Napalm Death: Virando o mundo de cabeça para baixo com o "Scum"

Resenha - Scum - Napalm Death

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Noé de Souza
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

A década de 1980 foi, sem sombra de dúvida, a mais revolucionária, seja cultural, político ou social. No musical, vários estilos surgiram como uma radiação, capaz de contaminar um país inteiro, como ocorreu em Chenobyl (Ucrânia). Na música extrema, precisamente na cidade de Birmingham (ING), berço do Black Sabbath e Judas Priest, mais uma encarnação explodiu para fazer história: Napalm Death.

1093 acessosNapalm Death: vocal ensina gutural a político e bomba no streaming5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Antes disso, todos queriam saber quem foi o percussor do Grindcore. Bandas como Siege, Repulsion e Accüsed soltavam seus respectivos discos, cujas músicas não passavam de (pasmen!) 10 segundos, enquanto o instrumental era misturado com a bateria ultrarrápida, guitarra e baixo revezando nos riffs e vocais guturais. Até que, um dia, Nick Bullen (vocal/baixo) e Miles “Rat” Ratledge (bateria) resolveram criar o Napalm Death, inspirado no filme Apocalypse Now.

Mais tarde, Mick Harris assumiu as baquetas e Justin Broadrick as seis cordas. Mesmo com as dificuldades de manejar seus instrumentos, a banda começava a trilhar seu caminho, tocando em pequenos clubes, redutos de punks, headbangers, carecas, tudo que era buraco que ninguém imaginava. Desde então, após muitos ensaios, a banda começou a gravar material, que virou o lado A do Scum.

A gana era tanta que, na época, todos perguntavam se o baterista era, mesmo, de verdade. Faixas como Siege Of Power, Scum e You Suffer viravam o mundo de cabeça para baixo, especialmente essa última que tem duração de 4 segundos. Foi por causa dessa música que o Napalm Death ficou famoso, graças a “benção” do lendário DJ da Rádio BBC John Peel, que usou You Suffer, como se fosse uma buzina para respostas erradas.

Durante as gravações de mais músicas, a banda sofreu mudanças de formação, com a saída de Justin e Nick, por divergências musicais. Em seus lugares, Bill Steer (Carcass) ficou com a guitarra (Shane Embury foi convidado para essa função), Jim Whiteley no baixo e Lee Dorrian nos vocais. Com esse line-up, gravaram o lado B do primeiro disco.

Totalizando 28 faixas, com menos de 35 minutos, Scum surgiu como um míssel capaz de causar uma guerra nuclear. Apesar da qualidade do álbum ser tosca, a intensidade era tanta que várias bandas nasceram inspiradas para gravar mais rápido, como o Terrorizer, do Jesse Pintado (que tocaria do Napalm posteriormente) e Pete Sandoval (Morbid Angel).

Os temas abordados eram sobre guerras, política, questões ambientais, capitalismo. A capa foi criada por Jeff Walker (Carcass), que mostra os senhores de terno e gravata se cumprimentado, em meio a uma família pobre, sob um chão cheio de cadáveres, com logotipos de várias empresas, como IBM, McDonalds, GM, Coca-Cola e Nestlé.

Logo após, o Napalm sofreu mais uma mudança, com a saída de Jim e a entrada de Shane Embury (dessa vez no baixo). A cena da Inglaterra nunca mais foi a mesma, pois a banda lançaria From Enslavement To Obliteration, que colocou-a em primeiro lugar na parada britânica.

Formação:

Mick Harris – bateria
Justin Broadrick – guitarra (faixas 1-12)
Nick Bullen – vocal/baixo (faixas 1-12)
Lee Dorrian – vocal (faixas 13-28)
Jim Whiteley – baixo (faixas 13-28)
Bill Steer – guitarra (faixas 13-28)

Tracklist:

1-Multinational Corporations
2-Instinct Of Survival
3-The Kill
4-Scum
5-Caught… In A Dream
6-Polluted Minds
7-Sacrificed
8-Siege Of Power
9-Control
10-Born On Your Knees
11-human Garbage
12-You Suffer
13-Life?
14-Prision Without Walls
15-Point Of No Return
16-Negative Approach
17-Success?
18-Deceiver
19-C.S.
20-Parasites
21-Pseudo Youth
22-Divine Death
23-As The Machine Rolls On
24-Common Enemy
25-Moral Crusade
26-Stigmatized
27-M.A.D.
28-Dragnet

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Scum - Napalm Death

2631 acessosNapalm Death: um dos álbuns mais desafiadores e originais4597 acessosTradução - Scum - Napalm Death

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

OpethOpeth
"You Suffer", do Napalm Death, é tocada duas vezes em show

1093 acessosNapalm Death: vocal ensina gutural a político e bomba no streaming583 acessosNapalm Death: vocalista ensina político a fazer gutural486 acessosNapalm Death, Brujeria: travando pescoços no sul da Alemanha75 acessosEm 31/05/1994: Napalm Death lança Fear, Emptiness, Despair0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Napalm Death"

Napalm DeathNapalm Death
Religião causa miséria do mundo

Napalm DeathNapalm Death
Em vídeo, Jim Carrey mostra a influência da banda

Napalm DeathNapalm Death
Barney Greenway: "Deus é uma grande mentira!"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Napalm Death"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosEddie: a foto que supostamente inspirou Derek Riggs5000 acessosMetallica: Hammett e Ulrich escolhem álbuns e músicas da década passada5000 acessosMetallica: Em fotos, a evolução de James Hetfield5000 acessosMachine Head: frontman fala sobre depressão em blog5000 acessosMetallica: Ultimate Classic Rock elege as 10 piores músicas

Sobre Rodrigo Noé de Souza

Nasci em 1984. Esse ano não é só o início de uma nova democracia, mas também é o ano em que vários discos foram lançados, como Powerslave (IRON MAIDEN), Stay Hungry (TWISTED SISTER), W.A.S.P., Don´t Break The Oath (Mercyful Fate), Slide It In (WHITESNAKE), 1984 (VAN HALEN), The Last In Line (DIO) e, o meu favorito de todos, Ride the Lightning (METALLICA). Sou um aficcionado por Metal, desde AC/DC e ZZ Top, até Anaal Nathrakh e Krisiun. Sou Jornalista, blogueiro, facebookeiro, o que for. Quem quiser saber o que eu escrevo, acessem meu blog: www.esporropublico.zip.net.

Mais matérias de Rodrigo Noé de Souza no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online