Dalriada: Grandiosa e poderosa atmosfera épica e medieval

Resenha - Ígéret - Dalriada

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Renato Trevisan
Enviar Correções  

9


Falar sobre Dalriada é chover no molhado, já que banda é um exemplo de competência e criatividade dentro do mundo Folk. A banda se utiliza de melodias pesadas, arranjos épicos e folclóricos aliados aos vocais poderosos e precisos da lindíssima Laura Binder, fazendo com que o som do grupo Húngaro seja único e incrível. Além da vocalista, as letras cantadas em Húngaro dão um charme a mais a banda, tanto que o nome de seus álbuns são os meses do ano em Húngaro antigo, logo "Ígéret" significa "maio". (:

Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóVan Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

"Ígéret", lançado dia 12 desse mês, pela AFM Records, é o quarto álbum lançado pela banda após a mudança de nome ocorrida em 2007 e, novamente, traz todas as características do grupo, mas dessa vez notamos algumas mudanças nas estruturas e solos - principalmente os de teclado, que ficaram "alá Dream Theater" - de algumas canções, principalmente na segunda música, onde temos um solo muito estranho, e parece mais uma música Country do que Folk Metal em si. Mas fora isso, os elementos Folk trazem a tona uma grandiosa e poderosa atmosfera épica e medieval que perduram durante toda a audição, com passagens extremamente envolventes.

Os vocais são extremamente bem encaixados, com duetos incríveis por parte de Laura e András Ficzek -guitarrista da banda - ou com os guturais de Tadeusz Rieckmann - baterista. O contraste entre a voz doce de Laura com os vocais masculinos e mais agressivos são algo que chamam a atenção desde o primeiro lançamento da banda, além dos coros épicos que entoam refrões incríveis, transbordando inspiração e toda aquela "magia" que o Folk Metal tem. Já o instrumental do grupo é perfeito, guitarras muito bem entrosadas, sempre pesadas mas melódicas, que aliada aos teclados, ajudam a compor a atmosfera das canções. Já a cozinha é destruidora, principalmente a bateria, que esbanja técnica e groove.

Acho que temos aqui, um forte candidato a melhor álbum de 2011, com banda e produção impecáveis. Eu poderia escrever páginas e mais páginas apenas tecendo elogios ao Dalriada, mas é melhor que vocês escutem e comprovem por si só. Em suma, uma aula de como se fazer música de qualidade, onde ritmo é contagiante e poderoso.

Intro - 02:43
Hajdútánc - 04:59
Hozd el, Isten - 04:33
Mennyei Harang - 06:17
Ígéret - 04:37
Igazi Tûz - 04:42
Kinizsi Mulatsága - 04:19
A Hadak Útja - 06:41
Leszek A Csillag - 05:50
Leszek A Hold - 06:14
Outro - 00:50

Line-up:
Laura Binder - Vocals
András Ficzek - Vocals, Guitars
Mátyás Németh Szabó - Guitars
István Molnár - Bass
Barnabás Ungár - Keyboards, Backing Vocals
Tadeusz Rieckmann - Drums, Harsh Vocals

Session / guest musicians:
Jonne Järvelä - Vocals (Korpiklaani)
Attila Fajkusz - Violin, Tambourine
Gergely Szõke - Viola, Lute
Ernõ Szõke - Doublebass

Fonte:
http://ocaralhoa4.blogspot.com/




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o NirvanaVan Halen
O constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana


Sobre Renato Trevisan

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin