Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


PRB

Mad Season: Layne Staley em um álbum "irrotulável"

Resenha - Above - Mad Season

Por Thiago Pimentel
Em 17/01/11

Nota: 10

O "MAD SEASON" foi um "supergrupo" de músicos emergentes, da famosa cena grunge em Seattle. Cena esta que, no começo da década de 90, dominou as rádios exportando bandas para todo o mundo.

Publicado originalmente em hangover-music.blogspot.com

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lançado no que seria o fim de tal "era" (1995), "Above" foi o único álbum do grupo composto por nomes como: Layne Staley (ALICE IN CHAINS), Mike McCready (Pearl Jam), Barret Martin (SCREAMING TREES) e John Baker Saunders (THE WALK ABOUTS). Achou pouco? Mark Lanegan (SCREAMING TREES) empresta seu característico vozeirão para duas canções do disco ("Long Gone Day" e "I'm Above"), completando um time impressivo para qualquer admirador do estilo.

O álbum inicia com a longa e envolvente "Wake Up". A típica música que vai crescendo aos poucos, e que, apesar do ótimo instrumental, chama mais atenção pela interpretação de Layne - totalmente com alma, triste e com sentimentos. Quando você menos perceber, será envolvido pela serena linha de baixo, que cresce até a música se tornar um grande desespero - no bom sentido. Encerra com um final tão calmo quanto seu início. Grande faixa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tenho que apontar um grande trunfo do álbum logo no início desta resenha: o fato de "Above" ser "irrotulável". O experimentalismo predomina na maioria das canções, cujos estilos variam constantemente. Há desde momentos blues e hard rock, até horas de pura viagem acústica, por exemplo. "Long Gone Day" - oitava faixa e um dos singles do disco - exemplifica isso. A canção é baseada num incrível dueto entre Staley e Mark Lanegan, com um envolvente clima acústico que é completado por uma ótima percursão. O uso de sax também chama atenção, com um excelente solo no meio da música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outra que enfatiza o experimentalismo é "Artificial Red", porém com as experimentações evidenciando a veia blues dos músicos, com uma grande performance de Layne nos vocais e McCready na guitarra. "Artificial Red" prova a incrível versatilidade de ambos, com várias seções que parecem ter vindo de improvisos. Com certeza, um dos destaques do álbum.

Mais experimentalismos? A penúltima canção, "November Hotel", é uma instrumental de 7 minutos e pura loucura psicodélica. Parece que veio do espaço. O que falar da guitarra dessa música? Carregada de efeitos e variações fantásticas. Seria injustiça não comentar a incrível "cozinha" formada por John e Barret, que complementam essa grande "viagem". A música que encerra o disco ("All Alone") soa como uma grande continuação dessa faixa - mantendo o clima psicodélico -, com a adição de uma espécie de mantra ("All alone...We're all alone..."), que enfatiza o clima de desespero do registro em seu encerramento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Saindo das "viagens" para o lado mais pesado, direto e, talvez, grunge do disco, temos a ótima "I Don't Know Anything" - com um grande e incrivelmente pesado riff de guitarra (que anos mais tarde "apareceu" em "Slave", do "SILVERCHAIR") - e "Lifeless Dead" - com um riff não tão pesado, mas igualmente grudento. Ambas figurariam facilmente em algum disco do "ALICE IN CHAINS". Já "X Ray Mind" - segunda música do álbum - consegue reunir o lado experimental com a pegada mais direta das outras duas canções citadas.

Por fim, sobram duas grandes músicas: "River of Deceit" - o principal single do álbum, com um clipe bem rodado - e "I'm Above". A primeira soa como uma irmã perdida de "Nutshell", do "ALICE IN CHAINS": é igualmente melancólica, bonita e envolvente. "I'm Above" - que possui Lanegan nos vocais - mescla momentos mais lentos com uma certa dose de agressividade, conta com um dos melhores refrões do álbum e um belo solo de violão. Liricamente, o disco é bem linear, seguindo uma temática soturna e depressiva. As letras de "River of Deceit" resumem bem a obra nesse aspecto, por exemplo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A melancolia vista nas músicas do álbum é facilmente explicada pelo momento que os músicos da banda passavam: o "Mad Season" fora formado por McCready e John Baker, quando ambos se conheceram num centro de reabilitação. Some o fato de Layne Staley se afundar cada vez mais em heroína, por exemplo. Anos mais tarde, tanto Staley quanto Barker faleceram por overdose.

Infelizmente, o mundo nunca chegou a ver o prometido segundo álbum do "MAD SEASON", e até mesmo os shows foram escassos: apenas uma turnê no ano de lançamento do debut. Talvez todos esses fatos tornem "Above" mais único, especial. Uma das maiores obras-primas - infelizmente não tão reconhecido - que a cena grunge já produzira, sendo resultado da união de músicos talentosos e uma prova que supergrupos podem dar certo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Formação:
Layne Staley - vocais
Mike McCready - guitarras
John Baker Saunders - baixo
Barrett Martin - bateria

Participações:
Mark Lanegan - vocais em "Long Gone Day" e "I'm Above"
Nalgas Sin Carne - saxofone e percursão em "Longe Gone Day"

Tracklist:
1. "Wake Up" – 7:38
2. "X-Ray Mind" – 5:12
3. "River of Deceit" – 5:04
4. "I'm Above" – 5:44
5. "Artificial Red" – 6:16
6. "Lifeless Dead" – 4:29
7. "I Don't Know Anything" – 5:01
8. "Long Gone Day" – 4:52
9. "November Hotel" – 7:08
10. "All Alone" – 4:12


Outras resenhas de Above - Mad Season

Resenha - Above - Mad Season

Resenha - Above - Mad Season

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Screaming Trees e QOTSA: morre aos 57 anos o vocalista Mark LaneganScreaming Trees e QOTSA: morre aos 57 anos o vocalista Mark Lanegan


Pearl Jam: Mike McCready fala sobre convivencia com a doença de Crohn

Top 10: Por que o grunge não está morto?



Sobre Thiago Pimentel

Tenta, desde meados de 2010, escrever textos que abordem as vertentes da mais peculiar - em seu ponto de vista - manifestação artística do ser humano, a música. Para tal, criou o blog Hangover-Music e contribui no Whiplash.Net. Além disso, é estudante de jornalismo, guitarrista e acredita que se algum dia o Deus metal existira, ele morreu em 13/12/2001.

Mais matérias de Thiago Pimentel.