Kamelot: o décimo disco da banda é um novo início

Resenha - Silverthorn - Kamelot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

8


Depois de uma trinca iluminada, com os discos "Karma", "Epica" e "Black Halo" (para mim, o melhor disco disparado da banda), o KAMELOT passou por um período conturbado em sua carreira, incluindo o lançamento de dois discos cuja receptividade do público não foi a esperada ("Ghost Opera" e "Poetry for the Poisoned"), e com a saída do brilhante vocalista Roy Khan, cujas reais causas não foram até hoje satisfatoriamente explicadas.

Assim, "Silverthorn", o décimo disco dos caras, é um novo início para a banda. E pelo que se escuta no material, não poderia ter sido melhor!

publicidade

Por óbvio, quando uma banda perde um membro tão importante quanto é o vocalista, há duas opções a seguir: ou escolher alguém com uma voz totalmente diferente, modificando do estilo da banda, ou optar por um vocalista com uma voz parecida com a do vocalista anterior, mantendo suas características. E no caso do KAMELOT, a segunda escolha seria ainda mais difícil, pois Khan tem uma voz muito peculiar e diferenciada.

publicidade

Mas, por incrível que parece, o substituto escolhido, Tommy Karevik, tem timbre e entonação idênticos ao de Roy Khan, tanto que, em vários momentos do disco, os mais desavisados com certeza acharão que a banda não mudou de vocalista, tamanha a semelhança entre suas vozes. Mas há outros momentos, principalmente nas baladas, em que seu vocal se diferencia um pouco dos de Roy, lembrando Fábio Lione (RHAPSODY), principalmente nas "esticadas" de voz. Um exemplo disto é "Song for Jolee", em que tais características ficam bem claras. Ou seja, o forte do cara não é a personalidade, mas sim a qualidade de sua voz.

publicidade

E, assim como os vocais, o estilo da banda quase nada mudou, praticando aquele power melodic metal pesado e repleto de influências de música oriental e mediterrânea, com uma competência de se tirar o chapéu. Mas o que diferencia o novo disco dos dois trabalhos anteriores é que as músicas estão mais diretas, sendo menos complexas, e de assimilação mais fácil, embora mantenham arranjos muito bem construídos, climas épicos e ótimas orquestrações, graças à competência do coração da banda, o guitarrista Thomas Youngblood.

publicidade

A já conhecida "Sacrimony" é uma das mais legais do disco, e remete à discos como "Epica" e "Karma", com melodias grudentas, e muito peso, sendo uma típica faixa com o selo KAMELOT de excelência.
E o disco segue assim até o final, com faixas intrigantes e muito legais, como "Veritas", "My Confessions" e "Silverthorn", sendo bem homogêneo, não decepcionando os fãs.

publicidade

A produção, realizada por Sascha Paeth e Miro é muito boa também, bem moderna e cristalina, realçando as características da banda, com muita personalidade.

Merece menção ainda a belíssima edição especial do disco, que acompanha, um Box que, além de pôster, arte diferenciada, e um disco a mais, com versões instrumentais das faixas e a bônus "Grace"( que conta com a participação de Apollo Papathanasio e Niclas Engelini), um belíssimo digibook com toda a história conceitual que trata "Silverthorn", em todos seus detalhes.

publicidade

Portanto, o KAMELOT está de volta, em sua melhor forma, lançando um disco até certo ponto surpreendente diante de tudo que a banda passou nos últimos tempos, e que a mantém no pelotão de frente das bandas que ainda mantém o power metal melódico como um estilo agradável de seu ouvir. Disco indispensável, não perca!

publicidade

Silverthorn - Kamelot
(2012- SPV - Importado)

Track List:

CD 1:
1. Manus Dei
2. Sacrimony (Angel of Afterlife)
3. Ashes to Ashes
4. Torn
5. Song for Jolee
6. Veritas
7. My Confession
8. Silverthorn
9. Falling Like the Fahrenheit
10. Solitaire
11. Prodigal Son
Part I: Funerale
Part II: Burden of Guilt - The Branding
Part III: The Journey
12. Continuum

CD 2:
Instrumental CD Bônus:
1. Manus Dei
2. Sacrimony (Angel of Afterlife)
3. Kismet
4. Ashes to Ashes
5. Torn
6. Song for Jolee
7. Veritas
8. My Confession
9. Silverthorn
10. Falling Like the Fahrenheit
11. Solitaire
12. Prodigal Son
Part I: Funerale
Part II: Burden of Guilt - The Branding
Part III: The Journey
13. Continuum

Bonus Track:
14. Grace (with Apollo Papathanasio and Nicklas Engelin)

publicidade


Outras resenhas de Silverthorn - Kamelot

Kamelot: fórmula simples e conhecida, mostra habilidade e peso

Kamelot: querendo mostrar trabalho a qualquer custo




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Soulspell: Tributo ao Kamelot com a faixa March Of MephistoSoulspell
Tributo ao Kamelot com a faixa "March Of Mephisto"


Metal Sinfônico: dez álbuns essenciais do gêneroMetal Sinfônico
Dez álbuns essenciais do gênero

Roy Khan: sair do Kamelot foi a melhor decisão que já tomeiRoy Khan
"sair do Kamelot foi a melhor decisão que já tomei"


Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

Roadrunner: os melhores frontmen de todos os temposRoadrunner
Os melhores frontmen de todos os tempos


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin