Running Wild: Eles ainda tinham muita lenha para queimar

Resenha - Shadowmaker - Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Junior Frascá, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Finalmente o suposto fim do RUNNING WILD não durou muito tempo! Não sei qual foi o real motivo do retorno da banda, se foi realmente por amor ao metal, por uma jogada de marketing ou devido ao fracasso que Sir. Rock´n Rolf teve com o terrível TOXIC TASTE, mas a verdade é que os alemães ainda tinham muita lenha para queimar, conforme prova este excelente novo material.

5000 acessosIndústria: 17 coisas que bandas novas simplesmente não entendem5000 acessosFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead

E em seu 15º registro de estúdio, Rolf e sua trupe de piratas mostram mais uma vez o porque de serem considerados uma verdadeira instituição do metal, com mais um disco fantástico, e inclusive muito melhor que os últimos registros da banda antes de seu “quase final” em 2009. Aquela excelente mescla entre heavy metal tradicional e hard rock, com influências que vão de THIN LIZZY a JUDAS PRIEST, presentes nos discos clássicos da banda está de volta, trazendo grandes riffs e aqueles refrãos para se sair cantando junto logo na primeira audição.

Rolf continua cantando muito, conseguindo impor aquela energia típica em todas as faixas, além de ser um verdadeiro riffmaker. O único senão das composições fica para a bateria, muito básica e repetitiva em alguns momentos, o que é agravado pela gravação, que deixou o som das batidas bem artificial, mas nada que prejudique muito o resultado geral do trabalho.

Todas as canções são muito legais, e o disco se destaca por cativar o ouvinte logo de cara. Sério, tente escutar faixas como “Riding the Tide” (a melhor do trabalho), “I Am Who I Am” (com riffs cortantes), “Shadowmaker” (uma pedrada com forte influência oitentista) e “Dracula” e não sair por ai cantarolando seus refrãos. O único senão fica para “Me & The Boys”, uma faixa que tem um toque de TWISTED SISTER e não é de todo ruim, mas que foge um pouco do padrão de qualidade do disco por ser mais comercial.

Destaque também para a capa do trabalho, que foge dos padrões da banda, e para a gravação, que ficou bem legal no geral (com as ressalvas já mencionadas relativas à bateria), e pode ser considerada uma das melhores da banda até o momento. Além disso, a versão especial do disco contém um DVD bônus, com o making of do disco, e comentários de Rock´n Rolf sobre todas as faixas do CD.

Pois bem, o RUNNING WILD está de volta à ativa, e nos traz mais uma vez uma grande registro, que com certeza merece estar em qualquer coleção. Agora nos resta torcer para que a Mr. Rolf continue firme por muito tempo ainda, pois competência e criatividade ele tem de sobra. Vida longa aos piratas do metal!

Shadowmaker – Running Wild
(2012 - Importado)

01. Piece Of The Action
02. Riding On The Tide
03. I Am Who I Am
04. Black Shadow
05. Locomotive
06. Me & The Boys
07. Shadowmaker
08. Sailing Fire
09. Into The Black
10. Dracula

DVD
Making of Shadowmaker
Track by track commentary by Rock N´Rolf
Length approx. 40 min

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


IndústriaIndústria
17 coisas que as bandas novas não entendem

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Lemmy, do Motorhead, muito antes da fama

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
25 coisas que você talvez não saiba sobre o Madman

5000 acessosAs novas caras do metal: + 40 bandas que você deve conhecer5000 acessosEm 19/02/1980: Bon Scott, vocalista do AC/DC, morre aos 33 anos de idade5000 acessosDream Theater: o vacilo na capa de "A Dramatic Turn of Events"5000 acessosRush: Alex Lifeson elege as duas piores músicas da banda5000 acessosOzzy Osbourne: pedindo stripper em casamento no réveillon3944 acessosSlipknot: "Psychosocial" em versão feita no banjo

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online