Andre Matos: um trabalho ousado e inesperado

Resenha - Turn Of The Lights - Andre Matos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Humangous
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A técnica e talento de Andre Matos são indiscutíveis. Sua carreira teve alguns altos e baixos, sempre passeando por bandas e projetos diferentes. Após sua saída do Angra, muita coisa aconteceu. Seus trabalhos mais recentes foram com a banda Symfonia e a reunião com o Viper. Mas o que os fãs esperavam mesmo era por um disco novo de sua carreira solo.
221 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?5000 acessosOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold

E a espera, finalmente, acabou com o lançamento de "The Turn Of The Lights", terceiro registro com a banda que leva o seu nome. Quem acompanha a carreira do Andre sabe que o músico não costuma repetir a mesma fórmula. Então, o que esperar desse álbum, já que "Time To Be Free" foi tão diferente de "Mentalize"? Simples, mais um trabalho totalmente inesperado e incomum para sua carreira como um todo. As composições estão muito mais maduras, comedidas, suaves e acessíveis. As guitarras estão com uma timbragem mais limpa, com um toque mais Pop, construções simples e diretas dando vazão ao que mais interessa, nesse caso, as linhas vocais. Falando nelas, Andre pouco abusa de sua potência vocal, cantando em um tom mais baixo, de forma linear e mais teatral. Esqueça aquela agressividade e tons agudos encontrados nos primeiros discos do Shaman, ou mesmo no seu primeiro álbum. Tudo aqui é mais atmosférico, progressivo. Isso não quer dizer que "The Turn Of The Lights" seja ruim, apenas diferente. Essa estranheza toda passa após algumas audições e você acaba se acostumando e entendendo melhor a proposta do grupo. O fato é que faltou um pouco de punch ou, quem sabe, composições mais pegajosas. A arte da capa também deixou a desejar um pouco e que, apesar de bonita esteticamente, é meio sem sal. Um lançamento, no mínimo, interessante e de respeito. Andre Matos mostra que tem coragem, sem medo de experimentar. Isso, certamente, trará novos fãs para a banda e, possivelmente, afastará alguns outros. Faz parte.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Turn Of The Lights - Andre Matos

5000 acessosAndre Matos: Renovação na sonoridade musical5000 acessosAndre Matos: Maturidade musical ainda maior

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

221 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?1221 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos900 acessosAngra: Fabio Lione tem poderes! (making of do novo álbum)0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Carnaval 2016Carnaval 2016
Angra, Sepultura e Carlinhos Brown tocando Kiss

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Afastamento do Angra começou antes do Megadeth

Kiko LoureiroKiko Loureiro
O melhor guitarrista do ano no Revolver Awards

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Viper"0 acessosTodas as matérias sobre "Shaman"

OverkillOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

MegadethMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

SepulturaSepultura
Andreas conta curiosidades sobre os primórdios da banda

5000 acessosRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"5000 acessosMetromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rock5000 acessosGuitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidos5000 acessosThe James Gang - A gangue encrenqueira do rock5000 acessosJanaína Paschoal: "Prefiro Pink Floyd e Dire Straits a Iron Maiden"4607 acessosPunk: três exemplos de como tocar na batera também é difícil

Sobre Pedro Humangous

Pedro Humangous, 28 anos, publicitário headbanger. Dono e editor chefe da revista Hell Divine. Santista apaixonado por música e uma boa cerveja. Atualmente reside em Brasília e não poupa esforços para fazer o metal se fortalecer no país. Já colaborou com as revistas portuguesas Versus e Horns Up, além da coluna “Rolo Compressor” na rádio Nucleo Base. Colecionador de CD´s, DVD´s, Livros e Action Figures, concentra suas forças no metal extremo, sem deixar de lado os demais estilos. Fanático por Opeth, Iron Maiden, Trivium, Kreator, Dream Theater, Baroness, Suicide Silence, entre tantas outras. Siga: @PedroHumangous

Mais matérias de Pedro Humangous no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online