RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical


Almah: Não cabe aqui nenhuma comparação com o Angra

Resenha - Motion - Almah

Por Iza Rodrigues
Fonte: Menina Headbanger
Postado em 06 de outubro de 2011

Nota: 9

Com dois integrantes do Angra em sua formação, Edu Falaschi (vocal) e Felipe Andreoli (baixo), se você espera algo no mínimo similar, esqueça. O Almah tem sua própria identidade. Pesado e direto. Não cabe aqui nenhuma comparação. E ponto.

Depois do ótimo "Fragile Equality" (2008), as expectativas em cima do lançamento do "Motion" eram gigantes. O fato é que com uma mistura de Power, Prog e Thrash (yes!), o álbum surpreende a cada faixa, cada riff, cada solo, cada letra, cada urro. Afinal, músicos competentes, vocal agressivo, guitarras de 7 cordas em baixa afinação e letras que nos fazem pensar, não há como ser ruim.

Motion começa com a pesada "Hypnotized", onde logo de cara nota-se a mudança no direcionamento musical da banda. Em seguida vem "Living and Drifting", rápida, pesada, com refrão pegajoso e vocal agressivo. É impossível não imaginar o quão bem recebida ela será ao vivo. Quem só conhece Edu Falaschi cantando em altas notas no Angra, irá se surpreender certamente.

O CD segue com "Days of The New" e "Bullets On The Altar", cadenciada, com tema forte e talvez a letra mais bonita do disco. Trata do quão influenciáveis as pessoas podem ser e as atrocidades que são capazes de cometer em nome de algo que acreditam cegamente. Até onde a fé é saudável e benigna?

Impossível não ficar com o refrão de "Zombies Dictator" grudado na mente. Uma das músicas mais impactantes do disco, tem a participação de Victor Cutrale, vocalista do Fúria Inc., que somou ainda mais peso ao som. Um dos pontos altos do álbum.

Motion segue com "Trace Of Trait", já conhecida do público, foi a escolhida para ser o primeiro single e "Soul Alight" que começa com bumbo acelerado, numa pegada Death Metal, mas logo cadencia, aliás o trabalho é todo assim, um equilíbrio entre o pesado e o melódico, um contraste entra a agressividade e a calmaria.

"Late Night in '85" é uma balada que emociona não só por sua melodia cativante, mas também em saber que a letra trata de algo tão particular na vida de Edu Falaschi, o falecimento de seu pai. Melancólica, triste, porém cheia de força. É a próxima música de trabalho do "Motion".

"Daydream Lucidity" conta com a participação de Thiago Bianchi, vocalista do Shaman, e o álbum fecha com "When And Why", balada com uma pegada Country, muito gostosa de se ouvir e mostra o quão versátil é a voz de Edu Falaschi.

Eu poderia dizer que esse álbum é pesado, potente, destruidor, dentre outros adjetivos sinônimos, mas ele consegue ser ainda mais que isso. Ele é viciante e merece com certeza, várias audições.

A evolução em linguagem, temática e técnica é evidente. Sem dúvida alguma, o Almah chegou ao topo do Metal Nacional. Dispa-se de 'pré-conceitos' e apaixone-se! Movimente-se!

Almah - Motion (2011)
01 - Hypnotized
02 - Living And Drifting
03 - Days Of The New
04 - Bullets On The Altar
05 - Zombies Dictator (com Victor Cutrale - Fúria Inc.)
06 - Trace Of Trait
07 - Soul Alight
08 - Late Night in '85
09 - Daydream Lucidity (com Thiago Bianchi - Shaman)
10 - When And Why

Formação:
Edu Falaschi - Vocal (Angra)
Marcelo Barbosa - Guitarra (Khallice)
Paulo Schroeber - Guitarra (Astafix / Hammer 67)
Felipe Andreoli - Baixo (Angra)
Marcelo Moreira - Bateria (Burning in Hell)


Outras resenhas de Motion - Almah

Resenha - Motion - Almah

Resenha - Motion - Almah

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Helloween: Edu Falaschi em cover de "Eagle Fly Free"

Marcelo Barbosa: entre os guitarristas mais sensuais do mundo

Edu Falaschi: vídeo com a banda Mitrium em 1993


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Iza Rodrigues

Radialista formada, produtora, apaixonada por jornalismo cultural, paulistana, geminiana, mãe e Headbanger. Música boa pra mim, é aquela que faz os pêlos eriçarem, as memórias virem à tona, o pé balançar involuntariamente, os olhos encherem d'água. É aquela que surpreende. Pouco me importa o que a "cozinha" faz, se integrante X faz falta, comparações supérfluas e discussões inúteis no mundo do Metal. Música é pra ser sentida, e eu sinto!
Mais matérias de Iza Rodrigues.