Hopelezz: banda é técnica, mas não deixa a agressividade de lado

Resenha - Black Souls Arrive - Hopelezz

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

8


Formado por Fabio Sgarlato (vocal), Sebastian Aurig e Denis Ehlen (guitarras), Bastian Heusener (baixo) e Nik Gaidel (bateria), os alemãs do Hopelezz estão desde 2009 na ativa e lançaram de lá pra cá, além deste álbum, uma demo intitulada "Sources of Ignition", em 2010.

O quinteto pratica o famigerado Melodic Death Metal e se sai muito bem em sua empreitada. O som tem elementos que vão desde o Death Metal, passando pelo Metal tradicional e com levadas Prog Metal, o que mostra que a banda é técnica, mas não deixa a agressividade de lado.

publicidade

O trabalho das guitarras é muito bem executado através de riffs e solos muito bem executados, assim como a cozinha bem levada e cheia de quebradas. Os vocais de Fabio estão no meio termo entre o gutural e o rasgado e é um importante elemento para que o som não soe enjoativo, como tem acontecido muito com as novas bandas do gênero.

Mesmo fazendo um som tecnicamente bem apurado, as composições soam de certa forma homogêneas. Não sei se isso é bom ou ruim, mas "Black Souls Arrive" pode soar cansativo após algumas audições. Por isso indico as faixas Devil´s Ride, a 'grooveada' The New Delight e Contraspit como as melhores.

publicidade

Produzido por Torsten Sauerbrey, no Metal Sound Studio, "Black Souls Arrive" possui uma ótima qualidade sonora, além de uma bela arte gráfica, a cargo de Mark Brückmann. O Hopelezz não inventa, muito menos reinventa o Melodic Death Metal, mas faz a lição de casa direitinho.

http://www.hopelezz.de/
http://www.facebook.com/hopelezzmetal?fref=ts

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mustaine: Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!Mustaine
"Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"

Rammstein: Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!, diz Till LindemannRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!", diz Till Lindemann


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin