Contudo, de um tempo para cá, o cara vem evoluindo absurdamente, seja em sua banda principal, seja em seu projeto solo, que sem dúvida é uma das “bandas” mais legais da atualidade.
456 acessosAllan Holdsworth: Jordan Rudess em tributo musical ao guitarrista5000 acessosMegadeth: a história de quando Slash quase entrou na banda

Digo banda, pois o a grande maioria das composições aqui é dividida com o tecladista Matt Guillory, além do guitarrista e produtor Peter Wichers (SOILWORK, e que aqui é apenas músico convidado e coprodutor), podendo, sim, o grupo ser considerado uma banda, embora leve apenas o nome do vocalista.

E álbum segue a linha dos anteriores, ou seja, nos traz aquele metal moderno e pesado, mas repleto de ótimas melodias, que grudam facilmente na cabeça do ouvinte, ficando marcadas por um bom tempo, e fugindo de tudo aquilo que o mercado metálico tem produzido na atualidade. Ou seja, trata-se de um material de extremo bom gosto, e que transborda musicalidade em todos os seus aspectos.

Labrie também se supera no material, com algumas das melhores interpretações de sua carreira.

Os destaques do disco ficam para as ótimas “Agony” e “I Got You”, pesadíssimas, variadas, e com linhas vocais marcantes, a cargo de Labrie e do baterista Peter Wildoer, nas partes mais guturais; a semi-balada “Back on the Ground”, com um belíssimo refrão; e a quase thrash “I Will Not Break”, que encerra com chave de ouro a versão normal do disco.

A ótima produção, a cargo de Matt e Peter, também é digna de destaque, assim como a arte gráfica sensacional, criada pelo excepcional Gustavo Sazes, e que conseguiu casar perfeitamente com o título do álbum (conforme reconhecido por Labrie no encarte do álbum fazendo elogios efusivos ao artista brasileiro) também são pontos que deixam o material ainda mais atrativo.

Um disco excelente, que tem tudo para figurar entre os melhores de 2013. Não percar!

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Impermanent Resonance – James Labrie
(Inside Out - 2013)

1. Agony
2. Undertow
3. Slight of Hand
4. Back on the Ground
5. I Got You
6. Holding On
7. Lost in the Fire
8. Letting Go
9. Destined to Burn
10. Say You re Still Mine
11. Amnesia
12. I Will Not Break

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Impermanent Resonance - James Labrie

2687 acessosJames LaBrie: Mais um brilhante trabalho solo do vocalista2833 acessosJames Labrie: mais melódico, porém não menos excepcional

VocalistasVocalistas
Os menos conhecidos de bandas famosas

456 acessosAllan Holdsworth: Jordan Rudess em tributo musical ao guitarrista805 acessosDream Theater: Os pais do Djent?2056 acessosTop 5: Músicas Instrumentais2372 acessosPortnoy: Bumblefoot e Derek Sherinian podem estar em supergrupo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dream Theater"

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

Ultimate GuitarUltimate Guitar
As 21 músicas mais épicas de todos os tempos

Mike PortnoyMike Portnoy
Puto com fã que usava camiseta de novo álbum do DT

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dream Theater"

MegadethMegadeth
A história de quando Slash quase entrou na banda

Duff McKaganDuff McKagan
Escolhendo entre Led Zeppelin e Black Sabbath

Mike ManginiMike Mangini
Um dos bateristas mais rápidos do mundo?

5000 acessosDio: algumas curiosidades inusitadas sobre o vocalista5000 acessosGhost: qual a identidade secreta de Papa Emeritus?5000 acessosJack Black: "Nirvana foi a última grande banda do rock"5000 acessosEddie Trunk: os dez melhores álbuns de 20155000 acessosMarilyn Manson: 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosBlack Label Society: a falta que faz Dimebag Darrel

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online