Butthole Surfers: Psicodélico. Abstrato. Doentio.

Resenha - Locust Abort Technician - Butthole Surfers

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Psicodélico. Abstrato. Doentio. A mistura avant-garde-noise-punk do BUTTHOLE SURFERS dispensa o meio termo: quando não catequiza o ouvinte, se torna uma experiência nauseante. Com recortes industriais, ritmos epiléticos e uma sonoridade guitarrística que faz o SONIC YOUTH soar como uma banda linear, "Locust" foi definido pela Allmusic como "o equivalente astral de uma viagem tortuosa de ácido e sem dúvida o melhor álbum da banda (ou pior, dependendo do seu ponto de vista)".

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaQueen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

Composto em 1987 por GIBBY HAYNES (vocal), PAUL LEARY (guitarra), JEFF PINKUS (baixo), e pelas "baterias gêmeas" de KING COFFEY e TERESA NERVOSA (que havia sido reincorporada a banda às vésperas da gravação) o BUTTHOLE surgira cinco anos antes na Califórnia e fez parte da geração alternativa (o termo indie só se tornaria difundido nos anos 90) que trouxe os frutos da geração GLENN BRANCA para a iconoclastia fonográfica de DINOSAUR JR e o BIG BLACK de STEVE ALBINI. O padrão desvirtuado e "no wave" correspondia ao simétrico oposto das paradas radiofônicas: barulhenta, desconexa, uterina.

A brincadeira com o riff de "Sweet leaf" do SABBATH marca a colagem de "Sweet Loaf"- citada em "Deep Kick"- faixa de "One Hot Minute" do RED HOT (que também referenciou "Leaf" em "Give It Away") é seguida da cacofonia sufocante de "Graveyard"; mais a frente, "Kuntz" é uma viagem ao inferno conduzida por um guia árabe. Em uma definição sóbria, o crítico britânico JOHN DORAN descreveu "22 Going on 23" como "um riff de guitarra similar a um delirius tremens e percussões tribais servindo de base para uma ouvinte contando, em um programa de rádio ao vivo, como foi estuprada". Nada, nada aqui beira minimamente à sanidade.
Listado por KURT COBAIN como um de seus discos preferidos, constantemente citado por MIKE PATTON e ROB ZOMBIE, "Locust" merece a fama que o sucedeu como um marco do noise americano na década de 80. Vale a pena? Vale- mesmo que você me odeie depois disso.

Track list:

1. "Sweat Loaf" - 6:09
2. "Graveyard" - 2:27
3. "Pittsburg to Lebanon" - 2:29
4. "Weber" - 0:35
5. "Hay" - 1:50
6. "Human Cannonball"
7. "U.S.S.A." - 2:14
8. "The O-Men" - 3:27
9. "Kuntz" - 2:24
10. "Graveyard" - 2:45
11. "22 Going on 23" - 4:23




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Butthole Surfers"


Como batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidosComo batizar a criança
Os nomes de bandas mais estúpidos


Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Queen: ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicosQueen
Ouça a voz isolada de Freddie Mercury em clássicos

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoHá quem goste
As 10 bandas mais odiadas do universo

Alfabeto do Rock: as 15 melhores músicas de MetalChurch of Satan: "A maioria dos músicos de Black Metal são cristãos"Gibson: elege "Back in Black" como o melhor riff dos 80sKlinghoffer: guitarrista comenta "fim de amizade" com Frusciante

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.