Alabama Shakes: uma espécie de "soul indie"

Resenha - Boys & Girls - Alabama Shakes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O quarteto norte-americano Alabama Shakes é um dos nomes mais falados de 2012. Publicações de diferentes linhas editoriais como NME, Paste e poeira Zine têm elogiado generosamente a banda, alimentando o burburinho em torno do grupo e ampliando a sua repercussão.

Capas: 10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhosOzzy Osbourne: tudo que você sempre quis saber sobre ele

Formado em Athens em 2009, o Alabama Shakes toca um soul com pitadas de rock e blues, tudo temperado por ingredientes que remetem ao southern e ao garage rock. A grosso modo, é uma espécie de "soul indie". A voz da cantora e guitarrista Brittany Howard é um tanto similar à de Amy Winehouse, e a sonoridade predominantemente vintage aproxima ainda mais o grupo daquilo que a falecida vocalista inglesa fazia, com a particularidade de que aqui não entram orquestrações, metais e coisas do tipo, é tudo no tradicional guitarra-baixo-bateria.

"Boys & Girls", primeiro disco da banda, foi lançado em 9 de abril deste ano e, desde então, vem escalando paradas de sucesso em todo o mundo. O trabalho alcançou a oitava posição na Billboard e está fazendo bonito em diversos países.

Tentar explicar todo esse barulho pode parecer inglório, mas não é tão complicado. De maneira geral, a música do quarteto - completam o time o guitarrista Heath Fogg, o baixista Zac Cockrell e o baterista Steve Johnson - não é nada inovadora, mas compensa a falta de originalidade com ótimas composições. O Alabama Shakes não reinventa a roda, apenas faz o que precisa ser feito, e muito bem. Canções como "Hold On", "I Found You" e "Hang Loose" tem estruturas simples e melodias agradáveis, e vem carregadas de doses enormes de sentimento, de feeling. Grande parte disso vem da maneira de cantar de Brittany, que grita sem cerimônia e busca no fundo da alma a força que imprime em suas canções.

A roupagem vintage faz com que faixas como "You Ain't Alone" pareçam saídas de um disco perdido de Janis Joplin, por exemplo. Explorando influências que exploram, essencialmente, à rica tradição da música negra norte-americana, o Alabama Shakes alcançou em seu primeiro disco um resultado notável, que faz jus aos elogios vindos das mais diversas fontes.

"Goin' to the Party" é uma delícia. "I Ain't the Same" é o Rolling Stones da fase Exile on Main Street com uma bela voz feminina. A já citada "Hold On" é uma pequena joia pop, assim como a balada "I Found You".

A música tem uma tradição riquíssima e, muitas vezes, não é necessário procurar novos caminhos para se fazer algo de qualidade. Dosando com sabedoria as suas influências, o Alabama Shakes gravou um trabalho de estreia muito envolvente, com poder de cativar ouvintes das mais diversas idades e mundos diferentes. Um feito notável para uma banda com apenas três anos de vida, e que tem tudo para seguir uma trajetória bastante interessante nos próximos anos.

Vale a pena ficar de olho!

Faixas:
Hold On
I Found You
Hang Loose
Rise to the Sun
You Ain't Alone
Goin' to the Party
Heartbraker
Boys & Girls
Be Mine
I Ain't the Same
On Your Way
Heavy Chevy




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alabama Shakes"


Capas: 10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhosCapas
10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhos

Ozzy Osbourne: tudo que você sempre quis saber sobre eleOzzy Osbourne
Tudo que você sempre quis saber sobre ele

Ozzy Osbourne: dando chega mais em Mônica Apor na coletivaOzzy Osbourne
Dando "chega mais" em Mônica Apor na coletiva

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosLzzy Hale: primeira vez com a Playboy foi ouvindo Metallica"Anselmo, o rei da mentira", diz namorada de Dime

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.