Cure: rock gótico, alternativa, pós-punk, college rock...

Resenha - Seventeen Seconds - Cure

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar Correções  


Rock gótico, alternativa, pós-punk, college rock são algumas das definições encontradas na literatura musical para o som ímpar dos ingleses do THE CURE. Sob a batuta do sempre estranhíssimo ROBERT SMITH, a banda surge no período que antecede ao fim do punk e que, dada a efêmera explosão inicial- posterior e levianamente retomada – se transforma no pós–punk - gênero que abarca mundos tão equidistantes quanto os de KILLING JOKE e COCTEAU TWINS.

Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The CureHeavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiram

Contemporâneos ao verniz lúgubre de BAUHAUS e SIOUXSIE AND THE BANSHEES e antecedendo ao THE SISTERS OF MERCY, o THE CURE ajudou a trazer o caixão e a vela preta para os anos 80 em sua própria versão de mundo; se o SABBATH trouxe a desilusão vinda do mundo exterior, da ação humana como tendente à corrupção social, a música que vinha da voz monótona e a maquiagem caricata de SMITH olhava o mundo para dentro; angústia, incerteza e melancolia eram- e são- a matéria prima fundamental de seus temas.

Após o lançamento do debut "Three imaginary Boys" de 1979 que iniciou a alavancagem de dois singles - as mais que conhecidas "Boys Don´t Cry" e "Killing an Arab" que, na realidade fizeram parte de um registro autônomo lançado apenas em alguns países no ano seguinte,- o grupo resolveu apostar em um registro que chegasse – no bom sentido, se é que isso é possível – aos limites depressivos e etéreos que suas composições pudessem alcançar.

Se uma temática específica sempre foi a tônica do estilo composicional na carreira de SMITH - a loucura ("Pornography"), os limites da fé ("Faith") e auto-destruição ("Desintegration") - "Seventeen Seconds" é um clássico do minimalismo, gravado em sete dias e que trouxe o tema do vazio a toda prova. Lançado em 1980, a obra traz existencialismo e falta de um propósito claros criando pérolas como "A Forest" e "Play For Today", condensadas em pouco mais de meia hora. O experimentalismo de "Three" e a atmosfera sufocante de "The final Sound" soam como um pesadelo trabalhado nas mãos de LOU REED. A faixa título consegue sintetizar toda a leveza do JOY DIVISON adornada com um belíssimo órgão Hammond enquanto "At Night" mostra em dois ou três acordes o que muitos não fazem com duzentos. Ouça sem radicalismos.

Track List:
1. "A Reflection"
2. "Play for Today"
3. "Secrets"
4. "In Your House"
5. "Three"
6. "The Final Sound"
7. "A Forest"
8. "M"
9. "At Night"
10. "Seventeen Seconds"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The Cure

Momentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outrosMomentos bizarros
Histórias de Ozzy, Stones, Who e outros

Q Magazine: os melhores dos anos 80Q Magazine
Os melhores dos anos 80


Heavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiramHeavy Metal
Celebridades que curtem ou já curtiram

Heavy Metal: diagrama explica a origem dos nomes de bandasHeavy Metal
Diagrama explica a origem dos nomes de bandas


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin