Ragnarok: uma banda que não precisam inovar em nada

Resenha - Collectors Of The King - Ragnarok

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


O Ragnarok, por mais que tenha liberado bons registros desde que surgiu na Noruega, em 1994, nunca recebeu a devida atenção por parte do público blackbanger. De qualquer forma, ao longo dos anos a horda sempre foi trabalhando nas sombras e, mesmo atormentada por muitas mudanças em sua formação, não perdeu a capacidade de criação ou deixou a qualidade de sua Arte cair – a Música sempre falou por si, negra e profana.

Atualmente o único remanescente fundador é o baterista Jontho, e "Collectors Of The King" marca o retorno do Ragnarok ao cenário depois de seis longos anos desde seu último registro, "Blackdoor Miracle". Este sexto álbum, como não poderia deixar de ser, apresenta tudo o que se espera do estilo, e na forma mais pura. Pode esquecer os manjados elementos sinfônicos ou qualquer outro artifício épico que interfira ou minimize o ímpeto violento que move sua capacidade de expressão.

publicidade

Do começo ao fim os noruegueses descarregam um verdadeiro arsenal de riffs velozes e blast beats em intensidade estonteante, sendo que, em várias ocasiões, todo o extremismo consegue avançar pelos lados do Death Metal propriamente dito. Mas, como é frequente e proposital em tantos casos no Black Metal, "Collectors Of The King" possui mudanças de andamento por vezes tão sutis, e que duram tão pouco, que a impressão é a de repetição. E essa é a sensação geral que os não-iniciados ao estilo terão em comum.

publicidade

Mas que fique claro que essa ausência de uma variação mais aprofundada é uma das características do Black Metal, e que por aqui possui a coerência necessária para gerar composições de impacto como a ótima "In Honour Of Satan" e a própria faixa-título, ambas com grandes riffs e linhas melódicas muito boas, ou ainda "The Ancient Crown Of Glory", que pulveriza o que estiver próximo das caixas de som.

publicidade

Quanto às letras de teor satânico e barato, vomitadas de forma amarga... Oras, quem se importa? Existem algumas bandas que não precisam inovar em nada, e o Ragnarok aí se encaixa, e nunca dando sinais de abrandar o ódio de sua proposta. Com dez faixas em aproximadamente 40 minutos de incessante barulheira e uma ilustração de capa entre as mais bonitas do ano, "Collectors Of The King" é indicado somente aos que apreciam Heavy Metal extremo e devidamente concentrado na velocidade. Um bom trabalho!

publicidade

Contato:
http://www.ragnarokhorde.com
http://www.myspace.com/ragnarok

Formação:
Hans Fyrste - voz
Brigge - guitarra
Decepticon - baixo
Jontho - bateria

Ragnarok - Collectors Of The King
(2010 / Regain Records - nacional)

publicidade

01. Resurrection
02. Stabbed By The Horns
03. Burning The Earth
04. In Honour Of Satan
05. Collectors Of The King
06. Eternal Damnation
07. The Ancient Crown Of Glory
08. May Madness Hunt You Down
09. Wisdom Of Perfection




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


David Lee Roth: o vergonhoso teste de Matt Sorum para a bandaDavid Lee Roth
O vergonhoso teste de Matt Sorum para a banda

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin