Kiske/Sommerville: Tudo óbvio, padrão, mediano demais

Resenha - Kiske/Sommerville - Michael Kiske e Amanda Sommerville

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Eu gosto do Michael Kiske. De verdade. Posso até dizer, sem medo de ser feliz, que ele é um dos meus ídolos pessoais. E não gosto só do cara cantando heavy metal no Helloween, no Place Vendome, no Avantasia e nos mais de trocentos outros discos e/ou projetos dos quais ele participou. Isso ele faz muito bem, isso a gente já sabe. Ok, estou aqui babando pelo Unisonic. Mas eu também gosto bastante da carreira-solo dele, em especial dos últimos discos, aqueles mais folk rock acústico, mais intimistas, menos porradaria e mais bonitinhos, menos fúria e mais emoção. É a prova de que o nosso gogó de ouro alemão é versátil e consegue performances incríveis mesmo quando não está tentando alçar os mais impressionantes agudos.
5000 acessosFotos de Infância: Bon Scott, do AC/DC5000 acessosSlash: uso excessivo de drogas chocou David Bowie

Já se convenceu de que eu gosto de verdade do Michael Kiske? Que bom. Então espero que este preâmbulo sirva como referência para que você entenda o quanto eu me decepcionei com “Kiske/Sommerville”, álbum no qual ele grava em parceria com a igualmente talentosa Amanda Sommerville, velha conhecida de quem curte power metal/metal melódico.

Há quem brinque que este disco é uma reunião dos convidados especiais mais freqüentes da história do heavy metal. Quando não tem um num disco, tem o outro. E não são raras as vezes em que estão os dois. Pode ter lá o seu fundo de verdade. Mas isso não invalida o talento de ambos como vocalistas, duas das vozes mais apaixonadas e apaixonantes do rock pesado. E tê-los trabalhando juntos, em duetos? O conceito é muito legal. Mas, conceitualmente, “Kiske/Sommerville” já vai por água abaixo justamente por deixar a coitada da moça de lado.

Senhoras e senhores, se este era para ser um disco de uma dupla, por que raios mal se ouve a interpretação da Srta. Sommerville? Apesar de dar nome ao álbum, Amanda Sommerville é sumariamente deixada de lado, já que Kiske assume o papel de estrela principal. Sim, ele é muito mais conhecido do que ela. Mas não é para tanto. Isso fica claro e nítido já na faixa de abertura, “Nothing Left to Say”, metal melódico com ares de Helloween e no qual a voz feminina atua como nada mais do que uma backing vocal de luxo. São raríssimos os momentos como os da faixa bônus “Set a Fire”, na qual Amanda assume o comando de uma power porradaria que deixaria Tuomas Holopainen morrendo de inveja.

O outro ponto fraco de “Kiske/Sommerville” são justamente as composições, em sua maioria cortesia do produtor Mat Sinner, baixista do Primal Fear, que aqui também integra a banda do projeto na mesma posição. As interpretações de Kiske e Sommerville estão boas? Claro que sim. Impossível apagar a força dos dois – mas é possível deixá-los sem o devido respaldo, sem o devido frescor, se você os coloca para cantar em uma coleção de faixas genéricas, repetitivas, que se parecem com um milhão de coisas que os fãs do estilo já ouviram antes. A fofinha “Silence” é uma canção interessante? É. Assim como são “If I Had a Wish” e “Devil in Her Heart”, com um riff de guitarra encorpado, a cargo de Magnus Karlsson. Mas nenhuma delas é uma música que te pegue pelos cabelos e te faça gritar “uau” – como aconteceu comigo, por exemplo, assim que ouvi o primeiro disco do Place Vendome, apenas para citar uma outra bolacha com a voz de Kiske.

Em “Kiske/Sommerville”, é tudo bem produzido, bem ensaiado e bem colocado. Mas também é tudo óbvio, padrão, mediano demais, um tanto mecânico até. Falta aquela pegada, aquela emoção, aquele fogo. Com Kiske e Sommerville dividindo um microfone, era de se esperar uma explosão sonora – que, repito, nem precisava ser uma explosão sonora heavy metal. Podia ser algo mais acústico, mais na linha do que se ouve nos últimos trabalhos do nosso vocalista afamado. Simplesmente não funciona.

O mestre Kiske merecia mais. Amanda Sommerville também. E os fãs, com certeza, mereciam bem mais do que isso.

Tracklist
1. Nothing Left To Say
2. Silence
3. If I Had A Wish
4. One Night Burning
5. Arise
6. End Of The Road
7. Don't Walk Away
8. Devil In Her Heart
9. Rain
10. A Thousand Suns
11. Second Chance
12. Set A Fire (bonus track)

Line-Up
Michael Kiske - Vocal
Amanda Somerville - Vocal
Mat Sinner - Baixo
Magnus Karlsson - Guitarra, Teclados
Sander Gommans - Guitarra
Martin Schmidt - Bateria
Jimmy Kresic - Teclado

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Michael Kiske"

HelloweenHelloween
Reunião com Michael Kiske e Kai Hansen, 1º show será no Brasil

HelloweenHelloween
Do que Michael Kiske se arrepende?

Álbuns DecepcionantesÁlbuns Decepcionantes
Os 5 que mais deixaram a desejar em 2015

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Michael Kiske"0 acessosTodas as matérias sobre "Amanda Somerville"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Bon Scott, do AC/DC, muito antes da fama

SlashSlash
Confissões sobre drogas chocaram David Bowie

Dream TheaterDream Theater
Baterista Mike Portnoy revela seus 10 álbuns favoritos

5000 acessosBreast of the Beast: Miley Cyrus paga peito com Iron Maiden5000 acessosIron Maiden: Nicko McBrain fala sobre conversão ao cristianismo5000 acessosHeavy Metal: 25 bandas que fizeram o gênero ser o que é4062 acessosGene Simmons: "Tenho inveja de Deus. Eu quero tudo!"4368 acessosBruce Dickinson: "Poucas vezes na vida podemos fazer parte de algo realmente grande"5000 acessosMarilyn Manson: eleito o artista mais assustador do mundo

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online