Crazy Lixx: hard rock revisitado, mas original e atual

Resenha - New Religion - Crazy Lixx

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A banda sueca CRAZY LIXX, apesar de ser nova (de 2002), retoma o melhor do hard rock da década de 80. "New Religion" é seu segundo álbum e reforça o motivo de serem apontados como uma das bandas da chamada "The New Wave of Swedish Sleaze", com a clara influência de bandas como SKID ROW e WARRANT.

Playback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceuNotas altas: as dez mais impressionantes do Heavy Metal

Em seu segundo álbum, mesmo com a entrada de Andy Dawson nas guitarras no lugar de Vic Zino (que excursionaria com o HARDCORE SUPERSTAR, outra banda sueca da "New Wave"), o mesmo hard rock agressivo, acelerado e envolvente permanece, como em "The Witching Hour" e "Lock Up Your Daughter". Refrãos pegajosos com boas bases e solados também invadem a audição, como em "Rock And Hard Place" e "21 'till I Die".

"My Medicine" é cheia de swing e de backings, tendo aquela cara típica do hard europeu moderno. Até mesmo as faixas mais lentas têm seus ápices e são muito bonitas, como "Blame It on Love", "Children of The Cross" e "What of Our Love". A animada e divertida "She's mine" é outra que merece destaque, por ser bem diferente das demais, com instrumentos de sopros, piano, e, como sempre, com excelentes guitarras e refrão. A sensação de se já conhecer as músicas é inerente com tantas faixas ótimas e com tantas boas influências na sonoridade.

Em "New Religion", o CRAZY LIXX argumenta a favor do hard rock, mostrando que o estilo talvez nunca devesse ter se enfraquecido. O grupo, com ótimos instrumentistas principalmente nas guitarras e nos vocais, mostra que é possível revisitar aquelas bandas que fizeram sucesso no passado, imprimindo originalidade e contemporaneidade. Com dois álbuns muito bons, pode-se dizer que a Suécia está muito bem servida e que o CRAZY LIXX tem uma grande carreira pela frente... e não só na Europa.

Integrantes:
Danny Rexon - Vocal e guitarra
Andy Dawson - Guitarra
Luke Rivano - Baixo
Joey Cirera - Bateria

Faixas:
1. Rock and a Hard Place
2. My Medicine
3. 21 'Til I Die
4. Blame It on Love
5. Road to Babylon
6. Children of the Cross
7. The Witching Hour
8. Lock Up Your Daughter
9. She's Mine
10. What of Our Love
11. Desert Bloom
12. Voodoo Woman

Gravadora: Frontiers Records

Site oficial: crazylixx.com


Outras resenhas de New Religion - Crazy Lixx

Crazy Lixx: o que o Def Leppard deveria estar fazendo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crazy Lixx"


Playback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceuPlayback.FM
Saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceu

Notas altas: as dez mais impressionantes do Heavy MetalNotas altas
As dez mais impressionantes do Heavy Metal

Fotos de Infância: EvanescenceFotos de Infância
Evanescence

Separados no nascimento: Cazuza e Lauro CoronaMascotes do Metal: os dez maiores segundo The GauntletAC/DC: Malcolm Young é "um cara impiedoso", diz Mick WallPantera: "Vulgar Display..." foi "inovador para o metal", diz Vinnie Paul

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.