Crippled Black Phoenix: viagem ao passado do Progressivo

Resenha - Mankind;Crafty Ape - Crippled Black Phoenix

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


É sempre gratificante nos depararmos com um trabalho como este nas prateleiras do Brasil... Capitaneado pelo britânico Justin Greaves e contando inicialmente com feras que já passaram por nomes relevantes como Iron Monkey, Mogwai, Electric Wizard, etc, o Crippled Black Phoenix atravessou os oito anos de trajetória com várias mudanças em sua formação até chegar a "(Mankind) The Crafty Ape", um quinto registro que continuará instigando o público devoto do Rock Progressivo.

Paula Fernandes: aos 19 anos ela ia em shows de Black MetalSlash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

'... Use a sua raiva de forma criativa para destruir seus opressores... ' é o impactante anúncio feito por uma voz robótica que dá início à audição. A partir daí, o Crippled Black Phoenix forja sua música mantendo os mais altos padrões de qualidade na configuração setentista do Rock Progressivo, inclusive dividindo todo o conceito - a corrupção e injustiça que a humanidade promove são os pontos centrais - em três partes ao longo de dois discos.

Ainda que insistentes lampejos otimistas se façam presentes, é inegável que a vibração geral do repertório seja consideravelmente melancólica e sutilmente macabra. Mas é hipnoticamente belo, todo construído com influências das mais ecléticas e, ainda assim, oferecendo aquela sempre interessante natureza cinematográfica que resulta em fácil assimilação. Ou seja, é uma viagem sincera e sem complicações desnecessárias.

E se esta tal viagem, tão alinhada ao passado, fatalmente resulte em ecos de Pink Floyd e Jethro Tull, é indiscutível que "(Mankind) The Crafty Ape" se posicione muito além dos atos genéricos que sempre rondarão qualquer cena musical mundo afora. Com toda sua inspiração e profundidade artística, este é um registro não somente obrigatório aos amantes do gênero, mas possui características que poderão cativar um público mais amplo em se tratando de Rock'n'Roll. Confira!

Contato:
http://www.crippledblackphoenix.com

Formação:
Justin Greaves - guitarra, bateria, saw, teclado, violão, banjo, efeitos e samplers
Karl Demata - guitarra e guitarra slide
Christian Heilmann - baixo
Mark Furnevall - sintetizadores e teclados
Mark Ophidian - sintetizadores e teclados
Miriam Wolf - piano e voz
Volk - voz

Crippled Black Phoenix - (Mankind) The Crafty Ape
(2012 - Som Livre / Mascot Label Group - nacional)

Disco 01 (51 min):
Chapter I - A Thread
01. Nothing (We Are...)
02. The Heart Of Every Country
03. Get Down And Live With It
04. (In The Yonder March)
05. A Letter Concerning Dogheads
06. The Brain / Poznan

Chapter II - A Trap
07. Laying Traps
08. Born In A Hurricane
09. Release The Clowns
10. (What?)

Disco 02 (34 min):
Chapter III - The Blues Of Man
1. A Suggestion (Not A Very Nice One)
2. (Dig, Bury, Deny)
3. Operation Mincemeat
4. We'll Never Get Out Of This World Alive
5. Faced With Complete Failure, Utter Defiance Is The Only Response




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crippled Black Phoenix"


Paula Fernandes: aos 19 anos ela ia em shows de Black MetalPaula Fernandes
Aos 19 anos ela ia em shows de Black Metal

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Cradle of Filth: Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?Keith Richards: colocando Justin Bieber em seu devido lugarNão se engane: o vinil ainda caminha para o cemitérioBlack Metal: o cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.