Resenha - Set The World On Fire - Black Veil Brides

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 4

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Na ativa desde 2007, o norte-americano Black Veil Brides pode ser considerado novato na cena e um caso clássico de banda de Rock'n'Roll que dá mais atenção ao visual do que à música propriamente dita - não que boa parte do público se importe com esse detalhe, é claro. O fato é que, após a boa recepção diante do som pesado, moderno e 'clichezão' do debut "We Stitch These Wounds" (2010), o grupo assinou com a Lava / Universal Records para o lançamento de "Set The World On Fire", que está alcançando inúmeros países do globo.

Motley Crue: Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografiaR.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Mas, independente das declarações pretensiosas do jovem vocalista Andy Biersack, que fatalmente rasga todos os elogios sobre seu próprio trabalho, "Set The World On Fire" está longe de merecer tantos adjetivos positivos. A linha musical mudou consideravelmente, e a atual abordagem Hard / Heavy moderninha que oscila entre o alto-astral e o sofrido é forçada e inconsistente, tendo como melhor exemplo a balada "Saviour", tão emocionalmente atrofiada que chega a ser desconfortável.

Um dos grandes problemas é a insistência em se repetir os mesmos recursos - os manjados 'oh-oh-oooh!' batem os recordes! - por praticamente todas as composições. As primeiras faixas até funcionam e revelam um single muito bom, "Fallen Angels", mas tudo acaba se tornando um exercício de paciência para (tentar) segurar as atenções do ouvinte, monotonia que se acentua ainda mais na segunda metade do álbum, tal a dificuldade em criar uma real diversidade a partir de uma fórmula tão básica.

Contando com o novo e esforçado baterista Christian 'CC' Coma, "Set The World On Fire" soa artificial, ainda que tente se mascarar com todo o couro e maquiagem pesada com que o Kiss ou Mötley Crüe já fizeram tanto uso. Mas a diferença é óbvia... Ainda que cuidadosos com o aspecto visual, essas duas bandas aí se caracterizaram por criar verdadeiros hits em seus dias de glória, e ainda o fazem esporadicamente, enquanto o vulnerável Black Veil Brides está apenas engatinhando e tateando ao procurar o sucesso comercial diante da nova geração. Mas o caminho não é fácil, meus caros!

Contato:
http://bvbarmy.com
http://www.myspace.com/blackveilbrides

Formação:
Andy Biersack - voz
Jake Pitts - guitarra
Jinxx - guitarra
Ashley Purdy - baixo
Christian "CC" Coma - bateria

Black Veil Brides - Set The World On Fire
(2011 - Lava / Universal Records - importado)

01. New Religion
02. Set The World On Fire
03. Fallen Angels
04. Love Isn't Always Fair
05. God Bless You
06. Rebel Love Song
07. Saviour
08. The Legacy
09. Die For You
10. Ritual
11. Youth & Whisky


Outras resenhas de Set The World On Fire - Black Veil Brides

Black Veil Brides: Metalcore com sleaze, hard e glam




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Veil Brides"


Bateristas: os dez melhores em vídeo, com algumas surpresasBateristas
Os dez melhores em vídeo, com algumas surpresas

Metal: as bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheadsMetal
As bandas e sub-gêneros mais odiados pelos metalheads


Motley Crue: Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografiaMotley Crue
Vince Neil detona Sharon Osbourne em biografia

R.E.M.: banda é dona da faixa que mais faz o homem chorarR.E.M.
Banda é dona da faixa que mais faz o homem chorar

Linkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaLinkin Park
20 coisas que você não sabe sobre a banda

Motörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do SepulturaRafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioMarty Friedman: Por que ele largou o Megadeth para tocar J-Pop?Phil Anselmo: vocalista diz que odeia armas e explica o motivo

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.