Stryper: Qual é o objetivo da banda com este álbum?

Resenha - Covering - Stryper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Toral
Enviar Correções  

6


Álbum de covers é sempre algo que deixa qualquer ouvinte desconfiado. Afinal, ou a banda oferece mais do mesmo ou então parte para a recriação de clássicos a sua própria maneira. Definitivamente, entre estas duas alternativas, não há aquilo que podemos chamar de ideal. Ocorre que existem duas épocas bem diferentes. Antes dos anos 80 as bandas não tinham toda esta tecnologia disponível em estúdio, e em alguns casos a produção do material era sofrível – portanto, ótimo para covers. Já dos anos 80 em diante este cenário mudou muito, pois as bandas já dispunham de uma condição bem melhor para gravar, e os avanços tecnológicos nos estúdios já eram notáveis. Além disso, até a qualidade dos instrumentos e acessórios musicais fizeram muita diferença. Foi justamente nesta época que clássicos absolutos como "Breaking the Law" (JUDAS PRIEST), "The Trooper" (IRON MAIDEN), "Ain’t Talk About Love" (VAN HALEN) surgiram, e algumas perguntas passaram a fazer muito sentido. Se estes clássicos nasceram perfeitos, qual é a motivação para um cover? Há algo a acrescentar? Há algo que venha a revolucionar e nos fazer esquecer as versões originais que estão imortalizadas?

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

David Bowie: a última foto pública e a última foto privada

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Neste âmbito o STRYPER nos apresenta um álbum repleto de covers para todos os gostos que foi lançado em 15 de fevereiro de 2011.

É interessante notar que sendo uma banda cristã, seria de se estranhar que o STRYPER demonstrasse versões para clássicos de bandas seculares. Mas é que o STRYPER foi uma das poucas – bem poucas – bandas cristãs que tocou com bandas seculares em eventos ao redor do mundo. Sem contar que, sendo um legítimo representante do hard rock, é natural que estes covers apresentem a formação musical da banda, fato confirmado pelo vocalista Michael Sweet.

A grande questão é entender a motivação do álbum, porque não há nada demais nele. Há bons momentos, mas não se acrescenta nada que falte nas versões originais, e em alguns casos chegam a mutilar algumas músicas. Este é o caso de "Over the Mountain" (OZZY), onde o riff principal ficou irreconhecível, sem contar que cometeram um sacrilégio imperdoável no solo da música, que é o seu maior atrativo na versão original advinda do mestre Rhandy Rhoads – chega a ser enfadonha.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em outros casos, oferecem mais do mesmo como em "Black Out" (SCORPIONS), "Lights Out" (UFO), "Shout It Out Loud" (KISS), Breaking the Law" (JUDAS PRIEST) e "Heaven and Hell (BLACK SABBATH). Isso sem contar que a versão para "Immigrant Song" (LED-ZEPPELIN) é horrível, resultado semelhante ocorre com "Carry On Wayward Son" (KANSAS).

No entanto, nem tudo esteve perdido, pois temos versões bem empolgantes para "The Trooper" (IRON MAIDEN) e "Highway Star" (DEEP-PURPLE), onde a banda manteve intacto o genialismo de Ritche Blackmore no solo – deveria ter feito isso em "Over the Mountain" (OZZY).

Resultado satisfatório também tivemos em "Set me Free" (SWEET) e "On Fire" (VAN HALEN), onde o único problema é a interpretação de Michael Sweet para um estilo vocal tão diferente do seu – David Lee Roth -, mas que não compromete tanto. Já "God" fecha o álbum e é a única composição própria do STRYPER para este trabalho, e sem dúvidas trata-se de uma excelente música que lembra bastante o clima de "In God We Trust", com menos empolgação, porém, muito interessante.

Enfim, um álbum apenas mediano, mas que mostra claramente o poderio vocal do Michael Sweet, que se sai muito bem cantando estilos vocais bem diversos.

Conhece aquela história de bandas que dizem querer apenas homenagear seus ídolos, mas que na verdade estão é cumprindo a cota de álbuns com a gravadora? Pois é, é isso que "The Covering" dá a entender.

1. Set Me Free (Sweet)
2. Blackout (Scorpions)
3. Heaven and Hell (Black Sabbath)
4. Lights Out (UFO)
5. Carry On My Wayward Son (Kansas)
6. Highway Star (Deep Purple)
7. Shout It Out Loud (Kiss)
8. Over The Mountain (Ozzy Osbourne)
9. The Trooper (Iron Maiden)
10. Breaking The Law (Judas Priest)
11. On Fire (Van Halen)
12. Immigrant Song (Led Zeppelin)
13. God (Stryper)


Outras resenhas de Covering - Stryper

Resenha - Covering - Stryper




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

David Bowie: a última foto pública e a última foto privadaDavid Bowie
A última foto pública e a última foto privada


Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline WhipDin