Resenha - Day Of Reconing - Destruction

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não há dúvidas perante a importância do Destruction para o Thrash Metal mundial. Junto com Sodom e Kreator, a banda liderada pelo baixista e vocalista Schmier forma a linha de frente do Thrash europeu, que tem como característica o peso peculiar e as tendências mais extremas em relação ao estilo americano.

Destruction: Big Four alemão está "na lista de prioridades"Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

"Day Of Reconing" surge para manter a chama da banda acesa, além de assegurar o lugar do trio ao sol. Desde "All Hell Breaks Loose" (2000), o Destruction mantém essa fórmula cheia de pegada e feita com muita raça, o que faz os fãs da banda evitarem comparações com os clássicos "Infernal Overkill" (1985) e "Eternal Devastation" (1986).

O início com The Price e o grito introdutório de Schmier, apesar de característico dos anos 80, não soou de forma alguma datado e o refrão pega de cara o ouvinte, além de um solo de guitarra maravilhoso a cargo de Mike.

Devils Advocate se inicia com um soco do baixo para descambar para um riff cavalgado sensacional. A faixa ainda possui uma interessante e pegajosa melodia, além de mais solos thrashers de dar gosto. A cadenciada faixa título mostra mais um grande trabalho das guitarras e uma cozinha pulsante e muito técnica.

Com um ar mais moderno (mas nada que se assemelhe às novas tendências), The Devil Is God tem um ar pesado, mas com uma levada um tanto quanto acessível, guardadas devidas proporções, obviamente. Vale destacar também, o trabalho de bateria de Vaaver, que demonstra muita violência e técnica na maioria das faixas.

O que impressiona neste trabalho é como a banda conseguiu se adaptar aos tempos atuais sem soar modernosa e ainda assim manter a essência da sonoridade característica da banda. A produção não poderia ficar melhor, e o trabalho gráfico é de dar gosto, com um encarte perfeito e uma capa lindamente assustadora, a cargo de Gyula Havancsak.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Destruction"


Destruction: Big Four alemão está na lista de prioridades, afirma SchmierDestruction
Big Four alemão está "na lista de prioridades", afirma Schmier

Destruction: estreia do clipe "Betrayal"

1986: O ano definitivo da música pesada1986
O ano definitivo da música pesada

Rock e metal: o outro lado das capas de discosRock e metal
O outro lado das capas de discos

Thrash Metal: os 10 melhores discos do século 21, segundo o LoudwireThrash Metal
Os 10 melhores discos do século 21, segundo o Loudwire


Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em Livin' On A PrayerBon Jovi
O mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam

Vocalistas: belíssimos timbres de alguns cantores de rockVocalistas
Belíssimos timbres de alguns cantores de rock

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsIron Maiden: os álbuns da banda, do pior para o melhorSlipknot: vocalista revela o seu momento mais doloroso no palcoÔ Glória: Comprou CD do Venom e ganhou mensagem de salvação

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.