Living Colour: Álbum traz a banda em plena forma

Resenha - Chair in the Doorway - Living Colour

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar Correções  

7


O LIVING COLOUR ficou conhecido por ser responsável pela fusão de vários estilos, graças à formação de seus músicos, advindos da escola do Jazz. Em 1988, mesmo com o Glam Metal e o Hard Rock dominando a cena musical da época, a banda lançou "Vivid", de onde saiu seu maior sucesso: a música "Cult of Personality".

Foi o ponta pé inicial para uma carreira de destaque, que rendeu ao grupo poucos discos lançados, mas milhares e milhares de fãs ao redor do mundo. O LIVING COLOUR ficou conhecido por sua autenticidade na mistura de elementos do Hard Rock, Jazz, Funk Music, Soul e Rock.

publicidade

Talvez ninguém esperasse mais álbuns de estúdio da banda, quando em 2009 foi lançado "The Chair in the Doorway". Após um hiato de 6 anos sem novas canções, o LIVING COLOUR retornou com este álbum, que traz nada mais além do que a banda em plena forma.

Para quem já é fã, é mais uma oportunidade de ouvir material inédito (lembre-se, são poucos discos lançados ao longo da carreira), como as músicas "Burned Bridges", "Behind The Sun" e "Young Man", amostras da sonoridade característica do LIVING COLOUR. Músicas que se ouve e se consegue identificar a presença de todos os instrumentos, tocados com a devida competência (outro bom exemplo disso é a faixa "Bless Those (Little Annie's Prayer))".

publicidade

Certamente não é um álbum que irá superar os discos "Vivid" e "Time’s Up", mas merece ser ouvido com atenção pelos fãs da banda. Agora se você não é fã e conhece pouco de LIVING COLOUR, corra atrás dos primeiros álbuns e ouça antes de chegar a "The Chair in the Doorway", para entender um pouco melhor o trabalho do grupo.

Apesar de apenas 11 faixas indicadas no encarte, há ainda duas músicas ocultas, uma sem título e outra chamada de "Asshole", valendo destacar que o álbum já tem sua versão nacional lançada há bastante tempo no Brasil, o que facilita a compra.

publicidade

Nacional – Megaforce Records

Banda:

Corey Glover – vocal
Vernon Reid – guitarra
Doug Wimbish – baixo
Will Calhoun – bateria

Track List:

1. "Burned Bridges"
2. "The Chair"
3. "Decadance"
4. "Young Man"
5. "Method"
6. "Behind the Sun"
7. "Bless Those (Little Annie's Prayer)"
8. "Hard Times"
9. "That's What You Taught Me"
10. "Out of My Mind"
11. "Not Tomorrow"
12. "Sem título" (faixa escondida)
13. "Asshole" (faixa escondida)

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chadwick Boseman: Mick Jagger, Slash e outros músicos lamentam morte do atorChadwick Boseman
Mick Jagger, Slash e outros músicos lamentam morte do ator


Anos 90: 10 shows pouco comentadosAnos 90
10 shows pouco comentados

Lista: os 25 melhores álbuns de rock lançados em 1990Lista
Os 25 melhores álbuns de rock lançados em 1990


Censura: 53 nomes que você não pode dizer em uma rádioCensura
53 nomes que você não pode dizer em uma rádio

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin