Cannibal Corpse: Mais um clássico deste mito do Death Metal

Resenha - Kill - Cannibal Corpse

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma coisa não há como negar: O CANNIBAL CORPSE é a maior e mais bem sucedida banda da história do Death Metal. Se é ou não a melhor, isso depende do gosto pessoal de cada um. Mas chega a ser impressionante como uma banda que toca um estilo de som tão inacessível e que trata de temas, tanto visuais como líricos, tão perturbadores e doentios, consegue ser tão cativante e atrair uma legião de fãs tão fiéis como esse americanos conseguem.

Cannibal Corpse: clássico disco Torture é relançado em versão deluxe no BrasilDoom Metal: os dez trabalhos essenciais do estilo

A banda, que começou tocando um death metal mais "podrão", brutal e direto, evoluiu muito, atingindo um grau técnico de dar inveja a muitas bandas de metal progressivo, mas sem nunca perder toda a agressividade de suas composições. E "Kill", seu décimo álbum de estúdio, é mais um grande álbum, e já pode ser considerado um clássico em sua discografia.

Não, não temos nada tão brutal como a clássica "Hammer Smashed Face", ou tão técnico como "Frantic Disembowelment" neste disco. Também não é o melhor disco do CANNIBAL (álbuns como "Eaten Back to Life" e "Tomb of Mutilated" ainda continuam insuperáveis). Contudo, o grande segredo aqui é que a banda conseguiu mesclar com perfeição os elementos brutais e técnicos de sua música, atingindo um nível de qualidade excepcional.

Todos os músicos fizeram um trabalho exemplar neste CD. Pat O'Brian e Rob Barrett (que substituiu Jack Owens) criaram riffs e mais riffs ultra técnicos e agressivos, variando entre momentos mais rápidos e caóticos com outros mais cadenciados e perturbadores de forma incrível, além de realizarem solos muito bem executados. Paul Mazurkiewicz é um grande baterista, e consegue deixar toda a agressividade da banda ainda mais precisa e técnica. Já Alex Webster... bom... esse cara é um dos maiores baixistas da história, e não só do death metal, e neste trabalho mais uma vez consegue demonstrar todo o seu talento, com técnica e precisão que chegam a ser inacreditáveis. Por fim, George "Corpsegrinder" Fisher é uma verdadeira máquina de destruição, com seus urros potentes e agressivos, transmitindo toda a insanidade que este tipo de som requer.

O CD já abre quebrando tudo literalmente com a destruidora "The Time to Kill is Now", daquelas feitas para nos deixar o ouvinte com torcicolo por semanas. Na sequência vem a melhor faixa do trabalho, "Make Them Suffer" (confiram o clipe abaixo), com riffs a lá thrash metal, e com passagens muito cativantes. Um clássico imediato. Além destas, também merecem ser mencionadas as excelentes "Murder Worship", "Necrosadistic Warning" (com um refrão hipnotizante), "Death Walking Terror" (que também possui um clipe muito legal), "Brain Removal Device" e "Submerged in Boiling Flesh".

Além disso, a partir de "Kill", a banda deixou de lado capas com elementos gore/splatter, deixando-as bem mais simples, talvez para evitar os problemas de censura que todos os seus álbuns anteriores sofreram mundo afora. Contudo, a temática grotesca e repulsivas das letras continua.

Trata-se, pois, de mais um clássico deste mito do Death Metal mundial que é o CANNIBAL CORPSE, e merece estar presente em qualquer coleção. Portanto, se você ainda não conhece "Kill", corra já atrás do seu.

Kill - Cannibal Corpse
(2006 - Metal Blade Records - Importado)

Formação:
. George "Corpsegrinder" Fisher: vocal
. Pat O'Brien: guitarra
. Rob Barrett: guitarra
. Alex Webster: baixo
. Paul Mazurkiewicz: bateria

01. The Time to Kill is Now
02. Make Them Suffer
03. Murder Worship
04. Necrosadistic Warning
05. Five Nails Through the Neck
06. Purification by Fire
07. Death Walking Terror
08. Barbaric Bludgeonings
09. The Discipline of Revenge
10. Brain Removal Device
11. Maniacal
12. Submerged in Boiling Flesh
13. Infinite Misery



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cannibal Corpse"


Cannibal Corpse: clássico disco Torture é relançado em versão deluxe no BrasilCannibal Corpse: álbum "Torture" é relançado em versão deluxe no Brasil

Cannibal Corpse: este cara é muito mais fanático que vocêCannibal Corpse
Este cara é muito mais fanático que você

Metal Extremo: chocando os jurados em reality-showsMetal Extremo
Chocando os jurados em reality-shows

Cannibal Corpse: baterista fala sobre participação no Ace VenturaCannibal Corpse
Baterista fala sobre participação no Ace Ventura


Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Sociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teóricaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioMegadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz MustaineBlack Sabbath: os DEZ vocalistas que passaram pela bandaNirvana: Dave Grohl fala de quando mostrou uma canção sua para Kurt Cobain

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.