Gloryhammer: genérico e clichê, bem feito e cativante

Resenha - Tales From The Kingdom Of Fife - Gloryhammer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

7


Sabe aquele estilo que está cada vez mais saturado, e as pessoas insistem em ficar criando subgêneros com o intuito de tentar melhorar a situação, e se passar por inovadores? Pois bem, o power metal melódico, na atual fase que se encontra, está indubitavelmente nesta situação. E o "fantasy metal" é mais um desses "subgêneros" que tenta reerguer o estilo.

E a banda inglesa GLORYHAMMER é mais uma tentando se aventurar por esse tormentoso caminho. Para quem ainda não ouviu falar do grupo, trata-se de um projeto do tecladista e líder do ALESTORM, Christopher Bowes (que aqui paga uma de tecladista encapuzado e misterioso, conforme pode ser conferido no clipe abaixo), e que na verdade pratica um power metal melódico épico e cheio de elementos sinfônicos e progressivos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ou seja, é um som extremamente genérico e clichê, que não inova em nada em momento algum, e lembrando bandas como RHAPSODY OF FIRE, HAMMERFALL e BLIND GUARDIAN. Mas é tão bem feito e cativante, que fica difícil não se empolgar durante a audição do material.

Tudo aquilo que os fãs do estilo esperam eles poderão encontrar aqui: riffs velozes e pesados, bateria intensa e precisa, arranjos pomposos e linhas vocais que mais lembram cânticos de guerra, daqueles para se sair cantando junto logo na primeira audição do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outro ponto de destaque é o excelente vocalista Thomas Laszlo Winkler (EMERALD), que embora cante de forma mais grave no geral, consegue atingir tons altíssimos com muita facilidade, sem soar irritante, mas sim muito agradável.

"The Unicorn Invasion of Dundee" e "Angus Mac Fife" são duas das melhores faixas do álbum, e dão uma grande mostra das qualidades da banda em criar melodias cativantes e ótimos arranjos.

Liricamente, "Tales from The Kingdom Of Fife" conta a história da Escócia em tempos míticos, quando o guerreiro "Angus McFife iniciou sua guerra contra o mago Zargothrax para libertar as pessoas de Dundee em nome da glória e do aço! E os caras se vestem como se fossem verdadeiros guerreiros medievais em pleno campo de batalha. Ou seja, mais clichê e ingênuo impossível...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Trata-se, pois, de um álbum feito unicamente para divertir os fãs do estilo, sem a pretensões inovadoras ou buscando reinventar o metal. Se é o que você procura, vista sua armadura, tenha cuidado com os dragões e vá fundo, pois não há como se arrepender.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tales from the Kingdom of Fife – Gloryhammer
(2013 - Importado)

1. Anstruther's Dark Prophecy
2. The Unicorn Invasion of Dundee
3. Angus McFife
4. Quest for the Hammer of Glory
5. Magic Dragon
6. Silent Tears of Frozen Princess
7. Amulet of Justice
8. Hail to Crail
9. Beneath Cowdenbeath
10. The Epic Rage of Furious Thunder


Outras resenhas de Tales From The Kingdom Of Fife - Gloryhammer

Gloryhammer: A força dos clichês.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Sebastian Bach e Fernanda LimaSeparados no nascimento
Sebastian Bach e Fernanda Lima

Slayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela bandaSlayer
Fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 CliIL Cli336 Cli336