Lynyrd Skynyrd: A banda não ficou parada no tempo

Resenha - God & Guns - Lynyrd Skynyrd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


No ano em que se apresentou pela primeira vez no Brasil, os norte-americanos do LYNYRD SKYNYRD reacenderam um antigo amor do público nacional: o southern rock. A banda, que vai completar quarenta anos de carreira em 2012, aproveitou o show no festival SWU para reviver também o seu mais recente álbum, intitulado "God & Guns". Embora o disco tenha deixado um pouco de lado a essência do estilo que o grupo ajudou a criar na década de setenta, a "nova" fase de Johnny Van Zant & Cia. ainda tem muito cartucho para queimar.

Fernando Haddad: após visitar Lula, ele canta Lynyrd Skynyrd em bar de CuritibaLemmy: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Não há dúvidas quanto a importância do LYNYRD SKYNYRD para a história do rock n' roll. O show da banda no SWU em novembro de 2011 - provavelmente a performance mais esperada entre todos os nomes nacionais e internacionais que passaram pelo festival em Paulínia (SP) - comprovou muito bem isso. Por outro lado, a banda possui contornos ainda mais místicos em território brasileiro, sobretudo pelo fato de ser extremamente complicado encontrar os discos da banda em versão nacional. O recente "God & Guns" é a prova maior: mesmo que a banda tenha contrato com a Roadrunner Records, os fãs precisam desembolsar mais de R$ 100 pelo álbum importado, que não é encontrado com facilidade. O que se espera é que as coisas mudem - para melhor - depois do SWU.

A maior verdade por trás de "God & Guns" é que os norte-americanos não pararam no tempo. Em "Vicious Cycle" (2003), um dos melhores discos do LYNYRD SKYNYRD desde o retorno do grupo em 1987, o que se percebeu foi uma evolução natural na sonoridade do conjunto, cada vez mais próxima do hard rock, mas sem abrir totalmente mão das raízes sulistas. O repertório de "God & Guns" renova essa tendência, mas com um quê comercial bastante evidente em faixas mais curtas e de melodias fáceis. Entretanto, os cerca de cinquenta minutos evidenciam ótimos momentos e toda a competência de Johnny Van Zant & Cia. para compor músicas interessantíssimas. Por mais que destoe um pouco do que os fãs mais saudosistas esperariam do LYNYRD SKYNYRD, o resultado do material é de encher os olhos.

O grupo trabalhou por quase dois anos em cima do álbum. Nesse período, o baixista Ean Evans e o tecladista Billy Powell - ambos faleceram em 2009 - contribuíram pela última vez com o LYNYRD SKYNYRD em estúdio. Outra despedida é a do ex-guitarrista Hughie Tomasson - esse falecido em 2007 - que ajudou a escrever uma das músicas mais marcantes de "God & Guns". Com o produtor Bob Marlette (ALICE COOPER e SEBASTIAN BACH), Johnny Van Zant (vocal), o trio Gary Rossington, Rickey Medlocke e Mark Matejka (guitarras), Roberto Kearns (baixo), Peter Keys (teclado) e Michael Cartellone (bateria) entraram em três diferentes estúdios dos Estados Unidos, juntamente com as cantoras de apoio Dale Krantz Rossington e Carol Chase para registrar cada detalhe sonoro de "God & Guns".

É no mínimo curiosa a forma com que "God & Guns" abre. A banda, que sempre optou por músicas animadas e divertidas para isso, escolheu a sublime "Still Unbroken" para iniciar o track-list. A música não só encerra com chave de ouro o ciclo de Hughie Tomasson com o conjunto como ainda fala muito sobre a própria história do LYNYRD SKYNYRD. A faixa é de arrepiar e deve ser citada com frequência pelos fãs como a favorita deles em "God & Guns". De outro lado, "Simple Life" é aquela típica música que celebra o 'southern way of life' - filosofia de vida abordada com certa insistência pela banda em todos esses anos. Embora seja uma faixa bastante agradável e que mal ultrapassa a marca dos três minutos, o resultado é apenas razoável. O grupo deixou sobressair um pouco de pop/rock, característica que não se mostra assim tão pertinente ao gênero southern/hard rock.

A característica mais marcante de "Vicious Cycle" (2003) reparece em diversos momentos de "God & Guns": as melodias marcantes das faixas mais pesadas. A música "Little Thing Called You" é a que melhor resume isso e funciona muitíssimo bem no contexto do álbum. Do mesmo modo, a cadenciada (e muito bonita) "Southern Ways" contribuiu decisivamente para que "God & Guns" se torne uma obra homogêna (pela qualidade) e heterogênea (pelo apanhado de diferentes sonoridades). Porém, a animada "Skynyrd Nation" é a faixa que corrobora para a teoria de que o LYNYRD SKYNYRD ainda tem muito cartucho para queimar. A única faixa nova executada no show da banda no Brasil é vibrante ao extremo e mostra o quanto ainda é decisivo o trabalho da dupla Rickey Medlocke e Johnny Van Zant para o sucesso do grupo.

