Kamelot: querendo mostrar trabalho a qualquer custo

Resenha - Silverthorn - Kamelot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Talvez um dos subgêneros mais festejados do heavy metal nos últimos anos, o chamado power metal vem enfrentando uma recente onda de declínio criativo, sendo mantido vivo por alguns poucos e raros representantes que ainda conseguem fazer algo de novo. Um destes nomes é justamente o da banda norte-americana Kamelot, que desde o excelente álbum “The Black Halo” (2005) encontrou uma sonoridade própria e particular, algo entre o power e o gótico/sinfônico, resultando no que gosto sempre de chamar de “Andrew Lloyd Webber metal”. Desta forma, justifica-se a expectativa em torno de seu novo álbum de inéditas, “Silverthorn”. Afinal, trata-se do primeiro lançamento sem a competente voz de Roy Khan, um dos principais motivos do sucesso da banda, com uma interpretação limpa, moderna, dinâmica e teatral. Sem os vocais de Khan, teria o Kamelot algum futuro pela frente? A resposta é clara: sim. E que baita futuro.
359 acessosKamelot: Turnê pelos EUA para promover novo álbum5000 acessosHeadbangers: o preconceito mostrado em vídeo bem-humorado

O disco, conceitual, conta a história de uma garota do século 19 chamada Jolee, que morre em um trágico acidente, testemunhado por seus dois irmãos gêmeos – e que abre as portas para que a família comece a lidar com segredos e traições há muito escondidos.

Para o cargo de Khan, foi escolhido Tommy Karevik, cantor sueco que já tinha sido convidado especial na última turnê da banda, sem a presença do último vocalista. Quem já tinha ouvido o seu trabalho à frente do Seventh Wonder, sabe bem que não dá para ignorar o talento do sujeito. Em comum com Khan, ele tem a versatilidade (indo do mais agressivo ao mais sutil e delicado) e a sonoridade mais clean, sem necessidade dos altíssimos agudos que costumam caracterizar o estilo. Embora seu tom lembre o de seu antecessor em alguns momentos, Karevik inteligentemente parece evitar as comparações e tenta dar seu toque pessoal, em especial no que diz respeito aos graves. Na bela “Song for Jolee”, ele se entrega em uma balada delicada, quase como que conjurando a sua “A Sailorman's Hymn” pessoal, aquele momento para acalmar a plateia em pleno show e brilhar sozinho ao som de um violão acústico.

Na escola das canções aceleradas, para bater cabeça, “Silverthorn” também não faz feio. O primeiríssimo single, “Sacrimony”, com a participação das belas vocalistas Elize Ryd (Amaranthe) e Alissa White-Gluz (The Agonist), já dava mostras de que Karevik não está aqui para brincar. A bolacha abre em excelente ritmo ao colocar, na sequência, petardos como “Ashes to Ashes” e “Torn”. Um dos ápices do disco, no entanto, é a cadenciada “Falling Like The Fahreinheit”, uma espécie de power ballad que mostra não apenas o novo vocalista em uma interpretação brilhante e bastante variada, mas também o guitarrista Thomas Youngblood fugindo do lugar comum e, ao mesmo tempo, deixando clara a assinatura do Kamelot.

“Silverthorn” não é perfeito, mas é o Kamelot querendo mostrar trabalho a qualquer custo, indo para cima com tudo e entregando um trabalho de grande qualidade. E sem perder o seu estilo peculiar, leia-se.

Line-up:
Tommy Karevik – Vocal
Thomas Youngblood – Guitarra
Sean Tibbetts – Baixo
Casey Grillo – Bateria
Oliver Palotai – Teclado

Tracklist:
1. Manus Dei
2. Sacrimony (Angel of Afterlife) – com Elize Ryd & Alissa White-Gluz
3. Ashes to Ashes
4. Torn
5. Song for Jolee
6. Veritas – com Elize Ryd
7. My Confession
8. Silverthorn
9. Falling Like the Fahrenheit – com Elize Ryd
10. Solitaire
11. Prodigal Son – com Alissa White-Gluz
12. Continuum

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Silverthorn - Kamelot

2693 acessosKamelot: fórmula simples e conhecida, mostra habilidade e peso4685 acessosKamelot: o décimo disco da banda é um novo início

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

359 acessosKamelot: Turnê pelos EUA para promover novo álbum0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kamelot"

KamelotKamelot
Ex-vocalista Roy Khan canta "You Raise Me Up"

Power MetalPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero

Roy KhanRoy Khan
Ouça vocalista cantando música gospel

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kamelot"

HeadbangersHeadbangers
O preconceito mostrado em vídeo bem-humorado

SlipknotSlipknot
12 histórias que retratam o quão insana a banda é

CretinCretin
Transexual rompe barreiras no metal extremo

5000 acessosPorn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitários5000 acessosUltimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da história5000 acessosIron Maiden: versões pesadas para clássicos do Rock5000 acessosKiss: o Brasil acreditava que a banda matava pintinhos nos shows5000 acessosStryper: Tom Araya fala sobre demônio, sai do palco e vai rezar5000 acessosSepultura: as dez canções mais subestimadas da banda

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online