Resenha - Licht - Die Apokalyptischen Reiter

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Antonio Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Avant-Garde, pitadas de Thrash, Folk e Death, mas na essência, o heavy metal. Esta pode ser uma aproximada classificação do que fazem os alemães do DIE APOKALYPTISCHEN REITER. Cantado inteiramente em alemão pelo carismático vocalista Fuchs, "Licht" é o sétimo lançamento da banda, que nos leva a uma jornada de criatividade característica destes alemães que, para quem conhece a discografia da banda, já não é surpresa.

Bullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron MaidenKiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 2008

Ao som da língua materna e com itens da tradição alemã, que legitima a referência ao folclore, atmosferas mais alegres e tristes transitam pelas faixas do disco. Um dos pontos fortes são os riffs e refrões empregados, adicionando-se também a competência vocal de Fuchs.

Os arranjos do álbum variam na maioria das faixas, sendo que temos peso e velocidade em faixas como "Es Wird Schlimmer" e "Wirsind das Licht", algo mais cadenciado como em "Der Elende" e até algo um pouco industrial (por incrível que pareça), como em "Adrenalin". Outras duas faixas que merecem destaque são "Heut' Ist Der Tag" e a faixa bônus "Ich Suche", que mostram um lado mais heavy metal unido a uma bela canção com bons arranjos e refrão marcante, respectivamente.

O álbum segue esta diversidade nas outras músicas, mas mesmo assim, no final, ficamos com a impressão de que talvez tenha faltado um algo a mais, pois em termos de produção e originalidade não ficou devendo nada.

"Licht" não é álbum para ser obra-prima do metal, como também não é para ser menosprezado, afinal de contas é uma missão ingrata fazer um sucessor com qualidade semelhante ao ótimo "Riders On The Storm", de 2006.

A banda sem dúvida é mais um nome importante da Alemanha no que se diz respeito ao Heavy Metal, um nome que (apesar de ser de difícil pronúncia) tem tudo para logo mais lançar grandes álbuns se seguirem esta mescla de elementos com a competência que possuem.

Faixas:

1 - Es Wird Schlimmer
2 - Auf Die Liebe
3 - Wir Sind Das Licht
4 - Nach Der Ebbe
5 - Adrenalin
6 - Der Elende
7 - Heut' Ist Der Tag
8 - Wir Hoffen
9 - Der Weg
10 - Ein Lichtlein
11 - Auferstehen Soll In Herrlichkeit
12 - Ich Suche (bônus)
13 - Adrenalin (Monstermix Version - bônus)

Formação:

Fuchs: vocal, guitarra
Lady Cat-Man: guitarra
Dr. Pest: teclado
Volk-Man: baixo
Sir G: bateria




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Die Apokalyptischen Reiter"


Bullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron MaidenBullet For My Valentine
Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden

Kiss FM: as 500 mais tocadas pela rádio em 2008Kiss FM
As 500 mais tocadas pela rádio em 2008

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana

Kiss: "Rock and roll é um trabalho para otários!"Maquiagem, spikes e sorrisos: conheça o Happy Black MetalGene Simmons: "Mandei o último caixão do Kiss para Dimebag!"Dave Mustaine: "a heroína consegue derrubar qualquer um"

Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.