Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas


Stamp

Uriah Heep: O único adjetivo possível é "Surpreendente!"

Resenha - Into The Wild - Uriah Heep

Por Daniel Junior
Fonte: futebolmusicaetc
Em 20/04/11

Nota: 9

Surpreendente! Não há outro adjetivo para falar de "Into The Wild" o vigésimo terceiro albúm de estúdio da banda britânica no final dos anos 60, Uriah Heep. A formação da banda hoje só conta com um membro original, Mick Box, um dos vocais e guitarrista da banda desde 1969.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Into The Wild" esqueça a possibilidade de faixas que soem adequadas ao atual momento do rock. O rock tradicional britânico tem como principal característica não mexer na receita do bolo: não há misturas, influências ou referências ao presente.

É impressionante que a banda apresente um disco com tanto vigor e qualidade para quem gosta do bom e velho rock and roll.

Se você já teve oportunidade de escutá-lo e teve a impressão de estar escutando o Deep Purple em seus melhores momentos, você não está de todo errado. Afinal os riffs matadores e o hammond tradicional são a cama das faixas da banda que já teve dezenas de formações. Só de bateristas foram seis!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A banda não lançava material inédito desde 2008 - "Wake The Sleeper", pois "Celebration" (2009) na verdade trazia regravações de algumas canções do próprio UH. Portanto a banda praticamente não parou uma vez que lançou 22 albúns de estúdio!

A primeira faixa "Nail on the Head" é rock inglês 60/70 sem que a auto-referência seja uma cópia descarada daquilo que a banda londrina produziu nos últimos 40 anos. O que é um grande alívio para fã. Quem curte Deep Purple, Cream, Led Zeppellin achará a faixa um espetáculo. Lá estão todas as características: hammond, guitarra suja e bateria veloz.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois temos a impressionantemente jovem "I Can See You" no melhor estilo Deep Purple/The Who e aqui faço um pedido de desculpas ao leitor mas as semelhanças entre a banda de Gillan e Mick Box é muito grande. Talvez seja por isso, que embora com fãs no mundo inteiro, a sombra do Purple tenha sido maior que a necessária. Faixa com vocal grudento. Música fantástica.

Depois temos a faixa que dá título ao disco, com grande peso e intro hammond, no melhor estilo Jon Lord, aqui pilotado pelo hábil Phil Lanzon, músico experiente que já tocou em diversos projetos entre eles o Sweet e Lionheart. Acordes simples mais bastante envolventes. O vigor e a alegria do vocalista Bernie Shaw ajudam muito a faixa, mais uma vez destacanto as intervenções de Lanzon.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Money Talk" o peso setentista vai groveando por toda a faixa. Baixo "gordo" e "pesado". Sem qualquer espécie de exagero, parece que a banda está (re)começando sua carreira e é uma pena, que não tenhamos (ao menos no Rio de Janeiro) rádios que cedam espaço para bandas tradicionais e importantes para contarem a história do rock. Convenções mais uma vez muito semelhantes aos trabalhos do Purple em "Fireball" e "Machine Head". Parece que o tempo não passou. Mais uma faixa - como gostam de dizer e escrever - matadora. Final apoteótico.

"I´m ready" mostra todo o potencial da banda (e de Bernie Shaw) para comporem uma canção que não menospreza uma excelente melodia, bons vocais e um arranjo pesado. Curioso que ouvimos alguns discos contemporâneos que 'pretendem' ter o som sujo e grave para emularem uma atmosfera setentista. Nunca será a mesma coisa sem a presença de um hammond e de uma história que envolva uma banda que realmente pertenceu ao movimento setentista inglês, fundamental para o entendimento e prazer de quem gosta de rock. A banda realmente parece pronta para retornar com muita força ao cenário.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Trail of Diamonds" traz leveza e delicadeza para o disco. Até então pesado, somos envolvidos pelos falsetes e solfejos de Shaw, que a cada faixa surpreende pela versatilidade e por conta da tranquilidade com que entoa cada canção, sem fazer da sua voz um elemento destacado das canções mas sim parte da canção. Quando com 2:26 a canção se transforma, você tem plena certeza de que está escutando um grande disco de 2011. Embora uma faixa longa, não dá vontade de dar pause ou pular.

Agora temos "Southern Star". Não há nada de muito complicado na combinação dos arranjos do UH mas existe uma sofisticação nas camadas musicais. A banda soa muitas vezes como o Queen - e a comparação não é nenhuma heresia - com bons arranjos vocais, timbres bem colocados. O disco é muito pra cima e bem perceptível para ouvidos menos acostumados com o som cru de 30 anos atrás.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Believe" mantem o ritmo do disco com muito destaque para os teclados de Lanzon e o jeito "Toto" de fazer canções. Refrões com segundas vozes, guitarras muito agudas e peso. É a faixa com menos atenção recebida e talvez por isso a menor.

"Lost" é para você que gosta de fraseados conjuntos entre guitarra, baixo e teclado. As melodias escolhidas pela banda passam por um pleno bom gosto, porque o peso da canção não despreza em momento algum as possibilidades melódicas e vocais. Excelente faixa. Ouça como as frequencias médias/agudas de um hammond podem dar um ar assustador e fantástico a uma canção. Chover no mohado: mais uma grande faixa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A canção "T-Bird Angel" talvez seja a faixa mais "comum" do disco, mas vale a conferida por todo o ambiente e que não destoa em nenhum momento do conceito do disco.

Temos em seguida "Kiss of Freedom", mais um show de Bernie Shaw, com uma belíssima canção e um refrão apaixonante. Com arranjos muito condizentes com todo o disco, uma delicadeza e um serviço muito bem executado. A sinergia entre as faixas fazem com que o disco soe como uma enorme suíte. Destaque impecável (mais uma vez) para Phil Lanzon que "destrói" no solo final da canção.

O disco conta ainda com a faixa extra "Hard Way To Learn", uma quase balada do UH que trabalha com os mesmos elementos do disco, muito peso, hammond e um entrosamento muito próximo do ideal, entre melodias e harmonias.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Disco que entra fácil na lista de melhores lançamentos do ano. Uma enorme e agradável surpresa.

01. Nail on the Head
02. I Can See You
03. Into The Wild
04. Money Talk
05. Trail of Diamonds
06. Lost
07. Believe
08. Southern Star
09. I'm Ready
10. T-bird Angel
11. Kiss of Freedom
12. Hard Way to Learn (Bonus Track)

Twitter do Autor: @dcostajunior
Twitter do site: @aliterasom


Outras resenhas de Into The Wild - Uriah Heep

Resenha - Into The Wild - Uriah Heep

Resenha - Into the Wild - Uriah Heep

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

The Mentulls, no espírito "não custa tentar", manda recado para Uriah Heep




Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior.