Resenha - Retaliation - DarkTower

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Manter-se evolutivo e fiel ao estilo que começa delinear em seus primeiros ensaios é um enorme desafio para todas as bandas de Metal, uma vez que o gosto pessoal de cada um de nós se expande, e isso influencia o músico. Exemplos não faltam de bandas que largaram seus estilos e tentaram outros, pelos mais variados motivos possíveis. Não há o que recriminar, mas fica o questionamento dos fãs em relação ao abandono das raízes. Mas do outro lado, residem as bandas que, apesar da evolução, mantém suas essências firmes e fortes, doa a quem doer. E neste grupo está a banda carioca de Metal Extremo DARKTOWER, que retorna agora a ser enfocada em uma resenha, desta vez com seu novo Websingle, chamado 'Retaliation', que antecede o seu Full Length que deve estar disponível por volta do final do ano e se chamará '...Of Chaos and Ascension'.

DarkTower: capa, tracklist e data de lançamento de ObedientiaMuito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmea

O agora quinteto, já que o novo membro da banda, o guitarrista Makiavel, participou das gravações deste Websingle, mostra um trabalho ainda mais coeso que em seus dois trabalhos anteriores, e ainda mais evoluído, com belas melodias surgindo aqui e ali, mas sem perder a agressividade e peso tão característicos deles, fora as variações musicais e mudanças de andamento serem uma constante. Mas que o caro leitor não tente rotular a banda nesse ou aquele subestilo de Metal, pois é perda de tempo. Eu mesmo desisti e me contento com o melhor de tudo, que é ouvir e gostar.

A arte do trabalho é extremamente bem cuidada, de forma bem profissional (feito pelo batera Argos), e a produção sonora (feita pelo guitarrista Niccollo e pelo baixista Hanged nos Estúdios Pyroz) é limpa, mas pesada e que ressalta cada elemento que compõe a personalidade única da banda, em especial a bateria, que ficou muito bem sonorizada. É, esses caras não brincam em serviço quando o assunto é fazer um disco de primeira.

Abrindo o trabalho, temos a faixa 'Retaliation', que é uma faixa bem agressiva e rápida, apesar de mudanças de andamentos (tem alguns tempos quebrados aqui e ali) e melodias, e com muito uso de vocais variados, onde o dueto de guitarras da banda mostra estar muito bem afiado, e que base rítmica!

A segunda faixa é 'Blood Down the River', está não tão rápida quanto a anterior, mas muito empolgante e com melodias muito bem feitas, encaixadas e afiadas em especial nas guitarras), com vocais para lá de bem sacados, e que agradará ao público da banda e aos novos fãs, com toda certeza.

Sendo bem sincero, a banda com este trabalho, supera de longe os anteriores, o que nos deixa ansiosos pelo full length.

See the Rise!

Nota: A banda usa uma grafia personalizada em seu nome, pois se escreve 'DARKTOWER' com os dois nomes unidos, mas com o 'D' e o 'T' em maiúsculo.

Tracklist:
1 - Retaliation
2 - Blood Down the River

Formação:
Galf - Vocals and grunts
Niccollo - Guitars, support clean vocals and screams
Makiavel - Guitars and support screams
Hanged - Bass
Argos - Drums, lead clean vocals, support screams


Outras resenhas de Retaliation - DarkTower

DarkTower: Misturando estilos e criando harmonia em single




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dark Tower"


DarkTower: capa, tracklist e data de lançamento de Obedientia

Muito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmeaMuito antes do Led Zeppelin
A origem da guitarra gêmea

Sexo e Rock and Roll: músicas com conotação sexualSexo e Rock and Roll
Músicas com conotação sexual

Iron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversasIron Maiden
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Guitarristas: Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista FuzzNirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivoQueen: Paul Rodgers relembra de sua "insana" experiência com a bandaPearl: neta de Ozzy caracterizada como Princesa das Trevas

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adClioIL