De impacto menor se comparada com a sua antecessora - mas também importante para o contexto do álbum -, a cadenciada "Unwrite that Song" é outra bonita surpresa encontrada em "God & Guns". Com uma performance magnífica de Johnny Van Zant (às vezes me pergunto se ele não estaria em um nível acima - como cantor - do seu irmão Ronnie Van Zant), a música possui a mesma proposta de "Southern Ways", mas consegue ser ainda mais emotiva. Em seguida, "Floyd" pode ser rotulada como a faixa mais "estranha" do repertório. Com um peso recorrente e uma boa dose de obscuridade, a faixa conta com o convidado ROB ZOMBIE para dividir os vocais na hora do refrão. O resultado final pode até ser capaz de torcer o nariz dos mais saudosistas, mas a verdade é que o LYNYRD SKYNYRD tem mostrado competência ao agregar músicos do calibre de ROB ZOMBIE e de KID ROCK, que apareceu na faixa bonus de "Vicious Cycle" (2003), ao seu estilo mais clássico.

Com mais baladas do que costuma apresentar em seus discos, o LYNYRD SKYNYRD dá sequência em "God & Guns" com a acústica (e politicamente controversa) "That Ain't My America". O resultado atingido aqui pode não ser do mesmo nível de que em "Unwrite that Song", mas pelo menos a banda explorou a sua vertente mais roqueira em "Comin' Back for More", justamente para não deixar o disco perder todo o pique da sua primeira parte. No entanto, a faixa é igualmente mediana e acaba ofuscada por outro grande momento do álbum: a faixa-título "God & Guns". Com uma temática lírica que a aproxima dos anos setenta e de clássicos como "Gimme Back My Bullets" e "Saturday Night Special", a música destaca toda a capacidade técnica do trio de guitarristas, comandado pelo único remanescente da formação original, Gary Rossington.

O encerramento do disco não poderia ser em melhor estilo. A mediana "Storm" pode até passar batida, mas a emocionante "Gifted Hands" é certamente outro grande momento do álbum, ao lado de "Still Unbroken" e de "Skynyrd Nation". A música cadenciada - que conta com solos maravilhosos do trio Rossington, Medlocke e Matejka - é uma belíssima homenagem ao tecladista Billy Powell, que acompanhou o LYNYRD SKYNYRD do seu primeiro line-up em 1973 até a sua morte. Com músicas fortes e uma performance impecável de todos os integrantes, "God & Guns" é um item de peso na carreira de Johnny Van Zant & Cia., mesmo que pelo menos um quarto do track-list possa passar batido em um primeiro momento. A certeza que transparece aqui é a de que o LYNYRD SKYNYRD não ficou parado no tempo e possui ainda muita desenvoltura para absorver referências do hard rock mais atual em seu southern rock genuinamente setentista.

Track-list:

01. Still Unbroken
02. Simple Life
03. Little Thing Called You
04. Southern Ways
05. Skynyrd Nation
06. Unwrite that Song
07. Floyd
08. That Ain't My America
09. Comin' Back for More
10. God & Guns
11. Storm
12. Gift Hands


Outras resenhas de God & Guns - Lynyrd Skynyrd

Lynyrd Skynyrd: Southern Rock largado com um pé no HardLynyrd Skynyrd: muito abaixo do que a banda pode fazer




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lynyrd Skynyrd"


Fernando Haddad: após visitar Lula, ele canta Lynyrd Skynyrd em bar de CuritibaFernando Haddad
Após visitar Lula, ele canta Lynyrd Skynyrd em bar de Curitiba

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Lynyrd Skynyrd: banda espera tocar na América do Sul antes do adeusLynyrd Skynyrd
Banda espera tocar na América do Sul antes do adeus

Lynyrd Skynyrd: Gary Rossington faz cirurgia no coraçãoLynyrd Skynyrd
Gary Rossington faz cirurgia no coração

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Ultimate Guitar: os 100 melhores solos de guitarraUltimate Guitar
Os 100 melhores solos de guitarra

Solos de guitarra: 0s 10 melhores segundo a Classic Rock MagazineSolos de guitarra
0s 10 melhores segundo a Classic Rock Magazine


Lemmy: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininhaLemmy
A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista

Black Sabbath: About.com elege os 5 melhores álbuns da bandaBlack Sabbath
About.com elege os 5 melhores álbuns da banda

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

Rolling Stones: as 10 melhores segundo a... Rolling StoneRolling Stones
As 10 melhores segundo a... Rolling Stone

Ian Gillan: Eu era um idiota tão grande quanto RitchieIan Gillan
"Eu era um idiota tão grande quanto Ritchie"

Gigwise: site elege os 69 melhores vocalistas da históriaGigwise
Site elege os 69 melhores vocalistas da história


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336