Mr. Big: Grande volta da formação clássica aos estúdios

Resenha - What If... - Mr. Big

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Marcando a volta da formação clássica do MR. BIG, “What If...” é o primeiro disco da banda em aproximadamente 10 anos – lançado no final de 2010, no Japão, e no início de 2011, no resto do mundo. Como os outros grandes conjuntos de hard rock que estão voltando, o MR. BIG tenta também regressar ao passado para trazer todas as sonoridades que compõem seu estilo. Assim, estão presentes o virtuosismo de Paul Gilbert, a habilidade de Billy Sheehan, a versatilidade de Eric Martin nos vocais e a precisão de Pat Torpey na bateria.
1157 acessosMr. Big: "Pat Torpey é essencial para o som vocal da banda"5000 acessosDavid Coverdale: Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

A primeira faixa é a excelente “Undertow”, já conhecida por ter sido apresentada em um single e em um videoclipe prévios ao disco. Essa abertura ressalta justamente o vigor e a emoção presente nos vocais precisos de Eric Martin, bem como a criatividade de Paul nas bases e nos solos. Em seguida, “American Beauty” conta com uma base mais solidificada no baixo e explora uma fusão de um rock mais acelerado e de um instrumental mais clássico do início dos anos 80, presente também na misteriosa “Nobody Takes The Blame”.

“Stranger In My Life” é uma balada convencional, que peca por se basear apenas na voz de Eric Martin, sem o refino que diferencia o MR. BIG de outras bandas de rock. Por outro lado, “Once Upon A Time” traz peso nos instrumentos e um groove em seu andamento, resultando em uma faixa muito interessante, oposta à anteriormente mencionada. Na sequência, “As Far As I Can See” é outra faixa muito boa e traz um lado mais funky, coroado com um belo refrão, muito bem trabalhado e pegajoso.

“I Won’t Get In My Way” novamente investe em firulas de todos os músicos e, acelerando sobre a harmonia do refrão, cria um hard rock contemporâneo muito bem concebido. Paul Gilbert se rende a esse estilo ainda em “I Get The Feeling” que, com um vocal mais contido e cuidadoso de Eric, revisita também um pouco do blues.

“Still Ain’t Enough For Me” e “Around The World” são embaladas intensamente pela bateria e pelo baixo, sendo, na primeira, sucedidos por um vocal mais grave e rápido, e por uma série de improvisações, enquanto que, na segunda, a criatividade vai fluindo pelos instrumentos com a crescente faixa. Por fim, “Kill Me With A Kiss” encerra a audição reunindo, em uma faixa animada, o bom trabalho em equipe que a banda logra nessa reunião, com os instrumentistas, sem exceção, muito inspirados em uma canção bem intrincada.

Portanto, pode-se dizer que “What If...” é uma boa tentativa de reviver a glória do MR. BIG, sendo um lançamento que realmente nos reaproxima de tudo que o conjunto já buscou em sua bem sucedida carreira. No entanto, em determinados momentos, as canções excedem um pouco e parecem se tornar meras experimentações, com pouco compromisso com a melodia. Esse experimentalismo garante faixas muito distintas entre si e, por isso, o álbum não enjoa. Em contrapartida, nesses momentos, a banda foge um pouco do hard rock que o grupo mostrou saber fazer ao longo do tempo e em “All The Way Up” e “I Won’t Get In My Way”, por exemplo. Nas faixas em questão, percebe-se o vocalista à frente, enquanto os instrumentos o servem, enriquecendo a melodia. “As Far As I Can See” e “Once Upon A Time” são complexas, bem compostas, mas passam um pouco do ponto.

Apesar disso, esses aspectos levantados são também subjetivos, fruto de uma prévia expectativa ao se ter o álbum em mãos. É também compreensível tal posicionamento por parte dos músicos que, com mais bagagem acumulada ao longo desses anos de separação, têm agora um horizonte ainda maior para explorar. No geral, um grande disco, recomendado aos fãs do rock bem feito, que foge da mesmice. Boa sugestão para iniciar bem o ano de 2011.

Integrantes:
Eric Martin - vocais
Paul Gilbert - guitarra
Billy Sheehan - baixo
Pat Torpey - bateria

Faixas:

1. Undertow
2. American Beauty
3. Stranger in My Life
4. Nobody Takes The Blame
5. Still Ain't Enough For Me
6. Once Upon A Time
7. As Far As I Can See
8. All the Way Up
9. I Won't Get In My Way
10. Around The World
11. I Get The Feeling
12. Kill Me With A Kiss

Gravadora: Frontiers Records

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

1157 acessosMr. Big: "Pat Torpey é essencial para o som vocal da banda"1085 acessosMarcos de Ros: Mr. Big, desafiando a doença de Pat Torpey888 acessosMr. Big: ouça "Forever And Back", faixa do novo álbum303 acessosRichie Kotzen por Márcio Guerra Canto: viagem leve e engraçada1078 acessosMr. Big: ouça a nova música "Mean To Me"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mr Big"

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

Paul GilbertPaul Gilbert
Meu impacto no mundo da guitarra é menor que pensei

"Farewell""Farewell"
10 bandas que fizeram turnê de despedida, mas voltaram

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Mr Big"

David CoverdaleDavid Coverdale
Em 1974, o Deep Purple Expulsou o ACDC do palco

Olavo de CarvalhoOlavo de Carvalho
Segundo ele, o Heavy Metal emburrece

Courtney LoveCourtney Love
"Essa música é sobre minha vagina, sabia?"

5000 acessosTwisted Sister: segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista5000 acessosSlipknot: Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado5000 acessosScorpions: 20 situações que identificam um fã da banda5000 acessosSkid Row: Sebastian Bach de volta? Nem passou pela cabeça deles!3952 acessosMotorhead: os álbuns da banda, do pior para o melhor

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online