Aeon Arcanum: Para apreciadores de brutalidade e técnica

Resenha - Monuments - Aeon Arcanum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

9


Uma das surpresas, sem dúvidas, é o fato de a banda vir da Macedônia, onde a cena Metal não tem muita expressão internacional. Originalmente formada em 2003 com o nome de Arcanum, a banda mudou seu nome para Aeon Arcanum em 2008 e de lá pra cá havia lançado somente um single intitulado "Mind´s Eclipse", em 2009.

Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasGaragens dos Anos 60

Neste ano, o power trio formado por Aleksandar Ivanov (vocais/guitarra), Dragan Teodosiev (bateria) e Darko Avramovski (baixo), lançou "Monuments", seu primeiro trabalho oficial.

A outra surpresa é que quando colocamos o álbum para tocar, de cara imaginamos uma banda que investe em um Death/Doom Metal, já que a faixa que abre o disco, "Dysphoria" possui uma levada cadenciada, riffs e solos melódicos, além de um clima denso.

Mas, apesar da introdução dedilhada e triste, a segunda faixa, "Morbid Incarnation", apresenta a verdadeira faceta da banda. Apesar de continuar com guitarras melódicas, surgem os blasts beats, quebradas muito bem encaixadas, além de um clima denso. Os vocais de Aleksander seguem a linha gutural típica do Brutal Death Metal.

A técnica apurada da banda e a inclusão de vários elementos como tambura (instrumento de cordas indiano) sintetizadores e percussão, é outra surpresa, pois não há nada de excessivo que tire a sonoridade extrema praticada pela banda. Por se tratar de um trio, o grupo conta com músicos adicionais em seu show.

"Lurid Luminance" mostra o lado mais épico e trabalhado da banda, com seus mais de oito minutos. A composição possui riffs e cozinha rápida, porém com um clima melancólico, que encobrem passagens viajantes e são envoltos por um ótimo arranjo. "Cosmic Solitude" segue uma linha mais moderna e com influências de Gothic Metal nos arranjos, mas, incrivelmente, é a faixa menos melódica da banda.

"Entreaty", que fecha o disco, mostra de vez o lado mais brutal da banda, lembrando nomes como Aeternus, pelo riffs típicos de Black Metal e o vocal urrado e extremamente raivoso.

A produção do trabalho merece destaque. O som do grupo é complexo e pesado, e em nenhum momento soou embolado ou desconexo. Um disco de Metal extremo para apreciadores de brutalidade e técnica. Grata surpresa!




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: James Hetfield explica suas tatuagens preferidasMetallica
James Hetfield explica suas tatuagens preferidas

Garagens dos Anos 60Garagens dos Anos 60


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin