Running Wild: Eles ainda tinham muita lenha para queimar

Resenha - Shadowmaker - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Junior Frascá, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Finalmente o suposto fim do RUNNING WILD não durou muito tempo! Não sei qual foi o real motivo do retorno da banda, se foi realmente por amor ao metal, por uma jogada de marketing ou devido ao fracasso que Sir. Rock´n Rolf teve com o terrível TOXIC TASTE, mas a verdade é que os alemães ainda tinham muita lenha para queimar, conforme prova este excelente novo material.
5000 acessosRob Halford: "Ninguém escolhe ser Gay"5000 acessosMetal Brasileiro: 10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

E em seu 15º registro de estúdio, Rolf e sua trupe de piratas mostram mais uma vez o porque de serem considerados uma verdadeira instituição do metal, com mais um disco fantástico, e inclusive muito melhor que os últimos registros da banda antes de seu “quase final” em 2009. Aquela excelente mescla entre heavy metal tradicional e hard rock, com influências que vão de THIN LIZZY a JUDAS PRIEST, presentes nos discos clássicos da banda está de volta, trazendo grandes riffs e aqueles refrãos para se sair cantando junto logo na primeira audição.

Rolf continua cantando muito, conseguindo impor aquela energia típica em todas as faixas, além de ser um verdadeiro riffmaker. O único senão das composições fica para a bateria, muito básica e repetitiva em alguns momentos, o que é agravado pela gravação, que deixou o som das batidas bem artificial, mas nada que prejudique muito o resultado geral do trabalho.

Todas as canções são muito legais, e o disco se destaca por cativar o ouvinte logo de cara. Sério, tente escutar faixas como “Riding the Tide” (a melhor do trabalho), “I Am Who I Am” (com riffs cortantes), “Shadowmaker” (uma pedrada com forte influência oitentista) e “Dracula” e não sair por ai cantarolando seus refrãos. O único senão fica para “Me & The Boys”, uma faixa que tem um toque de TWISTED SISTER e não é de todo ruim, mas que foge um pouco do padrão de qualidade do disco por ser mais comercial.

Destaque também para a capa do trabalho, que foge dos padrões da banda, e para a gravação, que ficou bem legal no geral (com as ressalvas já mencionadas relativas à bateria), e pode ser considerada uma das melhores da banda até o momento. Além disso, a versão especial do disco contém um DVD bônus, com o making of do disco, e comentários de Rock´n Rolf sobre todas as faixas do CD.

Pois bem, o RUNNING WILD está de volta à ativa, e nos traz mais uma vez uma grande registro, que com certeza merece estar em qualquer coleção. Agora nos resta torcer para que a Mr. Rolf continue firme por muito tempo ainda, pois competência e criatividade ele tem de sobra. Vida longa aos piratas do metal!

Shadowmaker – Running Wild
(2012 - Importado)

01. Piece Of The Action
02. Riding On The Tide
03. I Am Who I Am
04. Black Shadow
05. Locomotive
06. Me & The Boys
07. Shadowmaker
08. Sailing Fire
09. Into The Black
10. Dracula

DVD
Making of Shadowmaker
Track by track commentary by Rock N´Rolf
Length approx. 40 min

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"

Rob HalfordRob Halford
"Deve haver músicos gays que não se revelam!"

Metal BrasileiroMetal Brasileiro
10 bandas recomendáveis fora o Sepultura

SlashSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

5000 acessosÁlbuns: e se os rockstars mortos sumissem das capas?5000 acessosCults: 10 álbuns influentes que fracassaram nas vendas5000 acessosComo Conservar e Recuperar Cordas de Baixo5000 acessosSymphony X: "Não soamos como o Dream Theater, mas não há muitas com quem nos comparar"5000 acessosThe Beatles: como seriam os Fab Four se fossem gordos?5000 acessosAlice Cooper: "me revolto com meus fãs às vezes"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online