Arcade Fire: Revelação dos 2000 para os amantes do rock

Resenha - Funeral - Arcade Fire

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar Correções  


Ganhadores do prêmio Grammy de 2010 pelo álbum The Suburbs, como melhor disco do ano, o enorme grupo canadense Arcade Fire nem sempre contou com um grande reconhecimento ou com a produção de Markus Dravs, responsável por Brian Eno e Björk. Em 2004, eles entravam na indústria do rock alternativo com "Funeral", que foi todo criado e gravado pela própria banda. Na época, eles possuíam cerca de 15 pessoas envolvidas apenas com o som do álbum.

Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalOops!: 10 erros eternizados em gravações de clássicos

Formados pelo casal Win Butler e Régine Chassagne, os músicos do Arcade Fire fogem da tradição do rock´n´roll - baixo, guitarra e bateria - e abusam de instrumentos como violino, violoncelo, orgão, sintetizador, harpa e outros ainda mais exóticos para o estilo, como a trompa. O assunto do primeiro disco da banda também é algo fora do normal para grupos iniciantes. "Funeral" foi gravado em homenagem aos avós dos integrantes, falecidos na época. E, ao contrário de um velório repleto de sofrimento, as músicas narram uma visita ao que há de melhor na vida.

A sequência de faixas com o nome "Neighborhood" falam sobre acontecimentos pessoais e históricos que envolveram os parentes do Arcade Fire, como o projeto russo que enviou uma cachorra chamada Laika ao espaço. Crown of Love passa pelas mazelas do amor e da lembrança, enquanto Rebellion (Lies) é um hino sobre o discurso dos velhos e dos novos e de como ambos são alienantes.

No entanto, apesar de temas contraditórios e melancólicos, o CD soa como uma mensagem positiva sobre a morte. "In The Backseat" encerra o material mostrando que, uma hora, precisamos sair do banco de trás do carro e assumir o controle de nossas vidas, sem depender de nossos pais. Porém, a vocalista frisa: "I like the peace / In the backseat".

A maior mensagem desse álbum de estréia está na primeira música. As letras falam de como esquecemos os nomes de quem amamos e de como os nomes perdem sentido com o tempo, assim como uma vida inteira. O transitório é bem retratado, acompanhado de um instrumental consistente em bases de variados instrumentos. O ouvinte vai vibrar com a guitarra em batidas ritmadas e até com o violino que dá uma atmosfera fluída para as canções. É, definitivamente, uma revelação dos anos 2000 para os amantes do rock.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Preços: quanto custa para contratar a sua banda favoritaPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita


Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

Oops!: 10 erros eternizados em gravações de clássicosOops!
10 erros eternizados em gravações de clássicos


Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin